Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

MEC irá distribuir livros sobre História da África às bibliotecas públicas

Alexandre Alves

Descrever a img desde que não seja apenas ilustração

A coleção História Geral da África será distribuída pelo Ministério da Educação e até fevereiro de 2011 estará à disposição em todas as bibliotecas públicas municipais, estaduais e distritais; estará também nas estantes das bibliotecas das Instituições de Ensino Superior, dos polos da Universidade Aberta do Brasil, dos núcleos de estudos afro-brasileiros.

Os oito volumes foram preparados pelo Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Universidade Federal de São Carlos (SP), reconhecida como a principal obra de referência internacional sobre o continente africano. Foi publicada pela primeira vez no final da década de 1980, pela Unesco.

Na solenidade de lançamento da coleção, o ministro da Educação, Fernando Haddad, afirmou: “Não basta a vontade de querer cumprir a lei (10.639, que torna obrigatório o estudo da cultura e da história da África); é preciso esforço”, disse. “Essa coleção enriquece a nossa própria cultura e inaugura uma linha de pesquisa no Brasil sobre a História da África”, completou.

Para o secretário de Educação Continuada do MEC, André Lázaro, esse lançamento representa uma transformação cultural no país e uma tentativa de superar o racismo. O coordenador do projeto, Válter Silvério, concorda que a obra ajuda a despertar a curiosidade de jovens pesquisadores e facilita o estudo dos alunos que quiserem conhecer mais do que aquilo que é trabalhado nas escolas. “Eles terão, pelo menos, um material de referência nesse tema. Acredito que a coleção possa fornecer um conhecimento do que somos enquanto povo e enquanto nação”. Segundo Silvério, o lançamento dos livros é importante para que o país possa ampliar a construção de uma sociedade menos racista e mais democrática.

Além da distribuição física, os oito volumes estarão disponíveis para download nos sites da Unesco e do Ministério da Educação.

A Universidade Federal de São Carlos está preparando ainda outro material encomendado pelo MEC. Brasil-África – histórias cruzadas foi produzido para uso pedagógico de estudantes da educação básica pública e de professores e alunos das licenciaturas. Seus volumes abordam a cultura brasileira e a cultura africana com conteúdos e ilustrações apropriados para cada etapa da educação básica, com tratamentos específicos para a educação infantil, para os anos iniciais do ensino fundamental, para os anos finais do ensino fundamental e para o ensino médio.

Para os professores que vão trabalhar esses conteúdos na sala de aula e para os alunos das licenciaturas, foram desenvolvidos dois cadernos de estudos sobre História da África e um guia de orientação pedagógica.

Este projeto tem parceria do MEC, da Universidade Federal de São Carlos e da Unesco.

21/12/2010

Publicado em 21 de dezembro de 2010