Edição V. 20, Ed. 39 - 13/10/2020

O papel da família no acompanhamento da vida escolar dos filhos

Instituição Escola

O presente artigo objetiva trazer à tona reflexões acerca da relevância existente no que diz respeito ao acompanhamento da família na vida escolar dos filhos com o intuito de fortalecer a relação família/escola e vice-versa e, dessa forma, minimizar a distância existente entre ambas as instituições. Tendo em vista que, no panorama do século XXI, onde a grande temática é uma escola democrática, deparamo-nos com uma instituição que não transforma a sociedade, apenas a reproduz, mesmo diante dos recursos disponibilizados, da vasta quantidade de escolas, do acesso às vagas, da elevação dos níveis de escolaridade e permanência dos alunos na mesma. É sabido também que a família a partir de sua institucionalização foi concebida enquanto espaço social, com várias roupagens, transmissora de usos, costumes e valores morais. Nesse sentido, considerando-se que a formação da família foi alicerçada no poder da figura masculina, sendo o homem a figura pública, restando à mulher apenas o espaço privado, apesar das conquistas femininas nos postos de trabalho, ainda recai sobre a responsabilidade da mulher a educação dos filhos. Assim, a relação entre a família e a escola caracteriza-se por desafios e perspectivas a serem superados, onde a família confere à escola não só a socialização, mas também o caráter educacional - o que gera a partir daí a necessidade de conscientizar não só a família, mas também a escola, de que as responsabilidades entre ambas as instituições precisam e urgem ser, cuidadosamente, compartilhadas.

Leia este artigo

O ensino de solos nos anos iniciais do Ensino Fundamental: uma abordagem baseada em livros didáticos de Ciências após aprovação da Base Nacional Comum Curricular

Avaliação

Com a BNCC, todas as instituições escolares, públicas e/ou particulares, passam a ter uma referência nacional obrigatória para a elaboração ou adequação de seus currículos e propostas pedagógicas, visando à redução das desigualdades educacionais no Brasil e à promoção da equidade e da qualidade das aprendizagens dos estudantes brasileiros.

Leia este artigo

Uso de tecnologias de informação e comunicação nas práticas escolares para pessoas com deficiência

Educação Especial e Inclusiva

O direito à educação encontra-se amparado por normas nacionais e internacionais. Foi consagrado na Constituição Federal de 1988 como um direito social, com garantia da educação de qualidade e extensiva a todos os brasileiros. Datam da segunda metade da década de 1990 as primeiras iniciativas governamentais de incentivo ao uso de tecnologias de informação e comunicação nas escolas públicas do Brasil. O uso das TIC nas práticas escolares pressupõe a necessidade de reinventar e reafirmar o compromisso subjacente da melhoria da qualidade da educação.

Leia este artigo

Contextualizando o pH por meio de uma aula criativa para alunos da Educação de Jovens e Adultos

Nutrição e Alimentos e Vivências de Sala de Aula

Tendo em vista os inúmeros desafios presentes na Educação de Jovens e Adultos (EJA), torna-se necessário que o professor utilize estratégias de aprendizagem significativas durante as aulas, considerando a realidade dos estudantes envolvidos e interligando a teoria com a prática. Desta forma, o presente artigo traz uma breve reflexão sobre a importância da realização de aulas contextualizadas, por meio do relato de uma aula prática sobre o conceito do pH destinada a alunos do Programa de Educação de Jovens e Adultos (PEJA) da Prefeitura do Rio de Janeiro. A partir dessa experiência, tornou-se perceptível que a abordagem contextualizada colabora para o aprendizado de conhecimentos científicos, facilitando a problematização e respectiva ressignificação dos conteúdos trabalhados.

Leia este artigo

Do Navio Negreiro de Castro Alves ao Cais do Valongo no Rio de Janeiro: construindo reflexões interdisciplinares na Geografia

Geografia, História e Língua Portuguesa e Literatura

Este artigo é fruto de reflexões interdisciplinares, motivado diante de um cenário onde tem crescido o preconceito racial na nossa sociedade e em pleno século XXI - o que é inaceitável. Diante dessa situação, cabe ao educador não silenciar essa problemática em sala de aula e criar estratégias pedagógicas a fim de jogar luz ao problema que é de todos, e não apenas dos negros. Entendendo que a escola é reflexo da sociedade, devemos começar por nós mesmos, e só assim teremos uma geração de alunos conscientes do seu papel na sociedade, esclarecida e despida de todo e qualquer preconceito. Dessa forma, para atingir esse objetivo, buscou-se uma conexão de ideias entre o poema de Castro Alves – O Navio Negreiro, com o simbolismo do Cais do Valongo, lugar de importância histórica e de resistência do povo negro e de sua cultura. Afinal, só quem conhece a história, sabe da urgência de não cometer os mesmos erros no futuro.

