Biblioteca

Filtrar os artigos

Pesquisar na Biblioteca

Selecione uma ou mais opções

Nível de ensino

Selecione uma ou mais opções

Natureza do trabalho

Selecione apenas uma opção

Categoria de Ensino

Selecione uma ou mais opções

Ciências Ambientais

Ciências da Saúde

Ciências Exatas e da Terra

Ciências Humanas

Educação

Letras, Artes e Cultura

Políticas Públicas


Filtros aplicados:

Categoria de Ensino: Avaliação; Educação a Distância; Educação Especial e Inclusiva; Educação Infantil; Formação de Professores; História da Educação; Instituição Escola; Vivências de Sala de Aula
Limpar filtros
A formação de professores da Educação de Jovens e Adultos: características, histórico e perspectivas
Antropologia, Filosofia, História, Sociologia, Educação Especial e Inclusiva, Formação de Professores, História da Educação, Vivências de Sala de Aula, Cidadania e Comportamento e Política Educacional

O presente artigo é fruto de pesquisa bibliográfica e de campo realizada em uma escola pública da cidade de Antônio Martins/RN sobre formação de professores da EJA que atuam nas escolas públicas da cidade. Esta é uma modalidade de ensino que tem um público específico e que precisa ser tratado com respeito e dignidade. A preparação docente para essa modalidade deve levar em conta as características do seu público e incluir, além das exigências formativas para todo e qualquer educador, estabelecer o exercício do diálogo como condição principal para uma aprendizagem significativa.

Uma perspectiva sobre metodologias e práticas docentes vistas por uma aluna de pedagogia no estágio supervisionado
Formação de Professores e Vivências de Sala de Aula

A prática docente é muito importante para o desenvolvimento da carreira do magistério, respeitando o aluno e seu processo de aprendizagem, valorizando a brincadeira como forma de construir o conhecimento em sala de aula e gerar educandos atuantes, autônomos, ativos, críticos, reflexivos e participativos.

O uso da internet por estudantes de Ensino Fundamental: reflexão sobre a internet como ferramenta pedagógica
Formação de Professores, Instituição Escola e Vivências de Sala de Aula

O objetivo deste artigo é investigar o acesso à internet por estudantes do Ensino Fundamental, analisando diferenças entre matutinos e vespertinos e suas percepções acerca do uso da internet como ferramenta de aprendizagem nas escolas. Participaram do estudo 885 estudantes de escolas públicas do município de Farroupilha/RS. Foi utilizado um questionário com cinco perguntas de múltipla escolha com espaço para respostas alternativas; os dados foram analisados com abordagem quantitativa. Percebeu-se que a internet está presente no cotidiano dos estudantes, mas não no âmbito escolar; constatou-se, por suas respostas, que poderiam aprender com mais eficácia ao fazer uso da internet na sala de aula como recurso pedagógico. É necessário que as escolas possibilitem espaços para a discussão dos benefícios e malefícios do uso da internet, que os currículos e comunidade escolar passem por reestruturações que incluam o uso seguro e saudável da internet em seu plano pedagógico, a fim de possibilitar maior interesse dos jovens para a sua utilização pedagógica e, consequentemente, maior eficácia no processo de ensino-aprendizagem.

A multimodalidade discursiva no gênero anúncio de campanha comunitária
Formação de Professores e Língua Portuguesa e Literatura

A multimodalidade discursiva vem ganhando impulso nos estudos de Linguística; um bom exemplo disso são os textos publicitários, com finalidades monetárias (lucro e venda) ou comunitárias (construções de atitudes e valores sociais). É possível perceber que a mensagem repassada por textos dos gênero anúncio de campanha se dá pelo entrelaçamento de diferentes enunciados verbais e elementos visuais.

Educação para liberdade: a utopia de uma sociedade humanizada
Ecologia e Meio Ambiente, Formação de Professores e Política Educacional

Neste ensaio buscamos evidenciar o papel da educação na formação de cidadãos críticos e reflexivos quanto às desigualdades socioambientais geradas pelo uso desenfreado dos recursos naturais. Para a desconstrução do sistema de relações de poder e ideologias de classe que ainda encontramos na sociedade atual, devemos partir do princípio de educação como meio de libertação. Valorizar as peculiaridades da sociedade em que cada discente está inserido é o primeiro passo para reconhecer e integrar as várias formas de ensinar por meio de exemplos e experiências que reflitam o ambiente que o circunda. Levar para a sala de aula os conhecimentos culturais e suas aplicações como instrumento de ação social e políticas públicas se enquadra na busca por uma sociedade mais justa, humanitária e com menos desigualdades socioambientais.

