Biblioteca

Filtrar os artigos

Pesquisar na Biblioteca

Selecione uma ou mais opções

Nível de ensino

Selecione uma ou mais opções

Natureza do trabalho

Selecione apenas uma opção

Categoria de Ensino

Selecione uma ou mais opções

Ciências Ambientais

Ciências da Saúde

Ciências Exatas e da Terra

Ciências Humanas

Educação

Letras, Artes e Cultura

Políticas Públicas


Filtros aplicados:

Categoria de Ensino: Espaços Urbanos; Política Cultural; Política Educacional
Limpar filtros
Qualificação do trabalho e políticas públicas de potencialização humana
Direito, História da Educação e Política Educacional

Este artigo busca trazer os ordenamentos, decretos e as políticas públicas do Estado brasileiro que objetivam a propugnar o Ensino Profissional integralizado e técnico para o estudante e para o trabalhador no mutável e histórico mercado de trabalho, além de análises críticas e técnicas sobre a sua efetividade e sua progressão até os dias atuais. Acrescentem-se a isso reflexões e apontamentos das novas tecnologias que surgem via Indústria 4.0, trazendo a necessidade urgente da qualificação do trabalho humano, como forma de garantir sua sobrevivência e sua cidadania.

Educação Física escolar e o "quarteto fantástico": afinidade ou comodismo?
Educação Física e Política Educacional

O presente artigo é uma pesquisa descritiva observatória realizada durante um estágio supervisionado em Educação Física nas séries finais do Ensino Fundamental de uma escola pública de Dourados/MS. O objetivo do trabalho foi analisar a evidência dos conteúdos aplicados nas aulas de Educação Física escolar. Diante disso, foi analisado que os professores atentam apenas a modalidades esportivas, deixando de lado demais conteúdos previstos bem como lutas, ginástica, dança, jogos e brincadeiras. O que foi percebido é que, além de trabalhar apenas esporte, os professores têm se limitado ao quarteto fantástico (basquetebol, futsal, handebol e voleibol), por afinidade à modalidade ou simplesmente falta de vontade de sair da zona de conforto.

Gestão democrática na escola pública: legislação não efetivada em Paulo Afonso/BA
Instituição Escola e Política Educacional

O presente artigo procura enfatizar a gestão democrática como exigência do Estado moderno. Por isso, a educação formal está associada à implantação de mecanismos legais e institucionais que desencadeiem mecanismos de participação de todos que estão envolvidos no processo de ensino-aprendizagem dentro do ambiente escolar. No Brasil, ela vem sendo implantada aos poucos, embora já esteja garantida na Constituição Federal e nos textos de leis como a LDBEN e o Plano Nacional de Educação. O objetivo é estudar e explicar que em Paulo Afonso ela está garantida em leis municipais, porém o que se vê é que estão distantes da realidade, pois muito pouco tem sido vivenciado na prática pelas unidades escolares e no Sistema Municipal de Educação.

Educação, alteridade e conhecimento: a diversidade cultural como construção histórica
Matemática, Química, Formação de Professores, Vivências de Sala de Aula, Política Cultural e Política Educacional

As atividades desenvolvidas na disciplina Conhecimento e Diversidade Cultural, do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática, durante as aulas do primeiro semestre de 2019, juntamente com doze estudantes, foram devidamente planejadas para que houvesse espaços e exposições de dúvidas, questionamentos, conteúdos, orientações e acompanhamentos prévios de leituras sugeridas – e complementares –, discussões da bibliografia disponível na ementa, realização de trabalhos individuais e em grupos, diário de campo, fórum de discussões on-line (em todos os momentos), criação e apresentação de um vídeo (curta) e atividade de campo.