Leia este artigo

Conhecimentos prévios dos discentes: contribuições para o processo de ensino-aprendizagem baseado em projetos

Saúde, Biologia e Biociências e Formação de Professores

As exigências do mundo contemporâneo impõem que ofereçamos aos alunos competências básicas que possibilitem o desenvolvimento de conhecimentos, habilidades e atitudes que, por sua vez, permitam sua adaptação e permanência no mercado de trabalho, bem como sua formação como cidadãos críticos e reflexivos, capazes de exercer uma cidadania participante da construção de uma sociedade justa e solidária.

Leia este artigo

Práticas de ensino e pesquisa nas Ciências da Natureza e suas tecnologias

Vivências de Sala de Aula

O presente estudo é o resultado da investigação e aplicação de aulas práticas de Biologia e Química na compreensão, leitura, interpretação e desempenho escolar de alunos do Ensino Médio de uma escola pública. O objetivo foi mostrar que o desenvolvimento disciplinar realizado com as metodologias práticas estimula a pesquisa e agrega à interdisciplinaridade e à realidade dentro da construção do conhecimento. Este estudo desenvolveu-se mediante a elaboração de roteiro de entrevistas e questionários para aplicação em campo das visitas técnicas. Diante do exposto, concluiu-se que a interação existente entre prática e conceitos tradicionais das aulas de Biologia e Química depende da capacidade de criatividade, de condições fornecidas ao professor e da interação dele com o aluno e entre os alunos, sendo esse um dos componentes mais importantes para o sucesso do ensino-aprendizagem. Sem que haja convivência positiva entre esses sujeitos não há aprendizagem de qualidade.

Leia este artigo

Geografia na perspectiva do lugar: história de vida e uso de tecnologia da informação e comunicação

Geografia, Avaliação e Vivências de Sala de Aula

A Geografia é uma ciência que possui o lugar, o território, a região, o espaço e a paisagem como categorias de análise. O lugar traz compreensões de ambientes onde a vivência, os sentimentos e as percepções contribuem para o verdadeiro conhecimento geográfico. Por meio de mecanismos da tecnologia da informação, essas descrições e compreensões dos lugares podem ser divulgadas e compartilhadas, o que, consequentemente, resulta em aumento do conhecimento geográfico geral de mundo.

Leia este artigo

Percepção de alunos do Ensino Técnico de nível médio integrado sobre a aplicação de avaliação formativa

Avaliação

A necessidade da eliminação de fatores excludentes e geradores de desigualdade no processo educacional exige que os métodos tradicionais de avaliação sejam revistos. Nesse contexto, surge a proposta da avaliação formativa, que é inserida no processo de aprendizagem com o papel de orientar estudantes e professores na busca por melhores resultados. Este trabalho avalia a percepção de alunos do ensino técnico de nível médio integrado sobre a aplicação da avaliação formativa em disciplinas específicas do curso de edificações, por meio da escala de Likert. Os resultados indicaram viabilidade da aplicação desse tipo de avaliação, por sua influência positiva em aspectos motivacionais, de desempenho e de interação com o professor e com o conteúdo das disciplinas.

Leia este artigo

Edições anteriores

Edição V. 20, Ed. 38 - 06/10/2020

O orientador educacional sob a análise temporal e conceitual da sua prática: contextualizações viabilizadoras do ensino inclusivo e de qualidade

História da Educação e Política Educacional

O presente estudo teve como propósito contextualizar as funções do orientador educacional a partir de dois períodos históricos: décadas de 30 e de 80 do século XX, trazidos pela ótica da educação pública brasileira, por representarem as mudanças conceituais por que passou a prática desse profissional e que demarcaram o (re)direcionamento da composição pedagógico-gerencial e, sobretudo, da construção do conhecimento, por meio da descrição de novos paradigmas educacionais de sua atuação, com ênfase na busca pela qualidade do ensino e inclusão de todos os alunos, indistintamente.

