Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Cinema Brasileiro

Alexandre Amorim

Filmes sem legenda

Imagem da página inicial do site
http://www.cinemabrasileiro.net

Em um dia de 1898, o italiano Afonso Segreto filmou fortalezas e navios de guerra na Baía de Guanabara de dentro do navio Brésil. Foi o primeiro registro de imagens em movimento no nosso país. Assim como nossa literatura, que tem como marco inicial a carta de Pero Vaz de Caminha, nosso cinema também começou com a visão de um estrangeiro sobre o Brasil. Se as influências de fora são inevitáveis em uma ex-colônia, o site de Osires Fortunato mostra que o cinema nacional conseguiu construir uma identidade – ou várias identidades. Sua pesquisa constante desde 1997 mantém um site com uma variedade de ricas informações.

Para começar, podemos visitar as galerias. Os cartazes de filmes ocupam mais de 30 páginas com 30 cartazes em cada uma. Como a ordem de exibição é alfabética, filmes dos anos 40 estão misturados com filmes recém-lançados, e o filme erótico A ilha dos cornos tem seu cartaz à mostra na mesma página em que encontramos Ana Maria Magalhães no cartaz de A idade da Terra, de Glauber Rocha. Na Galeria de Artistas, também não há preconceito: encontramos fotos de Fernanda Montenegro e de Jece Valadão, passando por Alvarenga e Ranchinho, Zezé Macedo, Raul Cortez e até o impagável Zé Carioca – uma licença poética, afinal, apesar de carioca, o papagaio malandro só participou de filmes de produção americana...

Osires ainda põe à disposição uma galeria de fotos de cenas de filmes, alguns injustamente esquecidos, como Adágio ao Sol, e outros consagrados e sempre citados em cadernos de cultura, como Macunaíma. Além disso, uma pequena coleção de vídeos de filmes antigos pode ser vista.

Alguns atores e atrizes são homenageados com pequenos textos bibliográficos, o que pode ajudar em pesquisas escolares e mesmo para a busca de algum nostálgico cinéfilo. Quem se lembra de José Lewgoy saindo de cadeira de rodas do hospital, após um grave acidente de carro, para gravar cenas de O beijo da mulher aranha? Quem pode listar as músicas cantadas por Carmen Miranda em cada filme de que a Pequena Notável participa? São histórias e informações que deleitam fãs e introduzem os novatos no folclore do cinema brasileiro.

O site ainda traz uma seção de variedades, como algumas matérias sobre a música popular brasileira no cinema, uma crítica de Graciliano Ramos a um filme de Humberto Mauro e uma discutível lista dos 30 filmes mais significativos do cinema brasileiro. São textos reunidos em um site que demonstra carinho pela produção nacional de filmes. Todos nós sabemos que, desde Afonso Segreto, o Brasil passou por altos e baixos em relação ao cinema. Produções realizadas sem nenhuma condição financeira, filmes descartáveis visando apenas um lucro imediato e empresas estatais ditando regras absurdas contrastam com grandes filmes, diretores e autores. Osires Fortunato se esforça para mostrar que, nesse contraste, o cinema brasileiro ainda aparece com brilho em produções dignas de serem vistas. O site vale uma visita. Sugiro que leve pipoca e refrigerante.

Publicado em 13 de julho de 2010

Publicado em 13 de julho de 2010