Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Ideias para estimular a criatividade das crianças

Juliana Carvalho

Quando as crianças vão para a escola, são pontos de interrogação;
quando saem, são frases feitas.

Neil Postman (educador)

A infância é naturalmente o tempo da criatividade. A sucessão de descobertas, dia após dia, faz com que a criança tenha uma atividade cognitiva intensa, e com ela surgem as histórias que não acabam nunca, as “mentirinhas rocambolescas”, a imaginação, a capacidade de acreditar nos contos de fadas... Mas infelizmente essa fase dura pouco. A maioria dos adultos não teve acesso a uma educação eficiente, e a culpa é da própria escola. Mas em que fase exatamente ocorre a ruptura com a criatividade – ou pelo menos o afastamento?

O trecho a seguir, retirado do livro Um “Toc” na Cuca, pode ilustrar com clareza essa mudança:

Quando eu estava no meio do curso colegial, meu professor de inglês fez uma pequena marca de giz no quadro-negro.

Ele perguntou à turma o que era aquilo. Passados alguns segundos, alguém disse: “É uma marca de giz no quadro-negro”. O resto da classe suspirou de alívio, porque o óbvio foi dito e ninguém tinha mais nada a dizer. “Vocês me surpreendem”, o professor falou, olhando para o grupo. “Fiz o mesmo exercício ontem, com uma turma do jardim da infância, e eles pensaram em umas cinqüenta coisas diferentes: o olho de uma coruja, um inseto esmagado e assim por diante. Eles realmente estavam com a imaginação a todo vapor.”

Nos dez anos que vão do jardim da infância ao colegial, nós tínhamos aprendido a encontrar a resposta certa, mas também havíamos perdido a capacidade de procurar outras respostas certas e perdido muito em capacidade imaginativa.

Às vezes, a culpa é mesmo de nós, professores. Quer ver? Quantas aulas neste semestre você disponibilizou para os trabalhos criativos? Muitas? E que materiais, além de cartolina, EVA ou massa de modelar você utilizou nesses trabalhos? Jornais e revistas são ótimos materiais, mas não são exatamente uma inovação...

Brincadeiras para crianças pequenas

O site Qdivertido oferece centenas de dicas para os professores que desejam incentivar a criatividade de seus pequenos de forma lúdica. Que tal tentar as brincadeiras que relacionamos a seguir?

Aventuras para crianças pequeninas

Um túnel para as crianças engatinharem por dentro pode ser feito com papelões grandes, cartolinas, diferentes tipos de tapetes, diferentes tipos de travesseiros e bolas, bolas de soprar ou animaizinhos, balões, colchas e almofadas. Experimente você primeiro mostrar para elas como devem agir para brincar e elas aprenderão rápido. Engatinhar dentro do túnel, brincar com balões, construir torres com travesseiros etc.

Crianças exercitando-se na sala

Preste atenção às brincadeiras das crianças. É sempre bom ter um colchão de ginástica ou uma colcha almofadada para que as crianças possam brincar e se exercitar ali.

Bacia ou piscina de plástico

Para cada grupo de crianças, duas piscininhas de plástico seria o ideal. Você poderá enchê-la com balões de soprar (meio murchos para não estourarem), jornais (as crianças adoram rasgá-los), algodão (de boa qualidade para elas sentarem-se em cima e sentirem a textura macia). Papéis manteiga fazem um barulho agradável de ouvir quando são amassados. É importante observá-las sempre, para que não engulam objetos indesejáveis. No outono, é possível encontrar materiais como castanhas e folhas, que também podem estar nessa pequena piscina para que as crianças entrem e desenvolvam seus sentidos. Quando o tempo estiver quente, pode-se colocar essa piscina fora e enchê-la de água. Ponha dentro potinhos vazios de iogurte, colheres de plástico, baldinhos e deixe as crianças brincar ali.

Música com materiais de casa

Caixa de ovos, latas de bebida, colheres, pauzinhos ou hastes de madeira podem transformar-se em instrumentos musicais. Use a criatividade!

Enchendo objetos

Dê para as crianças diferentes latinhas, copos de iogurte vazios, papelões, garrafas de plástico etc. Elas poderão encher esses objetos com areia, e no verão brincar fora ou também utilizando água. Comece com você demonstrando como se pode construir uma torre, uma montanha etc. com areia; logo elas estarão fazendo o mesmo.

Conhecendo as formas

Recorte, nas caixas de papelão (de produtos caseiros) ou caixas de sapato, diferentes formas: círculo, triângulo, retângulo etc. Dê para as crianças cortiça, bloquinhos de madeira para montar, pedaços de papéis grossos e peça a elas que coloquem nos buraquinhos (de diferentes formas) das caixas.

Rolos de papel higiênico

Dê a elas alguns rolos de papel higiênico vazios ou rolos de papel de cozinha, e elas poderão fazê-los rolar, apertá-los; os mais fortes conseguem até rasgá-los; podem também pisar em cima! Se as crianças forem um pouco maiores, já podem pintar os rolos com tinta de dedo ou colar em cima papéis coloridos que podem ser rasgados.

Saquinhos recheados

Uma coisa que pode ser feita rapidamente é confeccionar saquinhos de pano recheados ou mesmo luvas laváveis recheadas. Encha-as com algodão, arroz, ervilha seca, castanhas; ponha sininhos em cada dedo da luva etc. As crianças gostam de exercitar o tato e escutar o som que os objetos produzem.

Painéis de textura

Numa cartolina, cole lixa de papel, folha de alumínio, tecido, algodão, botões e cortiça, formando dois painéis. Deixe as crianças sentirem as diferentes texturas. Você pode esconder o painel sob um pano e as crianças poderão, pelo tato, adivinhar a textura.

