Edição V. 20, Ed. 46 - 01/12/2020

Educação Inclusiva: acessibilidade física na Escola Municipal Nilton Balthazar, no município de Rio das Ostras/RJ

Educação Especial e Inclusiva

Será que a Escola Municipal Nilton Balthazar, no município de Rio das Ostras - Rio de Janeiro, está acessível aos alunos com deficiência física? E, caso não esteja, o que se pode fazer para superar as barreiras arquitetônicas lá encontradas? Essas questões nortearam este estudo e foram respondidas através dos dados coletados pela pesquisa de campo realizada na referida escola. O objetivo desse artigo é investigar a acessibilidade física na Escola Municipal Nilton Balthazar, no município de Rio das Ostras, a partir da análise dos acessos de entrada da escola, seus espaços de circulação e convivência, suas salas de aula e estrutura dos banheiros, avaliando as principais barreiras encontradas nos locais analisados e propondo estratégias de mudanças e adaptações no espaço investigado. O trabalho foi desenvolvido por meio de observações diretas no estabelecimento de ensino através de um roteiro de observações e medidas previamente estruturado pelo pesquisador, com base nos conceitos adotados pela Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT NBR 9050, constituindo-se em uma pesquisa de cunho qualitativo e, também, através da aplicação de um questionário semiestruturado à direção para a coleta de dados da sua visão sobre a inclusão e acessibilidade física na escola. Os padrões arquitetônicos observados estão, parcialmente, em desacordo com a ABNT NBR 9050/2015, quanto aos critérios estabelecidos para a acessibilidade de pessoas com deficiência física, o que caracteriza que a escola não está totalmente preparada para realizar a inclusão de pessoas com deficiência física, necessitando, assim, de modificações estruturais para eliminar todas as barreiras arquitetônicas que impedem que os deficientes físicos possam ir e vir com autonomia.

Leia este artigo

Práticas de multiletramentos e letramentos críticos: outros sentidos para a sala de aula de línguas

Formação de Professores

Neutralidade na língua não existe. Todo e qualquer texto escrito traz em si um posicionamento ideológico, uma identidade, confere poder. Os textos são situados e posicionam o leitor. O ponto inicial para a aprendizagem é perceber que, com base na leitura crítica dos textos, os textos são representações parciais do mundo.

Leia este artigo

CTS e livro didático de Matemática: algumas aproximações

Matemática

Este estudo propõe-se a analisar um livro didático de matemática da Coleção Teláris, adotado para o 6º ano nas escolas públicas de Rosário, município do Estado do Maranhão. Buscou-se identificar em partes do livro a abordagem Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS) voltada para uma Educação Científico-Tecnológica no contexto escolar brasileiro. O livro em análise será utilizado por estudantes de 14 escolas municipais de Rosário. De acordo com o Documento Curricular do Território Maranhense, a abordagem CTS, no âmbito educacional, é parte propulsora do desenvolvimento sustentável da região e a educação em ciências e tecnologia, não pode se dar sem a incorporação de amplos valores humanos. A pesquisa é de natureza qualitativa, de viés descritivo e delineamento de pesquisa documental. Os resultados apresentados fazem parte de um estudo desenvolvido na disciplina de Abordagem em Ciência e Tecnologia do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Matemática (Ppecem) da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), os quais mostram que são variadas as relações que o livro didático faz com temas e situações voltadas para a abordagem CTS.

Leia este artigo

A atividade prática como instrumento metodológico de intervenção psicopedagógica no ensino de Ciências

Formação de Professores

Ao abordar conteúdos que envolvam temas pouco palpáveis, é notável a grande dificuldade de assimilação de conceitos e de construção do conhecimento por parte dos alunos quando utilizamos métodos tradicionais de ensino e aprendizagem, principalmente por aqueles que apresentam dificuldades nesse processo. Diante do exposto, para construção da pesquisa foi utilizada uma revisão bibliográfica, assim como a aplicação da observação qualitativa da construção do conhecimento. Por fim, este trabalho propõe aos profissionais da Educação a utilização de atividades práticas no ensino de Ciências como instrumento de intervenção psicopedagógica no processo de construção do conhecimento.