Leia este artigo

O estágio como processo de formação profissional

Formação de Professores

O estágio, como componente curricular obrigatório dos cursos técnicos, bacharelados e licenciaturas, entre outros, possibilita ao estudante a oportunidade de ter contato com a sua futura área de atuação profissional; nele qual o futuro profissional adquire conhecimentos práticos e desenvolve habilidades que serão indispensáveis em seu fazer profissional. Este trabalho apresenta, de forma sucinta, a descrição e análise das atividades desenvolvidas no Estágio III, do curso de licenciatura em História, sendo realizado em uma turma de 3º ano do Ensino Médio, etapa final da Educação Básica. No desenvolvimento deste trabalho, são abordados pontos como a caracterização da instituição onde o estágio foi realizado, o perfil profissional da professora regente, da turma, o projeto de estágio, entre outros, assim como a apresentação e discussão sobre a experiência do estágio.

Leia este artigo

Uma exposição sobre Astrobiologia como recurso didático no Ensino Médio

Astronomia

Desde os primórdios, a humanidade tem mostrado o seu fascínio pelo Universo, buscando desvendar os mistérios das estrelas como forma de compreender a sua própria existência. Neste percurso, finalmente o homem conseguiu chegar à Lua e explorar outros planetas. Não se contentando com o que encontrou no sistema solar, pesquisa hoje planetas localizados além deste sistema, os chamados planetas extrassolares.

Leia este artigo

Jogos e brincadeiras: interação social vivenciada pelos alunos do 6º ano da Escola Municipal Brigadeiro Eduardo Gomes

Vivências de Sala de Aula e Educação Física

O presente trabalho intenciona apresentar um relato de experiência vivenciada na Escola Municipal Brigadeiro Eduardo Gomes que retrata a formulação e aplicação de uma sequência didática sobre importância dos jogos e brincadeiras como forma de interação dentro do seu contexto social vivenciado no cotidiano dos alunos do 6º ano do Ensino Fundamental. Apresentaremos como fundamentação teórica a relevância do respeito às regras durante a vivência dos jogos e para a vida e como eles podem influenciar e contribuir para a interação social desses alunos. Vamos expor ainda os procedimentos usados e os resultados alcançados. Por fim, foi possível perceber que a prática dos jogos traz grandes benefícios para o desenvolvimento educacional desses alunos, estimulando o pensamento e desenvolvendo a criatividade.

Leia este artigo

Adequação curricular e ensino estruturado: trabalho colaborativo entre professores para o desenvolvimento do estudante com TEA

Educação Especial e Inclusiva

Este estudo é resultado da dissertação de mestrado que aborda adequação curricular utilizando elementos do ensino estruturado fundamentado nos princípios do programa TEACCH. A pesquisa partiu de uma questão norteadora: é possível fazer adequações curriculares utilizando os princípios desse programa? Com o questionamento apresentado, delimitou-se como objetivos elaborar uma proposta de adequação curricular com base nos princípios do ensino estruturado na perspectiva do programa para um estudante com TEA, matriculado no terceiro ano do Ensino Fundamental na rede pública de ensino; observar como o professor da sala comum organiza as atividades para o estudante com TEA; verificar se o ensino estruturado abordado no programa pode ser ajustado ao currículo escolar; atuar numa proposta de trabalho colaborativo entre professor do AEE e a professora da sala comum; aumentar a participação do estudante com TEA nas atividades propostas em sala de aula e contribuir com a socialização no grupo. A pesquisa foi desenvolvida com base em uma metodologia comunicativa crítica, provida do diálogo para compreender, interpretar e transformar a realidade vivida pelos próprios participantes da pesquisa. Utilizamos dois instrumentos para coleta de dados: roteiro de entrevista e roteiro de observação. A pesquisa foi desenvolvida na rede pública do Estado de São Paulo tendo como sujeitos um estudante com TEA, a professora da sala comum, a professora do AEE e a mãe do estudante. Os resultados mostraram que é possível adequar conteúdo do currículo escolar utilizando elementos do ensino estruturado sob os princípios do programa TEACCH, que, apoiado no trabalho colaborativo entre professores, contribui com ensino-aprendizagem, favorecendo também a comunicação e a interação do estudante no ambiente escolar.