Papelão

Pode-se pintar um papelão com tintas de dedo. Uma caixa de papelão pode virar uma casinha. É só cortar as portas e janelas. Claro que essa caixa deve ser grande. Com papelão, a criança maior poderá ensaiar recortes (com tesoura sem ponta) e poderá fazer estrelas, formas variadas (para servir de móbiles após serem pintados) etc.

Aprendendo a guardar os brinquedos

Deixe as crianças guardarem os brinquedos que utilizaram na aula. Elas podem colocá-los em uma caixa de papelão vazia. Podem pôr bolas de papel, algodão, bolinhas etc. Quando tudo estiver dentro da caixa, todo mundo canta uma música para festejar.

Espelho de papel alumínio

Você pode colar uma folha de papel alumínio no chão para que as crianças, ao engatinhar, olhem para seu reflexo. Os pequeninos gostam de se mirar no espelho.

Travesseiros de balões

Com uma colcha de face dupla, dessas que se colocam em estofados, você pode fazer um grande travesseiro de balões. É só colocar nas colchas diversos balões de ar (meio vazios para que não estourem) e as crianças poderão engatinhar e rolar por cima.

Tecido e lã

Colar restos de tecidos de diferentes formas e tamanhos. Para colar lã é necessária destreza maior, pois a criança precisará firmá-la com a ajuda de outros dedos para que se fixe no papel.

Caixas de ovos vazias

São também boas para que as crianças as rasguem ou para serem utilizadas na confecção de papel machê – que serve como ótimo recurso para fazer brinquedos diversos: galinhas, frutas, máscaras etc. As crianças também poderão brincar de colocar materiais dentro da caixinha de ovos: papéis amassados, cortiças etc. Tome cuidado para que não levem objetos pequenos à boca.

Sugestões de como agir com o 2º segmento do ensino fundamental e com o ensino médio

Para encorajar a criatividade de alunos dessa faixa etária, é necessário criar um clima favorável a seu desenvolvimento. Uma de suas características fundamentais é a receptividade a novas ideias, e isso pode ser implementado através de algumas atitudes simples.

É primordial dar chance ao aluno para levantar questões, elaborar e testar hipóteses, discordar, propor interpretações alternativas, avaliar criticamente fatos, conceitos, princípios, ideias. Além disso, o professor deve ter atitude de respeito pelas questões levantadas, independentemente de serem banais e irrelevantes ou “inteligentes” e bem formuladas. O professor deve também dar tempo ao aluno para desenvolver sua criatividade, pois nem toda ideia ocorre imediata e espontaneamente.

Parece fácil criar um ambiente de respeito e aceitação mútuas, em que os alunos possam compartilhar, desenvolver e aprender tanto uns com os outros e com o professor, como independentemente, mas alguns professores não conseguem. A escola pode ajudar, mas essa é uma tarefa essencialmente do professor.

É preciso estimular no aluno a habilidade de pensar em consequências para acontecimentos imaginários e para outros que já ocorreram no passado ou que poderão ocorrer no futuro. Alguns exemplos de problemas que poderão ser propostos são:

  • O que aconteceria se a Terra estivesse mais distante do Sol?
  • Como seria o Brasil se tivesse sido colonizado pelos ingleses?
  • Quais serão as consequências do efeito estufa?
  • Como seria o mundo hoje, se ainda existisse o bloco socialista?

O sentimento de ameaça e temor, tão frequente em nossas escolas, deve dar lugar ao desejo de arriscar, de experimentar e de manipular; o medo do fracasso e da crítica, tão comum entre nossos alunos, não deve existir. Ele impede a sensação de liberdade para inovar e explorar, sem medo de avaliação.

Devemos valorizar o trabalho do aluno, suas contribuições e ideias. De modo geral, nossa maior tendência é de tecer comentários negativos, comunicando ao aluno apenas a extensão de seus erros, salientando seus fracassos e sua incompetência. Muito raramente ouve-se um professor dizer para o aluno: “Como você é capaz!” “Como a sua ideia é original!” “Como você escreve bem!”. Por outro lado, sabemos que todo ser humano, seja criança, adolescente ou adulto, tem uma necessidade básica de ser aceito, de ser estimado, de ser valorizado, de ver as suas contribuições, os seus esforços, o seu ponto de vista reconhecidos e valorizados; de perceber-se como tendo alguma habilidade especial.

Os professores de língua portuguesa, por exemplo, ao solicitar uma redação, não devem apenas pedir aos alunos que escrevam sobre determinados temas e corrigir posteriormente as redações com comentários positivos ou negativos. Para facilitar redações criativas, o professor deve fazer uso dos mais variados recursos, possibilitando às crianças trabalhar com as ideias antes de colocá-las no papel. Alguns recursos seriam:

  • Dar oportunidade aos alunos para desenvolver sua imaginação e para elaborar ideias imaginativas com relação a um determinado tema proposto pelo professor ou pelo aluno.
  • Estimular a aplicação de princípios para gerar novas ideias, como pensar em outros usos, adaptar; modificar; substituir; rearranjar; combinar etc.
  • Encorajar a criação de ideias que sejam de toda a classe, antes de partir para um trabalho individual, em que as ideias do grupo possam ser aproveitadas.
  • Não considerar disciplina como alunos sentados, quietos e de boca fechada. Aceitar a espontaneidade, a iniciativa, o senso de humor e a capacidade criadora como traços universais do homem que não devem ser prescritos da sala de aula, mas devem antes ser cultivados.

Lembre-se de que alunos criativos só poderão ser formados por professores criativos. Por isso, reinvente-se, renove-se, reveja sempre sua prática docente, faça cursos, informe-se... E, em sala de aula, dê asas à imaginação!

Publicado em 17 de agosto de 2010

Publicado em 17 de agosto de 2010