Leia este artigo

O jogo Ímã Orgânico como ferramenta didática no ensino de Química

Química e Vivências de Sala de Aula

Desde a Antiguidade a humanidade se interessa por desafios lançados através dos jogos, pois entre suas finalidades temos prazer, divertimento, liberdade, voluntariedade, motivação, aprendizagem e socialização. O jogo faz parte do contexto histórico das civilizações desde tempos remotos.

Leia este artigo

Análise da inserção de metodologias ativas de ensino-aprendizagem nos anos iniciais do Ensino Fundamental

Formação de Professores e Vivências de Sala de Aula

Este artigo analisou a utilização e inserção das metodologias ativas de ensino-aprendizagem nos anos iniciais do ensino fundamental em escolas públicas e particulares. Apresentaram-se várias Metodologias Ativas aos professores, e apesar de 70% dos professores da rede pública e 92% dos professores da rede privada afirmarem saber o que são essas metodologias, verificou-se que nem todos os tipos são conhecidas por eles. Observou-se, também, que na escola pública os professores utilizam principalmente dois tipos dessas metodologias, enquanto na escola privada há uma maior diversificação de utilização. Os professores da rede pública se sentem mais incentivados a buscarem novas metodologias de ensino do que os professores da rede privada. Da mesma forma, um percentual maior de professores da rede pública afirmou ter recebido treinamentos e capacitações sobre estas metodologias do que os professores da rede particular.

Leia este artigo

Um caminho para o cálculo: o ensino da matemática na perspectiva das investigações

Vivências de Sala de Aula

Aprender sobre números demanda uma longa trajetória no processo de aprendizagem do sujeito educando e possibilitar que as crianças pensem enquanto aprendem torna-se um elemento libertador, que proporciona reflexão, conexões e novos conhecimentos. Nesse contexto, o presente artigo expõe algumas reflexões sobre o processo de aprendizagem das crianças, partindo do conceito de número até a chegada do algoritmo convencional, na forma de cálculo armado, na perspectiva das investigações matemáticas, debruçando-se sobre a seguinte situação: como propor aos alunos um ambiente aritmizador desde a Educação Infantil até os anos iniciais? Em prol de buscar respostas a essa indagação, parte-se como percurso metodológico à pesquisa de cunho bibliográfico e de viés qualitativo. Como resultado, verificamos que o papel do pedagogo do ponto de vista da prática de ensino da Matemática, de forma a que proponha um ambiente de aprendizagem pautado nas investigações, far-se-á presente na relação mútua entre aprender e ensinar, com proposta de atividades e mediação que respaldem diretamente o fomento do interesse dos educandos pelo universo matemático.

Leia este artigo

Criatividade e expressividade na escola: performance e dramatização em aulas de literatura

Cinema, Teatro e TV e Língua Portuguesa e Literatura

O presente relato descreve a experiência docente que vivenciei no componente curricular obrigatório Estágio de Literatura: Ensino Fundamental, do curso de Letras – Língua Portuguesa da Universidade Federal de Campina Grande. O trabalho teve como propósito desenvolver a expressividade oral e corporal e a criatividade.

Leia este artigo

Gênero e educação escolar: um debate necessário

Geografia e Instituição Escola

Objetivou-se investigar as desigualdades de gênero com os estudantes das 3ª séries do Ensino Médio, por meio de pesquisa bibliográfica, questionários e entrevistas realizadas com estudantes, equipe pedagógica e professores das disciplinas afetas às Ciências Humanas e Linguagens do Colégio Estadual Padre Reus, na cidade de Pérola D’Oeste/PR. Para tanto, buscou-se verificar como o conceito de gênero está presente nos documentos que fundamentam a educação escolar brasileira. Verificou-se o conhecimento dos alunos referente às questões de gênero, seus estereótipos e o papel do espaço escolar nessa (des)construção, visto que a escola é fruto do contexto social em que está inserida. Percebeu-se que, apesar de a Constituição Federal (1988) e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (1996) assegurarem a discussão de gênero na escola, o debate acerca do tema é frágil e os profissionais pesquisados apresentam desconhecimento e/ou desinteresse sobre o assunto, enquanto os estudantes apresentam interesse e acreditam que a escola deva ser o espaço de discussão sobre as relações de gênero.