Leia este artigo

Evocação livre de palavras como instrumento de avaliação diagnóstica

Avaliação

Promover o conhecimento da fauna local e sensibilizar os alunos em relação às espécies ameaçadas de extinção se constitui em um importante papel para a formação do aluno enquanto cidadão. A discussão desse tema na escola amplia o seu espectro, podendo alcançar, além das crianças, os pais e familiares de forma direta.

Leia este artigo

Aprendizagem "dentro e fora da caverna"

Formação de Professores

De novo pensando em aprendizagem. Em tempos de ensino remoto, de novo pensamos em aprendizagem. Na base da discussão, dois setores importantes: família e escola. No meio da discussão, aprendentes em desenvolvimento. Pomo da discórdia: conteúdo. Que pena! Nós estamos no tempo da verdade, da clareza, da potencialidade de conteúdos menos disformes e mais contextualizados. Tempo em que se exige saída da zona de conforto para pensar mais qualidade no processo de ensino-aprendizagem.

Leia este artigo

Oralidade e produção textual na sala de aula: dos conflitos às soluções para uma aprendizagem da nova ortografia da língua portuguesa

Comunicação e Língua Portuguesa e Literatura

Devido à diversidade da língua portuguesa em suas diversas regiões no Brasil, da pouca leitura de livros entre as pessoas da sociedade e, consequentemente, do pouco estímulo dos familiares para com seus filhos, na formação de uma cultura da leitura, é que a língua portuguesa ainda encontra uso incorreto ou incompleto.

Leia este artigo

O Parque Mutirama como espaço não formal e potencializador no processo de ensino-aprendizagem na Educação Básica

Ecologia e Meio Ambiente, Matemática, Educação Infantil, Instituição Escola, Vivências de Sala de Aula, Espaços Urbanos e Política Cultural

Os debates proporcionados durante a disciplina de Ensino de Ciências e Matemática em Espaços Não Formais do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática da Universidade Federal de Goiás foram engajadoras para a investigação acerca das potencialidades do espaço não formal no Parque Mutirama, na cidade de Goiânia-GO. Este artigo tem por objetivo refletir as propostas e possibilidades de atividades pedagogicas que possam ser desenvolvidas em um espaço não formal. Propõe, também, compreender as possibilidades que o espaço pode oferecer ao professor de diversas áreas nas construções de conhecimentos curriculares, pois as proposituras de desenvolver atividades nesse espaço são inúmeras e abarcam a interdisciplinaridade entre diversas disciplinas. O material foi resultado de visitar o parque de diversão, tendo como mediador um funcionário que forneceu informações do espaço e suas especificidades. Nesse viés, a investigação propiciou a visualização do Parque Mutirama como espaço rico em possibilidades que pode oportunizar o professor da Educação Básica desenvolver atividades inter e multidisciplinares com os temas transversais presentes em seu meio. Os resultados mostram que nesse espaço evidenciam-se contribuições significativas no processo de ensino-aprendizagerm dos alunos, permitindo compreender as possibilidades de praticas contextualizadas e problematizadoras, transformando a realidade vivenciada.

Leia este artigo

Edição V. 20, Ed. 37 - 29/09/2020

Interdisciplinaridade na educação de crianças surdas e ouvintes: uma proposta de atividades envolvendo Libras e meio ambiente

Educação Especial e Inclusiva, Educação Infantil, Formação de Professores e Outras Mais Específicas

O interesse por estudos que focalizam a aprendizagem de línguas envolvendo os surdos tem se mostrado bastante recorrente tanto no campo de pesquisa como no campo pedagógico. Neste último, por exemplo, muitas pesquisas discutem peculiaridades individuais que os surdos trazem durante sua formação pessoal; dentre elas, a Língua Brasileira de Sinais (Libras) é parte primorosa no conceito de representação, comunicação e de coconstrução de conhecimento para o sujeito adquirir e desenvolver suas potencialidades no contexto social.

