Biblioteca

Filtrar os artigos

Pesquisar na Biblioteca

Selecione uma ou mais opções

Nível de ensino

Selecione uma ou mais opções

Natureza do trabalho

Selecione apenas uma opção

Categoria de Ensino

Selecione uma ou mais opções

Ciências Ambientais

Ciências da Saúde

Ciências Exatas e da Terra

Ciências Humanas

Educação

Letras, Artes e Cultura

Políticas Públicas


A gestão educacional e os impactos da ideologia gerencialista para a educação pública
Política Educacional

O artigo tem por objetivo compreender as consequências do gerencialismo na gestão da escola pública e sua difusão nos países da América Latina a partir da década de 1990. Entende-se que programas e projetos implementados nas redes públicas sob a perspectiva gerencial decorrem do processo de modernização da gestão, pautado nos princípios neoliberais. Alguns especialistas acreditam que o gerencialismo, com suas reformas concretas no plano econômico, político, jurídico e educacional, é adequado para atender às demandas do Estado, proporcionando a flexibilidade e a racionalidade na aplicação dos recursos.

Possibilidades e tensões da tecnologia no ensino do aluno autista
Saúde, Comunicação, Psicologia, Sociologia, Avaliação, Educação Especial e Inclusiva, Formação de Professores, Instituição Escola, Vivências de Sala de Aula e Política Educacional

O presente artigo aborda o uso e as possibilidades da tecnologia no Ensino Básico para os alunos autistas, com ênfase no papel do profissional da sala de aula regular como agente motivador da construção do conhecimento de seus alunos especiais. A pesquisa é bibliográfica. Para tanto, apoiamo-nos nos estudos de Albuquerque, Carvalho, Kanner, Klin, Kubaski, Mantoan, Schmidt, na legislação brasileira e na Declaração de Salamanca. Ao analisarmos o uso e as possibilidades da tecnologia no Ensino Básico para os alunos autistas, ratificamos a importância da atuação do professor, no que diz respeito à realização de atividades adaptadas.

Atividade experimental no ensino e aprendizagem de Botânica: relato de experiência no Curso Técnico Integrado em Meio Ambiente
Botânica

Em Biologia, a Botânica é conhecida por ser conteudista, enfadonha, de difícil compreensão, geralmente deixada como último conteúdo a ser tratado na ementa escolar, sendo observado distanciamento até mesmo dos professores em relação à temática. Isso resulta em pouca apreciação pelos alunos, que só recorrem ao conteúdo de forma específica quando necessitam se preparar para provas e exames. Ao mesmo tempo, diversos estudos apontam que as atividades ou práticas experimentais contribuem significativamente na apreensão de conceitos e sua aplicação na resolução de problemas.

Educação Especial: os desafios da inclusão de alunos surdos no contexto escolar
Educação Especial e Inclusiva e Educação Infantil

Esta pesquisa trata da Educação Especial voltada à inclusão dos educandos surdos no ambiente escolar; é um tema atual e de muita relevância para a sociedade. É importante que as instituições escolares estejam estruturadas para receber esse público tão especial. A pesquisa evidenciou que as escolas não estão preparadas para atender as necessidades da comunidade surda, visto que, para uma inclusão de qualidade, as escolas têm que abraçar o sistema bilíngue e na formação continuada os professores devem dominar a Libras.

A importância dos estudos de Psicologia para detectar transtornos que causam efeitos negativos na aprendizagem e no convívio escolar dos discentes
Psicologia, Formação de Professores e Instituição Escola

A Psicologia pode contribuir com a escola, sendo útil para educadores detectarem problemas psicológicos que atrapalhem o processo de aprendizagem dos discentes na sala de aula. O estudo realizado sintetiza informações sobre a influência que distúrbios psicológicos podem causar aos alunos, baseando-se na revisão de literaturas e na experiência de pesquisa dos autores. Neste ensaio, demonstra-se como a Psicologia pode ser utilizada para que professores possam distinguir problemas causados por aspectos externos e internos, contribuindo para a tomada de melhores atitudes para resolver problemas que possam aparecer na escola.

Escola e afetos: o “esperançar” como ação pedagógica em uma favela do Rio de Janeiro
Formação de Professores, Vivências de Sala de Aula e Política Educacional

Este artigo compartilha uma teia de experiências desenvolvida através do projeto Conhecendo Nossas Raízes e Descobrindo Nossas Identidades, que foi realizado na turma 1203 de uma escola municipal do Rio de Janeiro localizada no bairro Maré. O projeto buscou instigar reflexões que apontam a importância do caminhar como processo de construção, principalmente nos contextos periféricos. Nele foram abordados os contextos históricos, culturais e territoriais nos quais os estudantes da escola estão inseridos; a partir daí foi possível desvendar outras Marés. O projeto ganhou forma e ampliou-se numa construção coletiva.

Os impactos da docência na saúde física e mental dos profissionais da Educação Básica no cenário pós-pandêmico
Saúde

Esta pesquisa objetivou mensurar os impactos da covid-19 na saúde física e mental dos profissionais da Educação Básica. A pesquisa foi realizada no município de Valparaíso/GO. A intenção é perceber quais fatores mais afetaram a saúde do profissional, refletindo-se tanto no físico como no emocional diante do isolamento e do distanciamento social. Para a realização do estudo, foi adotado o método quali-quantitativo, por meio de uma pesquisa exploratória. Foi aplicado um questionário com doze questões a um contingente amostral de 691 profissionais, abordando temas sobre a saúde antes e depois de ingressarem na docência.

Projeto Práticas de Leitura e Escrita
Instituição Escola, Vivências de Sala de Aula, Língua Portuguesa e Literatura, Outras Mais Específicas e Política Educacional

O presente projeto trata dos métodos desenvolvidos no segundo semestre do ano de 2021 na Escola São Francisco, na zona rural do município de Cáceres/MT, especialmente com a turma multisseriada de 2º e 3º anos, promovendo o sistema gráfico da escrita, ligados à ênfase entre as práticas sociais de leitura e escrita, que são trabalhadas simultaneamente, com o objetivo de desenvolver atividades diferenciadas, a fim de resgatar o ensino-aprendizagem das crianças que muitas vezes se encontram desmotivadas com a falta do acesso à escola, devido à pandemia.

Cosméticos e alimentos “sem química” são feitos de antimatéria?
Química e Formação de Professores

As quatorze perguntas e respostas que compõem esse artigo são uma tentativa bem-humorada de relacionar alguns dos encontros e desencontros da Química com o nosso dia a dia. Sua inspiração começou como gracejos com os alunos e entre colegas professores, que por sua vez acabaram por contribuir com novas e divertidas indagações. Com o tempo, foi possível perceber que, além de cativar o interesse das pessoas, essas perguntas e respostas possuem potencial educativo e podem ser exploradas em sala de aula.

Cultura livre e ensino de línguas
Formação de Professores, Vivências de Sala de Aula e Língua Estrangeira

Este artigo resenha a tese de doutorado de Rômulo Francisco de Souza, “Implicações do uso de material didático virtual livre em contexto formal de ensino-aprendizagem de italiano como LE/L2: a perspectiva dos problemas de ensino”. Ela trata do uso de materiais didáticos livres no ensino de língua estrangeira, fazendo relação com a perspectiva pós-método e com a cultura livre. O trabalho foi defendido no Programa de Pós-Graduação em Língua, Literatura e Cultura Italianas da FFLCH da Universidade de São Paulo, em 2014, publicado como livro em 2016, pela Edusp.