Leia este artigo

Edições anteriores

Edição V. 20, Ed. 45 - 24/11/2020

Alfabetização e Psicomotricidade: uma aliança pelo pleno desenvolvimento da criança

Educação Infantil

O presente estudo visa esclarecer que a abordagem psicomotora no processo de alfabetização de escolares em fase inicial colabora para o pleno desenvolvimento destes. O aporte teórico encadeia ideias para o melhor entendimento do desenvolvimento infantil, do papel da escola no processo de alfabetização e da psicomotricidade na escola. A metodologia utilizada contou com a pesquisa qualitativa de natureza bibliográfica que reuniu um acervo de autores importantes das áreas da alfabetização, do desenvolvimento infantil e da Psicomotricidade, como Barbosa, Silva e Le Boulch, e teorias para embasar as análises observadas pelas autoras. Foi possível inferir que a utilização da abordagem psicomotora por professores das séries iniciais, de forma adequada, respeitando o processo de desenvolvimento infantil e as características de cada fase, para o ensino/aprendizagem da leitura e da escrita, é uma proposta que significativa para o desenvolvimento pleno dos alunos.

Leia este artigo

Avaliação da Educação Básica: reflexão sobre o histórico dos resultados do Enem nas escolas estaduais de Viçosa/MG

Avaliação, Instituição Escola e Política Educacional

Este artigo tem como objetivo analisar os resultados obtidos no Enem nas edições de 2009 a 2018, das escolas estaduais do município de Viçosa/MG. Para isso, utilizará uma metodologia mista, visto que os resultados qualitativos e quantitativos serão confrontados. Os dados quantitativos foram retirados da Plataforma QEdu, que disponibiliza diversos resultados de escolas públicas frente às avaliações externas. Corroborando os resultados analisados, elaborou-se um roteiro de entrevista a ser realizada com a diretora da Escola Estadual Effie Rolfs, considerando os melhores desempenhos dos estudantes dessa instituição no Enem ao longo dos anos. A entrevista proporcionou informações relevantes que possibilitaram compreender algumas particularidades metodológicas realizadas na instituição.

Leia este artigo

Incongruências do Ensino Religioso confessional ofertado no Estado do Rio de Janeiro

História, Sociologia, História da Educação e Cidadania e Comportamento

Este texto faz breve histórico da oferta da disciplina Ensino Religioso no Estado do Rio de Janeiro, propõe articular os conflitos ocorridos no campo do Legislativo advindos da discordância da oferta de Ensino Religioso confessional em uma unidade da federação de um país constitucionalmente laico e sua relação com o reconhecimento pelo Supremo Tribunal Federal desse modelo. Concomitantemente, explicita os resultados e as conclusões de uma pesquisa de campo que buscou compreender as representações dos docentes a respeito do caráter confessional da disciplina nas escolas estaduais do Noroeste do Estado do Rio de Janeiro, visando demonstrar a incongruência do Ensino Religioso confessional ofertado nas escolas públicas estaduais em relação às normativas federais, ao Currículo Mínimo de Ensino Religioso, que é o documento norteador da disciplina e que aponta para o respeito à diversidade cultural e religiosa. Traz ainda as representações sociais dos docentes quanto à aplicabilidade da disciplina em sala de aula.

