Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Ocupação? Estudante!

Carla Laneuville Figueiredo Barbosa

Pós-graduada em Direito FGV e graduanda de Pedagogia do ISERJ

Sou advogada por formação, esposa por opção e mãe, por amor e vocação, de duas meninas: uma com dois anos e cinco meses e outra de onze meses, as quais requerem muita atenção e disposição! Estou na porta dos 40 anos e, de repente, resolvi que iria recomeçar minha vida profissional.

Para espanto de muitos, meu recomeço teve início em uma inusitada e inesperada prova de vestibular. Quase duas décadas depois de ter prestado meu primeiro vestibular, resolvi que, finalmente, faria o que sempre sonhei: a faculdade de Pedagogia. Desde a inscrição houve muita ansiedade, muitas questões acerca da nova escolha; mas era isso, estava resolvido.
Expectativas, friozinho na barriga, dúvidas, alegria... Um novo tempo estava chegando. Fiz minha inscrição para o vestibular com a certeza de estar fazendo o melhor, no momento mais acertado do mundo. Pronto, o primeiro passo havia sido dado.

Agora, o passo era outro: faria uma prova de vestibular, matérias que há muito não via... Será que me sairia bem? Será que teria chance? Afinal, não estou mais a par de tudo que acontece no meio acadêmico, fazia muito tempo que não estudava Matemática, enfim, estava enferrujada... Mas cheia de vontade, e isso era o mais necessário naquele momento.

Chegando o dia da prova, fui com medo, confesso, mas feliz da vida. Fiz a prova com certa dificuldade na redação, pois, como advogada, estou há muito tempo tendo como redação apenas minhas petições e, com certeza, não era essa a formatação adequada para uma redação de vestibular! Fiquei muito tempo pensando como articular, naquelas poucas linhas, uma ideia interessante, correta e coesa. Para mim, foi a parte mais difícil. Terminei a prova, reli, marquei o cartão. Pronto, acabei. Estava tudo certinho para entregar. O segundo passo estava dado, e agora era esperar pelo resultado!

Alguns dias de ansiedade, e veio o resultado: PASSEI! E, para minha alegria, passei em 7º lugar! Fiquei feliz demais! Eu havia conseguido! Mas, todos sabemos, o mais fácil é essa parte; o difícil ainda começaria. Como costumam dizer, “passar é fácil, sair é que são elas”. Pois é... Completar a faculdade, conseguir me formar, esse é o foco. Agora eu era caloura da Pedagogia!

Advogado precisa estar sempre atualizado, estudando, lendo, mas o estudo que eu iniciaria era diferente. Eu faria outra faculdade, após muitos anos já formada. Como seria fazer outra faculdade? Como seriam os professores? Minha primeira faculdade foi particular, esta é pública... Será que os professores seriam tão competentes? Confesso que acabei por formar uma opinião meio esquerda quanto à educação pública, pois não vemos muitas coisas positivas acerca desse assunto, e eu, que acabo por fazer parte disso, torço o nariz para a escola pública.

Chegou o esperado dia! Procurar a sala, olhar os colegas, aguardar o professor... E o friozinho na barriga ali; companheiro desde a prova de vestibular, não poderia faltar nesse dia especial! Os colegas, para minha surpresa, não eram só meninos e meninas que haviam acabado o Ensino Médio; havia muitos colegas maduros, também! Bacana! Fico encantada quando vejo a vontade, a busca pelos sonhos se concretizando, ainda mais quando a pessoa não é mais tão jovem. Isso é ímpar! Ter a coragem de estudar, de recomeçar ou de começar, de lutar, assim, na porta dos quarenta, afinal, não é para qualquer um! E estávamos lá, felizes!

Pois bem, os professores foram gratas surpresas. Todos muito preparados, competentes, com formação excepcional! Fiquei encantada! Sim, também havia professores que, acho, esqueciam que uma turma da faculdade os aguardava, não compareciam e, quando iam à faculdade, só faziam reclamar de salários, de falta de reconhecimento dos governantes, da sociedade etc. etc.... Mas isso é outro assunto. Os que importam são aqueles que dignificam a profissão e destes, com certeza, conheci muitos! A coordenação era excelente! Os professores da coordenação, assim como os funcionários responsáveis pela faculdade, são muito competentes. Muito acessíveis, tentando atender todas as nossas reivindicações, dentro das possibilidades. Uma surpresa saber dessa organização.

Superando as expectativas (as minhas e as dos colegas!), estou terminando meu 1º ano de Pedagogia, feliz da vida, com colegas e mestres admiráveis. Recomeçar, assim como um começo mais tardio, pode parecer meio amedrontador, meio impossível, mas não o é!
Estou certa de que as boas escolhas sempre são acertadas! Estou certa de que as boas escolhas nunca serão feitas tarde demais! Estou certa de que a hora para começar a estudar, assim como para recomeçar, é SEMPRE, com certeza!

Publicado em 29/03/2011

Publicado em 29 de março de 2011