Uma sequência didática para o ensino de Física sob a perspectiva da Educação Inclusiva de alunos cegos nos institutos federais de educação, ciência e tecnologia
Física, Educação Especial e Inclusiva, Vivências de Sala de Aula e Política Educacional

A inclusão escolar é hoje vista como o acolhimento a todas as pessoas, sem exceção, no sistema de ensino. Para que a inclusão se efetive é necessário também aprimorar a proposição e a disponibilidade de recursos ou materiais didáticos apropriados para a aprendizagem desses alunos. O presente texto relata uma pesquisa-ação na área de ensino de Física e traz uma sequência didática desenvolvida no Instituto Federal de Ciência e Tecnologia com enfoque na inclusão de um aluno cego na disciplina. Constata-se que o processo de inclusão é individualizado, e por isso deve ser minuciosamente pensado e trabalhado na perspectiva de cada aluno que adentra o ambiente escolar.

Sacola de Degustação: arte, educação e saúde com alimentação saudável
Nutrição e Alimentos, Vivências de Sala de Aula, Educação Artística e Política Educacional

Compreendemos a arte como algo essencial para a existência humanizada. Parte integrante de nós se compõe de nossa esfera artística, sobretudo a que nos referencia aos encantos da sensibilidade, criatividade e emoção. Assim, a arte se faz necessária no ambiente escolar. Com base nessa compreensão, realizamos uma reflexão sobre a dinâmica degustativa Sacola de Degustação, com pauta nas áreas da Saúde e da Educação, observando a experiência como oportuna no desenvolvimento de hábitos alimentares saudáveis no ambiente escolar.

Inserção do surdo no ensino em Sinop/MT
Avaliação, História da Educação, Instituição Escola, Política Cultural e Política Educacional

O presente artigo mostra como se deu a inserção de surdos e deficientes auditivos no ensino no município de Sinop, no norte do Estado de Mato Grosso. A análise se dá com as informações junto à Associação de Surdos de Sinop e documentos de matriculas referentes à comunidade local, à quantidade de surdos que habitavam a cidade, e quantos frequentavam cursos de nível superior, no ano de 2016. Para tanto, a pesquisa aproximou-nos da realidade, a qual questiona se as leis estão a par com a realidade da comunidade. A demanda de surdos é maior do que a quantidade que frequenta o ensino.

Base Nacional Comum Curricular: Educação Especial em foco
Educação Especial e Inclusiva e Política Educacional

Esta escrita tem por objetivo abordar a BNCC, atentando para as menções à Educação Especial. Para tanto, o tensionamento utiliza o documento em sua íntegra, para que possamos compreender qual foco foi direcionado a essa modalidade educacional, como também as metas direcionadas a ela. A Educação Especial, na última década, conseguiu avançar na sua luta por direitos e visibilidade, e cabe aqui tensionar essa base para compreender em qual posição ela se encontra aos olhos de governos nessa nova política instituída. Assim, percebe-se que a EE aparece fragilmente no documento, sendo mencionada vagamente em suas entrelinhas, deixando-a esquecida.

Importância da Supervisão Escolar na inclusão de pessoas surdas no ambiente escolar
Antropologia, Educação Especial e Inclusiva e Política Educacional

O presente artigo tem como objetivo descrever a importância da supervisão escolar no processo de inclusão de alunos surdos. Acredita-se que hoje a escola deve ter profissionais comprometidos em atender e promover a diversidade na escola, respeitando as singularidades e empenhando-se pela inclusão de alunos com deficiência. Este trabalho foi realizado com base em revisão bibliográfica, com o propósito de elucidar o quanto o papel do supervisor escolar é de importância para uma real inclusão escolar do aluno surdo, tendo em vista que, em muitos casos, esse é o primeiro local onde a criança surda tem contato com a Libras.

O trabalho docente e o professor enquanto trabalhador
Formação de Professores e Política Educacional

O presente ensaio teórico tem por objetivo discutir as implicações acerca de considerar a docência como uma profissão e, por conseguinte, o professor como trabalhador. Dessa maneira, buscou-se refletir sobre as interseções acerca dos campos do conhecimento da formação de professores e do trabalho docente, com o intuito de colocar em destaque os impactos sociais do sistema capitalista e das condições de trabalho na constituição e no exercício da docência, reafirmando a justificativa quanto à necessidade e importância da discussão desse tema.