Biblioteca

Filtrar os artigos

Pesquisar na Biblioteca

Selecione uma ou mais opções

Nível de ensino

Selecione uma ou mais opções

Natureza do trabalho

Selecione apenas uma opção

Categoria de Ensino

Selecione uma ou mais opções

Ciências Ambientais

Ciências da Saúde

Ciências Exatas e da Terra

Ciências Humanas

Educação

Letras, Artes e Cultura

Políticas Públicas


Filtros aplicados:

Categoria de Ensino: Espaços Urbanos; Política Cultural; Política Educacional
Limpar filtros
Desigualdade de acesso escolar e avaliação de políticas públicas educacionais na Guiné-Bissau: desafios e avanços
Avaliação, Educação Especial e Inclusiva e Política Educacional

O presente estudo trata da avaliação de aprendizagem escolar e políticas públicas educacionais da Guiné-Bissau. A situação do ensino desse país africano está frágil em diferentes setores, o que vem acontecendo pela incapacidade de sucessivos governos de gerenciar e criar políticas públicas da educação que promovam o desenvolvimento de ensino-aprendizagem de qualidade. O país tem enfrentado crises políticas provocadas pela guerra civil de 1998 e tentativas de golpes de Estado nos últimos anos. Por isso, a retomada da normalidade é fundamental para os atores políticos e sociais que tenham uma filosofia política comum da construção nacional.

Pimenta nos olhos dos outros é refresco: a escola frente às situações de discriminação
Psicologia, Formação de Professores, Instituição Escola, Vivências de Sala de Aula e Política Educacional

O discurso de ódio na escola é uma epidemia que precisa ser combatida. A escola é um lugar de vivências, e seria utopia querer que nesse espaço não ocorressem situações violentas. Assim, é sua responsabilidade assegurar aos alunos um tratamento de equidade e justiça, respeitando as características próprias. O ambiente escolar deve ser um local acolhedor e educacional para todos, sem exceção. Infelizmente, a discriminação como forma de violência continua a ser um problema prevalente, já que a dor alheia dificilmente nos afeta diretamente, como diz o provérbio popular: "pimenta nos olhos dos outros é refresco".

Substituição do material didático e seus impactos no (re)planejamento dos conteúdos de Língua Portuguesa
Instituição Escola, Língua Portuguesa e Literatura, Outras Mais Específicas e Política Educacional

Neste artigo, analisaremos o impacto da substituição do material didático em uma instituição de ensino, com foco nos conteúdos de Língua Portuguesa para o 3º ano do Ensino Fundamental. De forma sucinta, avaliamos quais são os efeitos da reestruturação curricular para o planejamento docente. Os materiais pesquisados foram analisados, principalmente, por meio de processos de comparação, classificação e categorização temática. Os resultados revelaram que, mesmo em um contexto de formatações similares, há diferenças entre o que cada obra didática propõe, tanto na abrangência dos temas como nas habilidades da BNCC.

Indo além das telas: um relato das atividades e experiências de Estágio II em período pandêmico
Sociologia, Educação a Distância, Formação de Professores, Vivências de Sala de Aula e Política Educacional

O intuito do trabalho é relatar experiência vivida a partir de atividades desenvolvidas no Estágio II em uma escola cidadã técnica integral localizada no sertão paraibano. Sabendo da importância do estágio para a formação docente, o objetivo do trabalho é mostrar que, mais do que uma experiência de estágio de observação e de ministração de uma sequência didática, tivemos a experiência de adoção de postura de pesquisadores, conhecendo as estratégias do professor na disciplina de Sociologia, assim como a dinâmica escolar em período remoto e o exaustivo trabalho do educador, que vai além da sala de aula.

A educação das pessoas com deficiência: formação de discursos
Educação Especial e Inclusiva e Política Educacional

Este artigo realiza uma análise documental de cunho pós-estruturalista sobre as políticas públicas em torno da educação de pessoas com deficiência. A problematização é realizada partindo da perspectiva histórica promovida nas obras de Foucault e busca evidenciar as descontinuidades e os jogos de força que constituem as condições para o nascimento de práticas sociais de inclusão. Pela análise dos discursos presentes em tais políticas, entende-se que a pessoa com deficiência foi/é classificada muitas vezes com base em um padrão de normalidade que não existe nem existiu nos diferentes sistemas (político, social, econômico); uma inclusão plena e permanente.

