Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Geologia e sociedade

Prof. Rondon Mamede Fatá

Não sei bem qual é a explicação, mas temos em Geologia inúmeras descobertas/aplicações de materiais que vão sendo gradativamente incorporadas aos conhecimentos empíricos.

Estamos falando daquilo que usamos e que nossos pais também usaram e por isso se tornaram óbvios e consequentemente ninguém sabe de onde vem, se são utilizados diretamente ou qual a tecnologia usada para sua transformação em outro produto.

Vejamos alguns exemplos em nossa própria casa:

Alicerces:
formados por rochas resistentes como granitos, sienitos, basaltos etc., enquanto a montagem das estruturas das vigas, colunas e sapatas é de ferro, proveniente do mineral hematita.
Paredes:
o mineral argila ou a rocha argilito é utilizado na composição dos tijolos; a rocha calcário, para a formação do cimento e a areia, que é um solo, que é adicionada ao cimento para formar uma liga, que serve para juntar os tijolos e para o emboço.
Telhas:
a sua composição é do mineral argila ou da rocha argilito.
Canos:
podem ser de metal – portanto, um mineral – ou de PVC, tipo de plástico proveniente do petróleo, que é um tipo de rocha sedimentar, de origem orgânica.
Torneiras:
são metálicas ou de ligas metálicas, tendo na sua estrutura principalmente o mineral hematita, que é um minério de ferro.
Fiações:
são, de modo geral, feitas com materiais que sejam bons condutores de eletricidade, como o cobre, que é retirado do mineral malaquita.
Bancadas de pias:
são formadas de rochas resistentes e que apresentam beleza após o polimento, como mármores (rochas metamórficas) ou granitos, sienitos (rochas magmáticas).
Revestimento de paredes e pisos:
azulejos e ladrilhos são formados a partir de minerais da família dos feldspatos, cujo membro mais utilizado é o ortoclásio.
Tetos rebaixados:
podem ser feitos de gesso, que é feito a partir do mineral gipsita ou da rocha gipso.
Janelas:
podem ser de esquadrias de alumínio ou de ferro; no primeiro caso, são provenientes do mineral bauxita; no segundo caso, do mineral hematita.
Pisos internos e externos:
são formados de granitos e sienitos (rochas magmáticas), arenitos (rochas sedimentares) e gnaisses, ardósias, quartzitos e mármores (rochas metamórficas).
Vidraças:
formadas pelos mais variados tipos de vidros, que têm como principal componente a areia, um tipo de solo, que é composta do mineral quartzo; este é formado pela substância sílica.
Esgotos:
a sua captação pode ser feita por manilhas, que são formadas a partir do mineral argila ou da rocha argilito; as manilhas podem ser também de concreto, com a mistura de cimento, que já vimos que é proveniente da rocha calcário, e água; pode ser ainda de PVC, que se origina do petróleo.

Isso é apenas uma parcela do que utilizamos na construção de uma casa e que está ligado diretamente à Geologia. Mas, atualmente, para essa casa funcionar são necessários aparelhos elétricos como: fogão, geladeira, máquina de lavar roupa e outros mais, à base de materiais metálicos.

Televisões, aparelhos de DVD, computadores, rádios, gravadores, telefones fixos, telefones móveis, MP3, MP4 etc. apresentam vários componentes minerais.

Além desses objetos, é óbvio, temos os carros, que, além de terem, grande percentual de materiais metálicos, para funcionar necessitam de combustível, que pode ser a gasolina, que é transformada do petróleo, que, como já vimos, é uma rocha sedimentar.

Para finalizar, lembro que utilizamos na nossa alimentação vários minerais, principalmente o mineral halita, que é conhecido como sal de cozinha, além de várias substâncias que são retiradas de minerais e entram na composição de inúmeros medicamentos.

Portanto, apesar de inúmeras aplicações de materiais geológicos no nosso dia a dia, a sociedade ainda não se deu conta disso, pois quase tudo que foi dito virou conhecimento empírico.

Este é o texto de palestra feita no Clube de Engenharia do Rio de Janeiro em 29 de maio de 2009

Publicado em 02/02/2010

Publicado em 02 de fevereiro de 2010