Leia este artigo

Estratégia didática em Química Orgânica: uma metodologia diferente no ensino de Química na EJA

Química

Este trabalho foi realizado com uma turma da 3ª série do Ensino Médio da EJA na Escola Estadual Padre Eugênio Possamai, no município de Rorainópolis/RR. O objetivo foi utilizar o jogo pedagógico e o software educativo como ferramenta facilitadora no processo de ensino-aprendizagem no conteúdo de Química Orgânica. A proposta contou com a execução do jogo de cartas das funções orgânicas e do manuseio do aplicativo Funções Orgânicas no celular, disponível gratuitamente pelo Play Store, no qual, os alunos individualmente puderam manusear o jogo virtual no próprio aparelho celular. Para levantamento de dados, foram aplicados dois questionários com perguntas mistas em quatro aulas, tratando-se de uma pesquisa de caráter qualitativo. A partir dos questionários aplicados, foi possível verificar, que a utilização dessa ferramenta pedagógica facilitou a compreensão do conteúdo pelos educandos. Após a pesquisa ser concluída, observou-se que 81% dos estudantes conseguiram assimilar a teoria com a prática. Portanto, os resultados encontrados foram satisfatórios devido à ludicidade em sala de aula, despertando o interesse pela Química, tornando a aula diferente e significativa para a aprendizagem dos estudantes.

Leia este artigo

Educação que alimenta o corpo e a mente

Sociologia, Vivências de Sala de Aula e Política Educacional

Escrevi um artigo na época da faculdade, e um professor me fez a seguinte proposição: “Gostei muito de seu artigo, mas gostaria de saber: daria certo na prática?”. É algo que tenho perseguido desde o dia em que passei a lecionar em instituição pública: tornar minha metodologia de ensino prática, a ponto de permitir ao educando “indisciplinar-se” no processo de aprendizagem. Ao iniciar o curso de especialização Educação, Pobreza e Desigualdade Social, constatei algo que me impressionou e fez olhar o educando de forma diferente da qual estava acostumado: um ser humano que precisa da Educação para alimentar a mente e o corpo. Ou seja, procurou-se neste breve trabalho focar (metodologia da observação participante) em torno da realidade vivenciada em sala de aula, nas reuniões com pais/responsáveis de alunos e alunas e o material bibliográfico disponibilizado no curso e demais literaturas educacionais, tendo o objetivo de compreender os benefícios e deficiências da alimentação e realidade socioeconômica no processo de construção de saberes e a relação de aprendizagem.

Leia este artigo

Ensino de História: uma reflexão sobre materiais e métodos de ensino

História, Formação de Professores e Vivências de Sala de Aula

O ensino de História, assim como o de outras áreas do conhecimento, necessita de métodos e materiais que proporcionem prazer ao aluno em aprender, que chame a atenção dos mesmos, melhorando o processo de ensino-aprendizagem. Sendo este trabalho realizado a partir de pesquisa bibliográfica, o mesmo se propôs a identificar e caracterizar alguns métodos e materiais utilizados ou a serem utilizados no ensino de História, tais como o livro didático, o cinema, imagens, a memória, entre outros. Para a formação plena do cidadão, formação esta que permita ao ser humano ser capaz de conhecer, saber que conhece, que seja capaz de trabalhar e modificar o mundo, se faz cada vez mais necessário o uso de técnicas pedagógicas que façam com que as informações passem a ser transmitidas de diversas formas e o conhecimento se torne cada vez mais abrangente.

Leia este artigo

Os acidentes de mineração contados por dados estatísticos

Ecologia e Meio Ambiente, Matemática e Vivências de Sala de Aula

Este trabalho possui fundamentação teórica em questões sociocientíficas aplicadas ao estudo de dados estatísticos, abordando-os em contextos de tomada de decisões sociais, econômicas, políticas e ambientais responsáveis, nas quais aspectos hegemônicos de consumismo, competição e individualismo estão presentes.

Leia este artigo

Uso de diferentes recursos didáticos no ensino de reprodução humana no Ensino Fundamental II

Vivências de Sala de Aula

O ensino de Ciências tem o grande desafio de tornar o ensino mais prazeroso, interativo, com mais diálogo e atividades que sejam capazes de fazer o aluno reconhecer o conhecimento científico em situações do seu dia a dia, já que os estudantes ainda possuem dificuldade de relacionar o que aprende em sala de aula com seu cotidiano.

Leia este artigo

Arte e Música na Base Nacional Comum Curricular

Educação Artística, Música e Política Educacional

Esta pesquisa pretende levantar uma discussão acerca da BNCC (Base Nacional Comum Curricular) e também traz um levantamento de leis e documentos atuais que buscam a implementação efetiva do referido documento, necessários para a compreensão e aplicação do documento principal em estudo.