Leia este artigo

Avanços legislativos na perspectiva da Educação Inclusiva e Especial

Educação Especial e Inclusiva

A Educação Especial, juntamente com discussões realizadas sob a perspectiva da Educação Inclusiva, vem ganhando cada vez mais destaque nos ambientes acadêmicos e das políticas públicas brasileiras. Nesse sentido, instituições de formação continuada estão investindo em cursos na área da Educação Especial e Inclusiva, mas para isso os profissionais e demais cidadãos devem se atentar às mudanças e paradigmas que as leis brasileiras sofrem e possuem, respectivamente, para assim posteriormente poderem cobrar e compreender como as leis que comandam a Educação Especial e os direitos das pessoas com deficiência funcionam. Nesse sentido, este trabalho possui como questão norteadora: como os avanços nas legislações podem colaborar para o desenvolvimento da educação de pessoas com deficiência? Para isso, objetiva-se discutir como os avanços legislativos podem colaborar com o desenvolvimento da educação de pessoas com deficiência, possuindo como etapas, descrever mudanças e adaptações sofridas nas legislaturas; comparar recomendações consideradas antigas com as atuais e evidenciar como essas mudanças podem interferir positivamente nos avanços educacionais de pessoas com deficiência.

Leia este artigo

Flanar é conhecer a alma da cidade

Cidadania e Comportamento e Espaços Urbanos

A ideia era apurar os sentidos para perceber a diversidade das pessoas, os sons, os cheiros, as cores, os movimentos das ruas e também os vazios e os silêncios que marcam aquilo que já não existe mais em Belo Horizonte, que tem apenas 123 anos.

Leia este artigo

Potencialidades educacionais do ciberespaço: uma reflexão sobre a utilização das redes sociais virtuais em práticas de ensino

Educação a Distância e Formação de Professores

O objetivo deste trabalho foi refletir como as ferramentas digitais de três redes sociais virtuais, Youtube, Facebook, WhatsApp, podem favorecer práticas de ensino em um processo que se inicia no espaço e no tempo da escola, mas se estende ao Ciberespaço. Com essa finalidade, o procedimento técnico deste trabalho foi dividido nas seguintes etapas: Primeiro, uma pesquisa teórica bibliográfica, para compreender melhor o ciberespaço e como a forma de comunicar por meio dele pode sugestionar o trabalho docente. A partir dessas leituras, foi possível refletir que, para encontrar ferramentas digitais e pensar em práticas de ensino que se aproximassem do perfil de alunos nativos da cultura digital, era essencial que elas favorecessem o trabalho docente enquanto incitador de um processo de aprendizagem construído de forma colaborativa e não baseado no paradigma transmissão de conhecimento. Com esse entendimento, partiu-se para segunda etapa, que também consistiu em uma pesquisa teórica bibliográfica, realizada a partir da leitura de trabalhos que tratavam a mesma temática deste estudo; por fim, exploraram-se essas três redes, onde foram encontrados recursos com potencial didático, o que tornou possível sugerir ações a professores que desejam utilizar essas plataformas.

Leia este artigo

Resenha do livro "Inclusão escolar - O que é? Por quê? Como fazer?"

Educação Especial e Inclusiva

Nesta resenha, é analisado o livro de Maria Teresa Eglér Mantoan Inclusão escolar- o que é? Por quê? Como fazer?, à luz de citações importantes contidas no livro e relacionando-as ao movimento de inclusão escolar. Mantoan (2015) busca refletir sobre a inclusão escolar da atualidade instigando o leitor a romper com os padrões pedagógicos vigentes, pois os cenários sociais também mudaram, e a escola precisa se adequar a essa nova normalidade. Para isso, a autora busca reforço nos ditames legais, que a relacionam com a práxis educativa inovadora, que deve considerar a particularidade de cada aluno.

Leia este artigo

A intolerância religiosa refletida nos discursos escolares do Rio de Janeiro, sob a perspectiva da análise do discurso de linha francesa

Língua Portuguesa e Literatura

O presente artigo visa analisar discursivamente um corpus constituído por textos extraídos de sites da internet que retratam um fato ocorrido na cidade do Rio de Janeiro no ano de 2014, quando um aluno foi impedido de entrar na escola por usar colares que pertencem a uma religião afro-brasileira, o Candomblé. Objetiva-se identificar os posicionamentos discursivos (positivos e negativos) nesse corpus levando em consideração a existência de duas formações discursivas, uma contra e outra a favor da religião afro-brasileira. Nesse corpus, os enunciadores manifestam seus posicionamentos por meio de sua fala ou escrita. Tal análise será feita de acordo com as perspectivas da Análise do Discurso (AD) de linha francesa, proposta por Pêcheux. Também será utilizada a proposta de Authier-Revuz, com o conceito de heterogeneidade discursiva, e os estudos de Foucault acerca das formações discursivas (FD).

