Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

O jornal de papel tem futuro?

Alexandre Amorim

A cena é muito comum em filmes americanos ou em novelas brasileiras que retratam a classe média: a família reunida em torno da mesa de café da manhã, o pai com o rosto metido entre as páginas do jornal do dia. No cotidiano de nossa realidade, vemos todo tipo de gente lendo jornais nos ônibus, metrôs e trens: mulheres indo para o trabalho, executivos de paletó, moças universitárias, comerciários, pedreiros, estudantes, aposentados, todos virando as páginas, passando os olhos pelas notícias na parte de esportes, de cultura, da cidade, do país, ou mesmo fazendo as palavras cruzadas e tentando resolver a mais recente mania dos passatempos, o sudoku. Mas uma questão vem incomodando as redações desses jornais: o jornal digital, publicado na internet, vai acabar com o jornal impresso?

Essa mesma interrogação deve ter assombrado as mesmas redações quando inventaram o rádio, os cinejornais e, mais tarde, a televisão. O medo vinha do potencial da informação mais rápida e mais sedutora, com o uso de som, de imagens em movimento – e, desde os anos 50, coloridas – aliadas à narração e à notícia já pronta para ser consumida, muitas vezes sem necessidade de reflexão. A rapidez dos acontecimentos do século XX se refletiu na evolução tecnológica e na informação mais ágil, o que ainda acontece neste início de século XXI. De acordo com o jornalista Lula Branco Martins, ex-editor de cultura do Jornal do Brasil e atual professor de mídia impressa da PUC-Rio, o que vai determinar a sobrevivência de um jornal impresso é, esteticamente falando, sua capacidade de adaptação e de oferta de novidades. Em uma sociedade que se acostumou com um ritmo acelerado de inovação tecnológica, existe por parte de suas representações uma necessidade constante de investimento no novo. Se isso vai gerar um padrão superficial de notícia, é uma nova questão.

Antes de nos preocuparmos com o conteúdo, porém, vamos voltar à estética do periódico. O Jornal do Brasil, que proclama ser o primeiro jornal brasileiro na internet, já está online há mais de dez anos. Em sua apresentação digital, já houve mudanças significativas e hoje ela se ajusta ao padrão da maioria dos grandes jornais nacionais: manchetes com pequenos trechos das notícias presos em blocos. Ainda existe no mundo digital forte referência ao diário impresso, em que blocos de notícia formam sua primeira página. A grande ironia dos periódicos digitais, entretanto, está no fato de que todos os jornais de grande circulação tentam, em seu formato online, imitar o prazer de passar os olhos pelo jornal, página a página. Existe em cada um dos grandes diários a possibilidade de ler a “versão impressa”, isto é, ler sequencialmente o jornal, como se fosse de papel. Essa simulação do jornal original é mais um indicativo de que o mundo da mídia digital ainda se ressente de originalidade – pelo menos quando falamos da mídia comercialmente estabelecida –, mas, ao mesmo tempo, é também sinal de que o leitor ainda guarda resquícios de seus velhos hábitos: passar os olhos pelas notícias, virando suas páginas, é um dos pequenos prazeres que a leitura do jornal impresso nos traz.

Já existem inovações, contudo. Os jornais em meio digital muitas vezes trazem filmagens referentes à notícia e solicitam registros visuais e opiniões aos leitores, promovendo uma interação impossível de ser feita de maneira tão rápida na forma tradicional da mídia. O uso do hipertexto, porém, parece ser a grande vantagem do mundo digital. As ligações entre notícias através de textos que levam a outros textos e a liberdade que o leitor tem de escolher a sequência a ser tomada na leitura dessas notícias é uma revolução na leitura e na interpretação do que se lê. É interessante notar que, para o leitor, existe diferença entre ler uma notícia estática, que logo terá seu interesse substituído por outra notícia, e ler uma informação que poderá ser continuada através de links. A facilidade do hipertexto pode significar um aprofundamento na leitura da notícia.

No entanto, os jornalistas em geral costumam concordar que o jornal impresso costuma trazer seu conteúdo de forma mais organizada. As versões digitais de jornais impressos ainda titubeiam muito em relação a erros gramaticais e mesmo de informação, por serem feitas com mais rapidez. A urgência do furo jornalístico se transformou quase num frenesi na era digital: a necessidade de dar a notícia em primeira mão aliou-se à facilidade de ela ser publicada na internet e à possibilidade de ser reescrita durante sua vida útil no jornal. Um exemplo extremo foi a notícia da morte do Papa João Paulo II, publicada e retirada do ar algumas vezes durante o dia 2 de abril de 2005, enquanto jornalistas tentavam se certificar de sua veracidade. O papa foi dado como morto ainda moribundo, em um caso típico da busca irresponsável por um acontecimento inédito.

A velocidade é um fator crítico não só em relação a erros de gramática e de informação propriamente dita; a mediocrização da mídia está diretamente ligada à escrita apressada e à leitura sem crítica. Não é a mídia em si que dita a banalização da notícia: reflexão e análise cabem na internet, assim como cabem blogs literários de ótima qualidade, mas todos sabem também que impera no mundo digital a notícia repetida sem crítica e sem investigação, assim como os blogs de escritos rasos que se declaram poéticos ou mesmo de literatura. A internet é uma mídia em que quase tudo se encaixa, mas uma de suas características mais fortes é a velocidade – e rapidez é sinônimo de falta de crítica e aprofundamento, daí a má fama da notícia online. Se lançarmos um olhar menos preconceituoso, entretanto, podemos notar que a maioria dos jornais digitais publica notícias integrais e mesmo suas seções de opinião. Cabe ao leitor ter tempo e paciência de buscar a informação bem estruturada. É claro que notícia medíocre gera leitor medíocre, mas a passividade perante a notícia medíocre é responsabilidade do próprio leitor. Em outras palavras: se o jornal digital é ruim, mude de jornal digital.

Se as famílias não têm mais o hábito de ler o jornal na mesa de café, talvez estejam mudando seus hábitos para ler as notícias no computador do trabalho ou mesmo em seus laptops. O fato é que, seja em papel, seja em bits e bytes, a notícia deve ser lida e criticada por seu leitor para que a função do jornalista não se torne uma mera repetição de informações, sem investigação e aprofundamento. Se o jornal impresso vai se tornar obsoleto não é a questão mais importante. Os hábitos podem mudar em relação à mídia, desde que a leitura crítica continue sendo preservada.

Entretanto, as estatísticas não apontam para o fim do jornal tradicional. Ao contrário do que acontece na maioria dos países, o Instituto Verificador de Circulação (IVC) detectou no Brasil, na última década, aumento na tiragem dos periódicos. O Governo Federal se prontifica a apontar como causa o crescimento econômico, mas alguns especialistas em mídia explicam o fenômeno com o aparecimento de diários populares, cujo custo é muito pequeno (variam de R$ 0,25 a R$ 0,50) e têm texto, como na televisão, resumido e de fácil compreensão. Ao mesmo tempo, verifica-se nas salas de aula das faculdades de jornalismo uma tendência ao abandono do estudo do jornal impresso. Grande parte dos alunos de comunicação consulta os sites dos grandes jornais e não se dá ao trabalho de procurar a notícia em papel. Se as próximas gerações vão decretar o fim do jornal como conhecemos originalmente, só o futuro pode dizer.

Publicado em 26 de janeiro de 2010

Publicado em 26 de janeiro de 2010