Leia este artigo

A institucionalização do patrimônio histórico e cultural

Antropologia, Direito, Geografia, História, Sociologia, Educação Artística e Política Cultural

Este artigo tem como objetivo levantar uma reflexão acerca do desenvolvimento histórico dos processos que culminaram na consolidação da área do Patrimônio em suas vertentes históricas e culturais. Tal reflexão se mostra necessária na medida em que tal tema – o dos bens passíveis de patrimonialização – é constantemente abordado, sob diferentes prismas, nas aulas de História e de Geografia na educação básica. O objetivo então é o de ressaltar a importância de tal tema nas aulas de educação básica, procurando, através desta breve revisão histórica, colocar a historicidade da temática, de modo que os professores possam encontrar orientação e justificativa nas obras selecionadas como referências neste artigo. A partir da leitura crítica e comentada dos autores citados, concluímos que o campo do Patrimônio é um campo em permanente processo de construção e de disputa, que gravita entre o esforço de esquecimento e a exaltação da memória.

Leia este artigo

Análise da utilização de ferramentas de inovação no ensino: um estudo de caso nos campi do IFMG em Ouro Branco e Itabirito

Formação de Professores e Vivências de Sala de Aula

Diversos esforços são realizados para desenvolver um produto ou um serviço de modo que ele possa, cada vez mais, atender às expectativas do mercado e do cliente. Como esses esforços acontecem na Educação? Foi apresentado um questionário a professores do IFMG para avaliar a percepção deles em relação a inovação.

Leia este artigo

Educação e pandemia

Educação e pandemia

Artigos publicados na revista Educação Pública sobre a pandemia

Acesse aqui

Atenção: Submissão de artigos

Prezados autores, prezadas autoras,
estamos realizando uma atualização de nosso sistema editorial. Por isso, a revista Educação Pública não estará temporariamente recebendo novos trabalhos para publicação. Vale ressaltar que os artigos já recebidos estão em processo de avaliação e, se selecionados, serão publicados.

Quando o sistema voltar a funcionar normalmente - o que esperamos que aconteça muito em breve - retomaremos o processo de submissão de novos trabalhos que tratem de temas ou relatem experiências relevantes para a Educação Básica no Brasil.

20/10 às 18h | Mulheres na EaD: partilhando experiências e realidades antes e durante a pandemia

14/10 a 18/12 | Festival do Filme Científico

De 14 de outubro a 18 de dezembro, o Brasil recebe a segunda edição do Science Film Festival, festival de cinema dedicado à promoção da ciência e da educação científica por meio do audiovisual. O tema deste ano é sustentabilidade e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs) – a seleção de filmes voltados a professores, estudantes e público geral aborda questões que duramente afetam o planeta hoje, como mudanças climáticas, biodiversidade, inovação e tecnologia, energias limpas, entre outras. No Brasil, a mostra traz 14 vídeos de países como Tailândia, Alemanha, Chile e Canadá, todos dublados ou legendados para o português brasileiro, destinados a crianças e adolescentes.

site do evento

17 a 20/11 | XI Encontro Nacional Perspectivas do Ensino de História

Educação: Tem o poder de transformar

O Centro de Estudos “O bem viver e a resiliência dos povos indígenas no cuidado com a Amazônia" recebeu os representantes dos povos indígenas
- Iolanda Pereira da Silva, do Povo Macuxi;
- Michel Oliveira Baré Tikuna, do Povo Baré e Tikuna;
- e o procurador da República Marco Antônio Delfino de Almeida;
- e o coordenador do Programa Rio Negro do Instituto Socioambiental, Marcos Wesley de Oliveira.

Veja o video

Caminho para a liberdade

"A educação é o ponto em que decidimos se amamos o mundo o bastante para assumirmos a responsabilidade por ele."
Hannah Arendt (1906-1975).

Educadores brasileiros

Dermeval Saviani

"A educação é uma atividade que supõe a heterogeneidade no ponto de partida e a homogeneidade no ponto de chegada."

Twitter da revista

Siga-nos no Twitter @educacaopublica

Veja também

Fundação Cecierj


Diretoria de Extensão


Revista EaD em foco