Promovendo uma educação humanizadora: a integração da Filosofia, da Ética, da Arte, da Ciência e da Política como pilares na formação do estudante
Filosofia, Psicologia, Sociologia, Formação de Professores, Vivências de Sala de Aula e Política Educacional

Este estudo visa fomentar uma reflexão crítica e encontrar estratégias para superar o apedeutismo, ou seja, a falta de aprendizado substancial que permeia os ambientes educacionais no Brasil. Tal fenômeno é frequentemente observado em contextos em que a educação é reduzida a uma ferramenta para atender às exigências do mercado, em vez de priorizar conteúdos epistemológicos robustos. O propósito central deste trabalho é explorar como ações educativas críticas, enraizadas na ética e na estética, podem ser desenvolvidas por meio de diálogos que integram a arte e a filosofia. A metodologia adotada consistiu em pesquisa bibliográfica.

Debatendo a cultura alimentar na escola
Nutrição e Alimentos, Saúde, Psicologia, Sociologia, Formação de Professores, Vivências de Sala de Aula, Política Cultural e Política Educacional

No mundo industrializado, a alimentação passou a ser regida pelo consumo de alimentos ultraprocessados em detrimento de uma alimentação caseira in natura, modificando os hábitos alimentares seculares. Isso fez surgir várias doenças, como obesidade, cardiopatias e esteatose, dentre outras. A apropriação da cultura alimentar pelo sujeito reforça sua identidade regional, nacional e cultural, em associação à história de seu país. Este artigo buscou relatar as ações desenvolvidas junto a estudantes da rede pública de ensino na cidade de Assis-SP, embasadas nos aportes teóricos da Psicologia Histórico-cultural.

O suporte dos recursos humanos como garantia de um contexto educacional de qualidade: uma análise em Sobral/CE
Instituição Escola e Política Cultural

Este artigo discorre acerca do suporte dos recursos humanos como garantia de um contexto educacional de qualidade na Educação Básica, especificamente no Ensino Fundamental, pensando a importância do setor responsável por organizar processos administrativos que garantam todos os direitos dos servidores. Os recursos humanos são fundamentais na gestão de instituições educacionais, pois a escola não se faz apenas de corpo docente. Autores como Barreto e Lopes discutem a presença dos recursos humanos na educação pública, enquanto Urpia et al. e Silva Moreira et al. analisam a atuação desse profissional na educação.

Conflitos entre irmãos: contribuições da Psicologia no contexto intrafamiliar
Saúde, Direito, Filosofia, Psicologia, Educação Artística e Política Educacional

Desde os primórdios da humanidade, a rivalidade entre irmãos pode acontecer e ser considerada uma situação inevitável. O foco principal do presente estudo é a investigação das manifestações de conflitos entre irmãos durante a infância e/ou adolescência, bem como a caracterização das manifestações de agressividade física e/ou psicológica comuns praticadas por meninos e meninas. As questões norteadoras deste trabalho são: por que existe violência relacionada a alguns conflitos entre irmãos? Por que a sociedade negligencia a violência física e/ou psicológica entre irmãos?

Relatos de experiências: a dislexia na vida real
Educação Especial e Inclusiva e Política Educacional

A dislexia atinge boa parte da população mundial, dificultando atividades básicas ensinadas no início do período escolar e úteis pelo resto da vida. A invisibilidade desse distúrbio e a falta de recursos inclusivos dentro da sala de aula impedem aos cidadãos disléxicos o pleno exercício de seus direitos civis quanto à educação de qualidade, além de impactar diretamente sua vida em relação às suas habilidades sociais. Com entrevistas e relatos realizados com adultos entre 40 e 60 anos, este estudo visa tornar esse transtorno específico de aprendizagem conhecido e reconhecível, possibilitando uma “reabilitação social” dos adultos disléxicos.