Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

A música no cotidiano de sala de aula do professor de história

Sandra Maria Monteiro Chírico

Professora do Colégio Pedro II, pedagoga pós-graduada em Educação e licenciada em História

Ao longo dos anos, a História vem sendo ensinada em aulas especificas de maneira tradicional, o que torna o saber limitado. Discussões são travadas em relação à formação do professor de História e o cotidiano de sala de aula, haja vista a necessidade de realizar mudanças radicais.

A modernização dos currículos do ensino em geral e a qualificação e a atualização de professores de História se fazem necessárias nesse contexto de transformações. Temos sentido que as melhorias vêm ocorrendo, tanto individual como coletivamente; e têm contribuído efetivamente para qualificar o ensino de História em todos os níveis da educação, porém ainda não chegamos a um patamar satisfatório. É desafiador acompanhar as reformas educacionais, mas sabemos da necessidade de tal processo, que reflete os anseios da sociedade atual.

No momento atual, a música popular vem sendo utilizada como uma das linguagens alternativas e um importante recurso didático para a aprendizagem de História. No contexto de sala de aula, o uso da música é um poderoso instrumento pelo qual se revela o registro da vida cotidiana, na visão de autores que observam o momento social em que vivem. As representações sociais dos autores e intérpretes serão instrumentos na transformação dos conceitos, porque esse tipo de registro traz evidências que facilitam o entendimento do passado e a compreensão histórica por parte dos alunos, pela empatia estabelecida entre eles em relação a outros contextos históricos.

A utilização da música como elemento de aprendizagem cultural que também representa sensibilidades, valores, padrões e regras, favorece e reformula o modelo de trabalho em sala de aula. O potencial amplo que pode ser explorado com o uso da música tem caráter interdisciplinar, envolvendo, entre outras, Literatura, Língua Portuguesa, Geografia, Ciências, Filosofia e História.

Atuando como elemento deflagrador de todo um processo de discussão sobre atuações, temas e personagens e momentos da História, a música auxilia na metodologia aplicada e facilita aos alunos a elaboração de conceitos e a significação de fatos históricos, possibilitando a troca de aprendizados e o repensar de ações e preconceitos. Como afirma Maria Auxiliadora Schimidt, é no espaço de sala de aula que professores e alunos de História travam um embate em que o professor, novidadeiro do passado e da memória, sente-se com a possibilidade de guiar e dominar em nome do conhecimento.

As questões urbanas são um exemplo significante de assuntos que podem ser tratados com música, pois envolvem a sociedade. As cidades constituem territórios que condicionam inúmeras experiências individuais e coletivas. Sobre a cidade são construídas várias memórias e vivências – algumas visíveis e tangíveis; outras, invisíveis – que representam e possibilitam uma boa reflexão da metrópole e da sociedade da época. O professor pode construir através da música pontes entre o passado e a atualidade. Afinal, nossas canções são múltiplas e criativas, assim como as estratégias e as ações a serem utilizadas no espaço da sala de aula.

Referências

SCHMIDT, M. A. M. S. A formação do professor de História e o cotidiano da sala de aula. In: BITTENCOURT, Circe (Org.). O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2002.

MATOS, Maria Izilda de. Nossa História. Saudosa Maloca vai à escola. São Paulo: Vera Cruz, 81(82), jun. 2006.

Publicado em 04 de março de 2008

Publicado em 04 de março de 2008