Leia este artigo

Edição V. 20, Ed. 44 - 17/11/2020

Problematizações acerca da letra a ser usada para alfabetizar: um convite à reflexão do professor alfabetizador

Educação Infantil e Formação de Professores

O artigo pretende revisitar alguns preceitos em torno da aprendizagem da língua escrita, em especial tecer apontamentos sobre o tipo de letra a ser usado no processo inicial dessa aprendizagem. Espera-se contribuir com o debate no campo da alfabetização de modo a auxiliar e sustentar decisões tomadas pelo alfabetizador, que, infelizmente, até por falhas em seu processo formativo, pode não ter tido a oportunidade de refletir sobre implicações de suas escolhas pedagógicas. Assim, a expectativa é que as discussões que este texto fomenta possam provocar reflexões capazes de subsidiar práticas exitosas quanto aos procedimentos didático-pedagógicos do fazer alfabetizador e, portanto, assegurar o direito à aprendizagem de todos os estudantes, especialmente os oriundos das camadas populares, que muitas vezes têm na escola pública o espaço privilegiado para sua inserção e efetivo engajamento no mundo da escrita.

Leia este artigo

Análise de uma proposta curricular de Educação Física: pontos e contrapontos

Educação Física e Política Educacional

Atualmente, muitos sistemas de ensino têm elaborado e implantado propostas curriculares padronizadas. Regiões com grandes extensões de terra com diferentes culturas locais são orientadas a desenvolver os mesmos conteúdos de um currículo que pode não atender as necessidades plurais. Diante disso, buscamos, a partir de análise documental da proposta curricular de Educação Física da rede estadual de educação do Rio de Janeiro, identificar as possíveis ideologias presentes na proposta chamada de Currículo Mínimo. Conclui-se que a proposta expressa uma concepção neoliberal de educação por engessar a prática pedagógica, padronizar o que deve ser ensinado e relacionar o currículo às avaliações externas que visam às competências mercadológicas e desconsideram o contexto escolar e suas especificidades.

Leia este artigo

A Educação Infantil, o brincar e o saber cuidar

Educação Infantil e Outras Mais Específicas

A Educação Infantil é o primeiro nível de desenvolvimento do educando, por possibilitar a aquisição de competências que permitirão às crianças conseguir lidar consigo mesmas e com o convívio social, além de aptidões que facilitarão o engajamento nos próximos níveis da educação – ensino fundamental, nos anos iniciais e finais.

Leia este artigo

Viajando em Drummond: uma proposta de leitura para o poema “Viagem em família”

Filosofia, História, Psicologia, Artes Plásticas, Educação Artística, Fotografia e Língua Portuguesa e Literatura

Este ensaio tem por finalidade tecer uma proposta de análise crítica do poema “Viagem na família”, de Carlos Drummond de Andrade, publicado em A Família que me dei. Sugerimos ideias para as imagens representadas pelo poeta a partir de proponentes críticos da lírica moderna e, mais especificamente, da poesia drummondiana. Dessa forma, elaboramos uma leitura em que se sobressaem aspectos da relação entre história e poesia, memória e família e poesia e ontologia como pontos imprescindíveis para a compreensão da poética de Drummond no contexto da poesia brasileira moderna.