Sobre ciência e conhecimento alicerçados no método e no contexto social
Filosofia, Sociologia e Formação de Professores

Estamos imersos num percurso teórico que exige refletir sobre saber, conhecimento científico e método; razão; abordagens empírico-analíticas do conhecimento; as diferentes abordagens que levam à fenomenologia da percepção e metodologias das ciências sociais e o materialismo histórico-dialético que pontua a economia política e a ontologia do ser social.

Repensando a educação quilombola para a superação das desigualdades raciais
Avaliação, Formação de Professores, Instituição Escola, Vivências de Sala de Aula, Outras Mais Específicas, Espaços Urbanos, Política Cultural e Política Educacional

É preciso utilizar a obrigatoriedade da valorização da cultura e da história afro-brasileira, advinda da Lei nº 10.639/03, para redefinir as características da educação das comunidades quilombolas, a fim de superar as desigualdades sociais e acabar com o mito de que o Brasil vive uma democracia racial.

A Teoria da Aprendizagem Significativa e o ensino de História
Filosofia, História e Vivências de Sala de Aula

O presente trabalho propõe pensar a Teoria da Aprendizagem Significativa dentro do ensino de História. Os autores pensam ser possível analisar outras formas de aprendizado, não priorizando a repetição mecânica de conceitos decorados. Com esse objetivo, este trabalho baseou-se nos textos de Ausubel e de Marco Antonio Moreira, visando à aproximação da referida teoria ao ensino de História.

Herói, anti-herói e vilão: a percepção crítica contextualizada à sala de aula
Psicologia, Vivências de Sala de Aula, Cidadania e Comportamento e Língua Portuguesa e Literatura

Este artigo apresenta um relato de experiência em aulas de Língua Portuguesa, nas turmas de 7º ano do Ensino Fundamental em uma escola estadual de Minas Gerais, visando ao desenvolvimento do senso crítico dos alunos. O conteúdo desenvolvido, que está no plano de curso da escola, foi “reflexão crítica dos mitos do herói, anti-herói e vilão”. Para cumprir o objetivo proposto, fez-se necessário pensar em estratégias que lhes despertassem o interesse pelo conteúdo, tendo em vista que a experiência de sala de aula demonstra o descaso de grande parte dos alunos pela disciplina. A abordagem iniciou-se em atividade diagnóstica e seguiu-se por meio de dinâmica oralizada, método apresentado pelos PCN (1998) como estratégia eficiente. Finalmente, foram feitos trabalhos escritos (em equipes) e apresentados à turma, seguindo a metodologia do aluno como sujeito ativo. As atividades associadas aos conhecimentos prévios dos alunos despertam maiores interesses pelas aulas e o desenvolvimento do senso crítico é algo gradativo e permanente na vida do estudante.

Estudo do fluxo do conhecimento em uma sala de aula por meio de redes egocêntricas de monitoria
Matemática, Sociologia, Educação Especial e Inclusiva, Educação Infantil, Instituição Escola e Vivências de Sala de Aula

As atividades de monitoria voltadas ao ensino básico podem constituir formas de educação adicionais que ajudam a preencher lacunas de aprendizagem e difundir o conhecimento em sala de aula. Uma forma de melhor entender o fluxo desse conhecimento disseminado por meio de alunos monitores é pela utilização de técnicas de análise de redes sociais. Por meio da modelagem de redes egocêntricas, baseadas em um indivíduo focal, é possível mapear o fluxo de informações e utilizar métricas de análises que permitam entender a difusão do conhecimento e o posicionamento do monitor na rede formada. Este estudo realizou a análise de uma rede baseada na monitoria de Matemática e Física em uma turma do 2º ano do Ensino Médio com o objetivo de entender os fluxos de conhecimento e demonstrar os benefícios potenciais da análise de redes egocêntricas para esse fim. Como resultados, foi possível entender as limitações do fluxo de conhecimento e questões importantes que caracterizam as ações de monitoria na turma, demonstrando as potencialidades do método utilizado.