Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

A Biblioteca de Raquel

Tatiana Serra

Mundo literário e editorial

Imagem da página inicial do site
http://abibliotecaderaquel.blogfolha.uol.com.br/

Ao acessar o Blog da Raquel, você entrará num espaço dedicado aos que adoram uma leitura. É o blog de Raquel Cozer, colunista do Painel das Letras, no caderno “Ilustrada”, e repórter do “Ilustríssima”, especializado na cobertura de livros.

Semanalmente, a jornalista leva a seus leitores curiosidades sobre o mundo literário e editorial, além de explorar as relações entre literatura e outras áreas da cultura. Quem acha que vai apenas ler a crítica de um livro se surpreende ao ver que Raquel busca assuntos do cotidiano para introduzir temas mais específicos, como quando juntou a greve da PM baiana e o livro O cérebro que se transforma, do psiquiatra Norman Doidge, num mesmo texto. Para conferir, leia o artigo As trilhas que a gente cria no cérebro.

Talvez o diferencial de Raquel em seu blog seja mesmo a facilidade de achar simplicidade em livros tidos como mais densos, a facilidade de abordar assuntos às vezes já muito comentados, porém de um jeito que faz o leitor parar, pensar e se sentir como que ouvido por alguém, como se estivesse trocando ideias com uma amiga.

No último post do blog, Fifty Shades, o livro pornô da mamãe”, a colunista começa falando do estilo de livro que tem dominado as listas dos mais vendidos, desde a chegada de Harry Potter. Ela confessa ser defensora desse fenômeno (“ainda que dizer isso vá abalar minha credibilidade de repórter de literatura entre os menos tolerantes”) e continua o texto falando da trilogia de fantasia “escapista erótica” que ficou conhecida como “mummy porn”, o pornô da mamãe, por ter perdido a conotação erótica, tanto que nos EUA as pessoas têm chamado Fifty Shades de “o livro”, acompanhando as palavras com aquelas abomináveis aspinhas de dedos no ar, segundo Raquel. Acompanhe a Biblioteca de Raquel, vale a pena!

Publicado em 27 de março de 2012.

Publicado em 27 de março de 2012

Novidades por e-mail

Para receber nossas atualizações semanais, basta você se inscrever em nosso mailing

Este artigo ainda não recebeu nenhum comentário

Deixe seu comentário

Este artigo e os seus comentários não refletem necessariamente a opinião da revista Educação Pública ou da Fundação Cecierj.