Leia este artigo

O currículo e a coordenação pedagógica: o desafio da aplicabilidade

Avaliação, Formação de Professores, Instituição Escola, Política Cultural e Política Educacional

O presente artigo tem como objetivo realizar uma reflexão acerca das chamadas teorias do currículo e de sua relação com a prática profissional do coordenador pedagógico dentro da estrutura educacional, buscando delinear brevemente as dificuldades e oportunidades que a prática do coordenador pedagógico pode propiciar num ambiente escolar que busca desenvolver uma interação democrática entre seus componentes. Realizou-se também uma breve revisão sobre autores críticos ao modelo de ensino atualmente vigente, buscando assim propiciar um leque mais amplo de possibilidades para análise dos interessados nos rumos da educação.

Leia este artigo

Afetividade nas relações educativas: uma abordagem da Educação Infantil

Psicologia, Educação Infantil e Vivências de Sala de Aula

Este artigo tem como objetivo investigar como a afetividade pode contribuir para o desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem na Educação Infantil. O artigo define afetividade a partir da concepção de Henri Wallon e outros autores como Piaget e Vygotsky, analisando sua contribuição para o desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem de forma significativa. Considerando a relação aluno e professor de suma importância para o desenvolvimento social e intelectual da criança, buscou-se compreender a influência da afetividade no desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem. Para o embasamento teórico, optou-se por uma pesquisa bibliográfica tendo como base autores como Wallon, Piaget, Vygotsky e Freire, entre outros. A pesquisa de campo foi realizada em duas escolas do município de Cordeiro/RJ, uma particular e outra pública, com professores da Educação Infantil, para analisar a compreensão da afetividade e sua prática nas relações pedagógicas. Concluímos que a afetividade na Educação Infantil é indispensável, pois traz benefícios no desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem indispensáveis para toda a vida da criança.

Leia este artigo

Contação de história: alternativa para o letramento literário

Vivências de Sala de Aula, Língua Portuguesa e Literatura e Política Educacional

O trabalho tem foco no letramento literário. Discutimos a importância da leitura de textos literários para o desenvolvimento humano e cidadão e para a criação do hábito de leitura, já na Educação Básica; este artigo discute ainda a perspectiva sobre a literatura e o letramento literário presentes/ausentes na BNCC. Propomos, assim, ponderações sobre a importância da escola no processo de letramento literário na inter-relação entre a literatura e a oralidade, pelo viés da contação de história, como estratégia pedagógica para formação de pequenos leitores.

Leia este artigo

Aula de campo como prática pedagógica para o Dia da Consciência Negra

Geografia, História e Vivências de Sala de Aula

Este texto é um relato de experiência de uma aula de campo realizada com o objetivo de cumprir a Lei nº 10.639/03, que institui os estudos da história e cultura afro-brasileira e inclui no currículo oficial das redes de ensino e no calendário escolar o dia 20 de novembro como o Dia Nacional da Consciência Negra. Atualmente, as formas de educar passam por um momento de reflexão e mudanças. Nossos alunos possuem diversos meios tecnológicos a seu favor, o que de certa forma contribui para a sua formação cidadã, porém podendo ser prejudiciais por causar dispersões que refletem na sala de aula. É interessante que os professores, em conjunto com os gestores das escolas, proporcionem condições de aprendizagem favoráveis para os alunos do século XXI. Como professores, percebemos grandes mudanças no comportamento de nossos alunos atuais, pois a metodologia tradicional de ensino não consegue acompanhar o raciocínio e a infinidade de opções de aprendizagem que nossos alunos possuem. Por isso, os novos métodos de ensino-aprendizagem visam acompanhar essas mudanças educacionais que ocorrem no mundo. A atividade de campo pode ser uma das opções a serem exploradas pelo professor como metodologia de ensino, beneficiando diversos conteúdos e tornando-se uma aula interdisciplinar. De forma dinâmica, aproveitar-se de espaços extraescolares tende a atrair a atenção dos alunos e criar relação de afetividade com o espaço, o conteúdo e as atividades escolares.

