Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Racismo Ambiental

Alexandre Amorim

Visão crítica do meio ambiente

Imagem da página inicial do site
http://racismoambiental.net.br/

“Chamamos de Racismo Ambiental as injustiças sociais e ambientais que recaem de forma implacável sobre grupos étnicos vulnerabilizados e outras comunidades, discriminadas por sua origem ou cor”. Assim se apresenta o grupo de Combate ao Racismo Ambiental, criado em 2005 com o objetivo de definir estratégias de apoio e estabelecer uma rede entre os grupos que promovem a defesa desses grupos étnicos.

O grupo conta com participações de entidades sociais e indivíduos dedicados a analisar e propor alternativas para o processo de perda que esses grupos sofrem constantemente. Seminários que têm participações de todas as partes do Brasil reúnem grupos envolvidos em conflitos socioambientais, movimentos sociais, ONGs e academia, numa tentativa de envolver cada segmento representado na luta contra o racismo ambiental.

O site se divide entre a apresentação resumida (e ilustrada com filmes) dos seminários realizados, notícias ligadas ao tema principal e uma espécie de arquivo de artigos, reunidos por categorias: direitos humanos, justiça climática, mídia e poder, racismo, reforma agrária e outros. São informações valiosas e bem escritas, disponíveis para quem sente a necessidade de saber mais sobre a disparidade social e ambiental, principalmente dentro do Brasil.

A visão do grupo é de que o modelo político-ideológico vigente acaba por desconsiderar os cidadãos, especialmente aqueles que, já sendo oprimidos por sua situação social, ainda sofrem por estar encurralados em comunidades marginalizadas, como os índios, os favelados e os quilombolas. O discurso desenvolvimentista acaba por ignorar ou mesmo destruir as possibilidades de capacitação desses grupos, além de invadir geograficamente suas áreas e destruir a relação de suas vidas com seu meio ambiente.

Publicado em 04 de maio de 2010.

Publicado em 04 de maio de 2010