Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Estímulo para os professores se aprimorarem: bolsistas da Capes e do CNPq poderão acumular ajuda de custo com a remuneração de docente

A Portaria Conjunta nº 1 CNPq/Capes autoriza estudantes de pós-graduação a acumular vínculo empregatício e bolsa. Essa medida beneficia especialmente professores do Ensino Básico, que ganham pouco e eram obrigados a abrir mão da ajuda financeira. O objetivo da medida é, ao permitir a bolsa para profissionais da educação, melhorar a qualidade do ensino público.

Segundo Jorge Almeida Guimarães, presidente da Capes, a medida tem a finalidade de incentivar a presença de profissionais da Educação Básica na pós-graduação. “Resolvemos abrir essa possibilidade para todos os bolsistas, sobretudo para alunos de pós-graduação da área da Educação e das áreas tecnológicas”.

Pela portaria, todos os bolsistas poderão ter vínculo empregatício, desde que atendam a exigências como autorização do orientador, que deverá identificar se o emprego afeta o desempenho do aluno. Além disso, a área de estudo deve ser compatível com a formação do candidato.

Um curso de pós-graduação pode contribuir muito para o desempenho do professor na escola básica. Além desse, outro fator que motiva o docente a buscar a formação continuada é o fato de envolver “seu plano de carreira, porque os salários dos professores na Educação Básica são muito baixos”, reconhece Jorge Almeida Guimarães.

É importante destacar que essa medida está voltada essencialmente para futuros bolsistas.

10/08/2010

Publicado em 10 de agosto de 2010