Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Literatura de Fernando Portela

Alexandre Amorim

Histórias para todos

Imagem da página inicial do site
http://fernandoportela.wordpress.com/

A vontade do jornalista e escritor pernambucano Fernando Portela é “jogar histórias na rua”, como ele mesmo diz em sua declaração de intenções, no seu blog literário. Desde 1970, o autor já publicou quarenta e cinco livros e desde o começo deste ano resolveu publicar seus contos, inéditos ou não, na internet. A produção abundante e o uso de uma ferramenta tão aberta quanto o blog afirmam sua intenção e determinam que as histórias “jogadas” estão aí para serem lidas. É uma boa resposta à velha afirmação de que ler custa caro ou requer tempo. Os textos de Fernando - pelo menos os do blog – são curtos e podem ser lidos na hora do almoço ou entre um e-mail e outro.

Não que não se deva dar a devida atenção aos textos. As histórias cativam, têm qualidade e muitas vezes cabem em exercícios para sala de aula. Fernando Portela transita na ficção e na história, principalmente em pesquisas sobre a cidade de São Paulo, e faz parte de coletâneas paradidáticas, o que faz de seu blog uma ferramenta de ajuda para o professor que procura textos de qualidade e referências para material histórico. “A vida é história. Inventada ou não”, diz ele. E essa visão da história e dos textos inseridos na vida (e vice-versa) é justamente o que faz qualquer um se admirar, se comover e, por isso, se identificar e conviver com a literatura.

O blog se divide em três categorias: Histórias já contadas, Histórias inéditas e Minicontos inéditos. Os nomes são autoexplicativos, exceto pela mistura comum que todos nós fazemos em relação à definição de contos, minicontos, histórias, novelas, romances etc. Como Fernando não explica o que considera diferença entre história e conto, cabe ao leitor distinguir as categorias, mas isso não é absolutamente necessário para uma leitura agradável, fruitiva e frutífera do blog.

Sem compromissos com prazos, estilos ou mesmo com a frequência de postagem, Fernando se torna um escritor ao alcance de todos, respondendo aos comentários e trocando ideias com seus visitantes e leitores. O escritor mostra que escrever faz parte do cotidiano e que a história contada é um modo de se comunicar e de se relacionar. Se esse é o objetivo da literatura, não se sabe. Com certeza, é o de Fernando Portela, em seu blog.

Publicado em 18 de maio de 2010

Publicado em 18 de maio de 2010