Leia este artigo

Educação Inclusiva: desafios e percepções na contemporaneidade

Educação Especial e Inclusiva e Instituição Escola

O presente artigo aborda os desafios da inclusão escolar e tem por objetivo geral investigar quais os desafios da educação inclusiva; já os específicos eram caracterizar a inclusão e a escola inclusiva; identificar desafios da acessibilidade para favorecer a educação inclusiva; analisar as principais deficiências e formas de enfrentá-las na educação inclusiva e verificar as ações que favorecem a educação inclusiva. Para alcançar tais alvos, foram realizadas pesquisas bibliográficas que ampararam as ideias nele contidas. Ao abordar sobre a inclusão e a escola inclusiva, evidenciou-se a educação inclusiva que integra um processo social, onde todas as crianças portadoras de necessidades especiais e de distúrbios de aprendizagem têm o direito à escolarização o mais próximo possível do normal, onde a acessibilidade favoreça a aprendizagem, as necessidades especiais sejam vistas como possibilidades de ações que visem ao sucesso de todos, dentre tais ações. Em suma, a educação inclusiva só será uma realidade que beneficie alunos, professores, familiares e sociedade quando todos realmente abraçarem essa causa e se conscientizarem de que incluir é fazer com que todos sejam considerados capazes de produzir e compartilhar saberes.

Leia este artigo

Um trabalho atualíssimo e motivador

Computação e Tecnologias e Educação a Distância

Empregando uma linguagem simples, direta e pessoal, Alexandre José de Carvalho Silva traz em sua obra, publicada pela Universidade Federal de Lavras, elucidando o conceito de TDIC e fornecendo listas de ferramentas, aplicativos, recursos e repositórios de livre e fácil acesso.

Leia este artigo

30/11 a 03/12 | 14ª Reunião Regional da ANPEd – Direito á vida, Direito à educação em tempos de pandemia

14/10 a 18/12 | Festival do Filme Científico

De 14 de outubro a 18 de dezembro, o Brasil recebe a segunda edição do Science Film Festival, festival de cinema dedicado à promoção da ciência e da educação científica por meio do audiovisual. O tema deste ano é sustentabilidade e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs) – a seleção de filmes voltados a professores, estudantes e público geral aborda questões que duramente afetam o planeta hoje, como mudanças climáticas, biodiversidade, inovação e tecnologia, energias limpas, entre outras. No Brasil, a mostra traz 14 vídeos de países como Tailândia, Alemanha, Chile e Canadá, todos dublados ou legendados para o português brasileiro, destinados a crianças e adolescentes.

site do evento

Atenção: Submissão de artigos

Prezados autores, prezadas autoras,
A revista Educação Pública voltará a receber novos trabalhos para submissão a partir de 11 de janeiro.

É importante ressaltar que daremos prioridade à publicação de artigos e relatos que falem das experiências dos professores com as aulas a distância durante a pandemia e de trabalhos que tratem de temas ou relatem experiências relevantes para a Educação Básica no Brasil.

Educação e pandemia

Educação e pandemia

Artigos publicados na revista Educação Pública sobre a pandemia

Acesse aqui

Cecierj se une a outras instituições e lança curso de Planejamento escolar local na Transpandemia

Educação: Tem o poder de transformar

O Centro de Estudos “O bem viver e a resiliência dos povos indígenas no cuidado com a Amazônia" recebeu os representantes dos povos indígenas
- Iolanda Pereira da Silva, do Povo Macuxi;
- Michel Oliveira Baré Tikuna, do Povo Baré e Tikuna;
- e o procurador da República Marco Antônio Delfino de Almeida;
- e o coordenador do Programa Rio Negro do Instituto Socioambiental, Marcos Wesley de Oliveira.

Veja o video

Caminho para a liberdade

"A educação é o ponto em que decidimos se amamos o mundo o bastante para assumirmos a responsabilidade por ele."
Hannah Arendt (1906-1975).

Educadores brasileiros

Dermeval Saviani

"A educação é uma atividade que supõe a heterogeneidade no ponto de partida e a homogeneidade no ponto de chegada."

Twitter da revista

Siga-nos no Twitter @educacaopublica

Veja também

Fundação Cecierj


Diretoria de Extensão


Revista EaD em foco