Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Brasiliana USP

Alexandre Amorim

O Brasil poético

Imagem da página inicial do site
http://www.brasiliana.usp.br/

No dia 16 de agosto de 2010, Vinicius de Moraes foi promovido post mortem ao cargo de ministro de primeira classe da carreira de diplomata. Desde 1943, o poeta era membro do corpo diplomático brasileiro, mas foi exonerado pela ditadura militar, em 1969. Se Vinicius foi ou não um bom representante do governo brasileiro, cabe a seus biógrafos e aos conhecedores da matéria julgar. Mas a contribuição poética do escritor carioca é inegável, mesmo para aqueles que o conhecem apenas pelas letras de músicas em parceria com Tom Jobim, Baden Powell, Chico Buarque ou Toquinho.

E justamente para esses, que desconhecem sua obra em livro, vale visitar o site Brasiliana USP, da Universidade de São Paulo, no endereço http://www.brasiliana.usp.br/node/455. As fases literárias, as influências que sofreu e exerceu estão apontadas em um texto curto, mas esclarecedor e bastante completo. Além disso, há links para baixar livros seus de 1933 a 1975.

Tom Jobim, seu parceiro musical de tantas canções e na primeira peça teatral que escreveu, Orfeu da Conceição, dizia que o poeta era plural. Se não fosse, não se chamaria Vinícius de Moraes, mas “Viníciu de Moral”. As histórias acerca de Vinícius fazem parte do folclore da MPB e da literatura brasileira. A mais conhecida é sobre seu ciúme e sua generosidade em relação a parceiros musicais. Vinícius costumava chamar amigos para mudar uma ou duas palavras em suas canções e então colocá-los como coautores. Ao mesmo tempo, tinha uma inveja incurável ao ver parceiros musicais comporem com outros e excluí-lo daquela composição, como no caso de Tom e Chico em Sabiá ou Retrato em Branco e Preto.

Vinícius teve a sorte de ter sua obra reconhecida em vida; foi um escritor e homem apaixonado e fez do nosso país um lugar mais poético. A lembrança de sua obra no site Brasiliana USP é merecida e obrigatória, uma vez que o site se propõe a ser (como está em seu próprio nome) um “acesso para a pesquisa e para o ensino como uma coleção de livros e documentos de e sobre o Brasil”.

A Brasiliana USP é um projeto que envolve a construção de uma biblioteca de 20 mil metros quadrados na cidade universitária da USP, onde serão guardados os acervos de José Mindlin, entre outros. A digitalização desse material já está sendo feita e muitos livros já podem ser acessados pelo site.

A consulta ao material digitalizado é fácil e pode ser feita por autor, título, assunto, tipo de documento e ano de publicação. Além disso, existe um dicionário da língua portuguesa online e artigos diversos, como o escrito sobre Vinícius de Moraes. Na edição que está no ar, a diretora da Fuvest, Maria Theresa Fraga Rocco, publica um artigo sobre a literatura no Vestibular 2011 que interessa a alunos e professores.

Publicado em 28 de setembro de 2010

Publicado em 28 de setembro de 2010