Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Redes sociais na educação

Juan José de Haro

Doutor em Biologia, professor de Matemática e Informática e coordenador de Tecnologias da Informação e Comunicação no Ensino Médio. Autor do blog Educativa Traduzido por Juliana Carvalho

O conceito de rede social, como podemos ler na Wikipédia, é:

Rede social é uma estrutura social que pode ser representada sob a forma de um ou vários gráficos nos quais os nós representam os indivíduos (às vezes chamados de atores) e as bordas são relações entre eles. As relações podem ser de diferentes tipos, como operações financeiras, amizade, sexo ou relações profissionais. Também é o meio de interação de pessoas distintas, como nos jogos on-line, chats, fóruns, espaços etc.

Penso que todos podem perceber que a estrutura social do ensino se adéqua perfeitamente a esse conceito. Os nós são compostos por professores e estudantes; as bordas, por relações educacionais como cursos, consultoria, grupos de trabalho interdisciplinares etc. A sala de aula é uma pequena sociedade formada pelo professor e seus alunos. Portanto, deve ser um bom lugar para colaboração e trabalho conjunto.

A primeira coisa que surpreende quando buscamos informações sobre a aplicação das redes sociais em educação é a absoluta falta delas. Muitos professores estão em redes sociais, mas são quase inexistentes os que as levaram para a sala de aula. Neste artigo, gostaria de apresentar as características de algumas redes sociais e suas oportunidades de educação. Em outro trabalho daremos exemplos mais concretos da sua aplicação.

Quem usou o Facebook ou uma rede de características semelhantes só uma ou duas vezes provavelmente teve a impressão de que essas redes sociais são completamente inúteis e não permitem fazer nada em especial – ao menos algo que seja produtivo. Entretanto, os benefícios das redes sociais não são imediatos (como podem ser outros aplicativos do tipo 2.0). Aquele que teve um pouco de constância comprova que é uma ótima maneira de manter e seguir pessoas que definimos como nossas amizades, sejam realmente amigos ou pessoas das quais queremos informações – por exemplo, por motivos profissionais. Se as redes sociais se destacam em algo, é justamente por sua incrível capacidade de manter pessoas em contato. Na minha opinião, muito mais do que e-mails, fóruns, blogs ou qualquer outro sistema. À informação que vemos habitualmente nos nossos contatos se mistura uma informação de caráter pessoal e informal que proporciona uma visão muito diferente da que estamos acostumados a perceber das pessoas com quem não convivemos diariamente.

Redes sociais na educação

No campo da educação, a capacidade para manter em contato um grande grupo de pessoas é a primeira característica da qual podemos nos aproveitar. Quando o professor não atua sozinho no uso das tecnologias da Internet (já que outros professores também o fazem) ou, estando sozinho, possui grande número de estudantes (por exemplo, mais de 150), a dispersão nas fontes de informação de professores e alunos pode prejudicar a eficácia da tarefa educativa, uma vez que ambos os grupos são forçados a visitar um grande número de recursos (blogs, wikis etc.) que são independentes uns dos outros. Essa realmente foi uma das principais armadilhas que destaquei na utilização de blogs em um dos meus primeiros artigos, intitulado Edublogs, un medio pouco apropriado?. Nele, alertei sobre o caos que poderia ocorrer ao usarmos o blog como um meio de ensino geral, devido à multiplicidade de temas e professores que convivem em um mesmo centro educativo.

As redes sociais, especialmente algumas como o Ning ou Elgg (pouco utilizadas no Brasil), permitem o gerenciamento eficiente quando envolvem grande número de alunos e professores. Quanto maior é o número de membros de uma rede social, maior será sua produtividade. Uma rede social com 500 membros será muito mais eficaz do que uma com 100. Penso que com menos de 100 alunos a rede social perde sua eficácia e não vale a pena sua utilização.

O atrativo das relações sociais

O entorno e as condições de trabalho na rede condicionam totalmente seu rendimento. As redes sociais têm enorme atrativo no aspecto pessoal e de relação por parte dos que fazem uso delas. Por esse motivo, quanto maior o número de participantes, mais atração gera nos alunos que estão em contacto direto com seus professores, amigos e colegas de outros cursos que conhecem de vista, mas com os quais talvez não tenham falado nunca. Isso permite criar um ambiente de trabalho favorável, o que é um dos motivos diretos do sucesso das redes sociais.

Essas redes têm o valor incontestável de aproximar a aprendizagem formal da informal. Permitem que o estudante se expresse por ele mesmo, comece relacionamentos com outras pessoas e atenda às exigências próprias da sua educação.

Seria um erro que um professor ou um grupo de professores decidisse trabalhar com redes sociais e restringisse a possibilidade dos alunos de modificar sua própria página pessoal, modificando as cores ou fazendo upload de fotos, vídeos ou música, por exemplo. Devemos ter em mente que a rede social baseia seu sucesso na capacidade que tem de representar a individualidade de alguém entre várias pessoas. Isto assume especial importância entre os adolescentes: que outros me conheçam por meio do que faço e eu os conheça pelo que eles fazem. Mas permitir aos alunos liberdade para que estabeleçam relações através de uma rede social significa também ensiná-los a conhecer onde estão seus limites e a respeitar a escola, o grupo de professores e seus próprios companheiros. A rede social é uma ótima maneira de aprender tais coisas; mesmo que fosse apenas por isso, seu uso já valeria a pena.

