Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Instituto Arapoty

Alexandre Amorim

Índio

Instituto Arapoty
http://institutoarapoty.ning.com

A maioria das pessoas parece não se dar conta, mas já se passaram mais de cinco séculos da época em que índios trocavam trabalho escravo e pedras preciosas por quinquilharias vindas de Portugal. A ignorância que a população indígena tinha do modus operandi de exploração europeia já não existe mais. Essa ignorância, que a civilização prefere chamar de “inocência”, transformou-se em uma consciência de sua situação em um mundo que foi civilizado e globalizado. Arapoty significa renascimento, e talvez renascer tenha sido uma necessidade para um povo que foi quase exterminado.

De origem tapuia, nascido na periferia de São Paulo, Kaká Werá Jecupé resolveu compreender melhor a relação de sua história com o mundo. E acabou tornando-se um homem preocupado com o espaço em que vive e com a forma como as pessoas lidam com esse espaço. Em poucas palavras, Jecupé se tornou um ambientalista, se levarmos em consideração a abrangência que esse termo pode tomar. Porque, para esse índio nascido perto da cidade menos selvagem do Brasil, faz sentido entender ambientalismo como sinônimo de educação.

É claro que pertencer a uma cultura indígena o ajudou a entender que a relação entre a natureza e o homem faz parte do desenvolvimento deste último. Ter visto seu povo estigmatizado como exótico e fora do “mundo real” também o fez ver que justamente em sua cultura estava a resposta a ser dada à sociedade: a constante aprendizagem, a partir da observação e do contato com o mundo.

O Instituto Arapoty, de que Jecupé é um dos fundadores, trabalha para que haja inclusão social e conscientização ecológica entre os cidadãos. A divulgação da cultura indígena não é o único tema, mas está inserida naturalmente nas suas atividades e nos seus estudos, uma vez que o índio pode ser visto como um dos ícones da diversidade cultural e da noção de sustentabilidade.

Para fazer o site do instituto foi usado o aplicativo Ning (www.ning.com), um construtor de sites de rede social. A estratégia do Arapoty em seu site é reunir colaboradores, e quem estiver interessado pode se cadastrar para fazer parte de uma rede social virtual em que ideias e experiências são trocadas, além receber mala direta com os cursos oferecidos.

Publicado em 14 de setembro de 2010

Publicado em 14 de setembro de 2010