O trabalho de classe nas redes sociais

Melhorias na comunicação

Dispor em um espaço 100 ou 200 estudantes junto a outros que sequer conhecemos, longe de ser algo caótico ou um impedimento, torna-se uma vantagem real. Os mecanismos de busca das redes permitem que você localize uma pessoa ou um grupo em poucos segundos. A comunicação direta com o aluno se torna muito simples, quer seja algo público, através do mural (mensagens que podemos ver em sua página pessoal), ou privado (por meio de mensagens diretas semelhantes a e-mails que podem ser enviadas a um indivíduo ou a todos os membros de um grupo). O mesmo se aplica aos estudantes, já que podem se contactar com qualquer um dos seus professores ou colegas de forma direta. Assim, a rede social tem efeito direto sobre a melhoria das comunicações pessoais aluno-professor e aluno-aluno.

Grupos de trabalho

A possibilidade de criar quantos grupos de estudantes desejar facilita a coordenação, o contato entre uns e outros, a colaboração, o compartilhamento de materiais e a criação de produtos digitais. Tanto alunos como professores podem criar grupos que podem ser abertos a todos ou fechados (estes últimos são acessados por convites). O sistema para pertencer ao grupo e a moderação na criação de grupos são configuráveis de acordo com as necessidades do momento.

Algumas sugestões para criação de grupos:

  • Grupos de classe para tutoria, nos quais o tutor dá avisos relacionados ao grupo ou estabelece diálogos sobre temas que considerar adequados;
  • Grupos para matérias escolares, nos quais o professor postou a lição de casa, atualizou o blog da sua classe, apresentou notas de avaliações ou respondeu a perguntas dos estudantes sobre o assunto;
  • Podem ser criados grupos com poucos alunos, para que estejam em contato enquanto realizam trabalhos de grupo em alguma disciplina.

Objetos da rede social

Por objetos compreendemos produtos digitais que podem ser gerados usando a rede social. Os usuários da rede social têm mecanismos para criar seus próprios objetos, que podem ter a  forma de texto puro (mensagens, comentários sobre outros objetos, fóruns de discussão), imagens, sons, blogs, objetos incorporados (documentos, apresentações), anexos etc.

Embora os produtos digitais da própria rede sejam limitados, a capacidade de incorporar objetos externos faz com que, na prática, sua versatilidade seja muito elevada. Quando a intenção é usar a rede social para determinadas atividades, pode ser necessário usar serviços externos que podem ser acessados pela rede, deixando-a como centro de encontro, coordenação e referência exterior.

Controle de rede e privacidade

As redes são totalmente controláveis por seus administradores. Eles podem eliminar tanto o conteúdo inadequado como bloquear usuários que estejam dando problemas. O trabalho com menores de idade obriga a trabalhar com redes fechadas, para evitar a difusão de seus nomes ou outros dados que permitam sua identificação, tais como uma imagem do seu perfil.

Não só para os alunos

Centrei minha atenção nos alunos, mas as redes sociais podem ter valor inegável entre os próprios professores (criando sua rede à parte) para trabalhar entre os departamentos, para emitir informação por parte da diretoria ou da coordenação etc. Isso pode facilitar a comunicação interna e a eficácia da coordenação, bem como criar laços de união entre os professores.

Criar uma rede social para os pais pode ser um meio muito eficaz de fazer contato com eles, além de muito provavelmente aumentar o envolvimento deles na educação de seus filhos.

Que rede social utilizar?

Minha experiência com redes é limitada a três delas: Facebook, Elgg e Ning.

O Facebook é uma comunidade aberta na qual há muita interferência do exterior. Além disso, os mecanismos de controle são muito fracos. O fato de que parte dos perfis é visível para todos por padrão (embora depois isso possa ser limitado) torna difícil seu uso com menores.

O Elgg é uma rede criada especificamente para a educação. No entanto, precisamos de um servidor específico para ela, o que, no nosso caso, serviu para descartá-la.

O Ning oferece redes sociais de forma gratuita que podem ser fechadas ao exterior. Além disso, para a educação de alunos de 12 a 18 anos, podemos solicitar que retirem a publicidade do Google. Essa ferramenta tem outras vantagens, como a possibilidade de tradução para outras línguas e modificação dos textos da rede, que podem ser adaptados de acordo com as necessidades individuais.

Em resumo

Alguns benefícios que podemos encontrar em uma rede social criada para trabalhar com os alunos:

  • Possibilidade de centralizar em um só lugar todas as atividades docentes, professores e alunos de uma escola ou universidade;
  • Aumento do sentimento de comunidade educativa para alunos e professores, devido ao efeito de proximidade que as redes sociais causam;
  • Melhora do ambiente de trabalho, ao permitir que o aluno crie seus próprios objetos de interesse;
  • Aumento na fluência e facilidade de comunicação entre professores e alunos;
  • Aumento da eficácia do uso prático das TIC, ao agir como meio de aglutinação de pessoas, recursos e atividades, principalmente quando são utilizadas de forma generalizada e maciça na escola;
  • Facilidade de coordenação e do trabalho de vários grupos de aprendizagem (classe, disciplina, grupo de estudantes de uma disciplina etc.) mediante a criação de grupos apropriados;

Aprendizagem do comportamento social básico por parte dos alunos: o que posso dizer, o que posso fazer, até onde posso chegar etc.

Publicado em 18 de maio de 2010

Publicado em 18 de maio de 2010