Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

MÃE – SEJA UMA TV A CABO DO BEM!

Ivone Boechat

É muito triste, sim, assistir pelos meios de comunicação, em tempo real, a um episódio como esse que jornais do mundo inteiro estamparam, quando um jovem com sério transtorno de comportamento entrou intempestivamente escola adentro e matou crianças em sala de aula. É dolorida essa aula! É uma aula salpicada de sangue, banhada em lágrimas.

Naquele mesmo dia, repórteres perguntavam aos alunos sobreviventes, aos professores em estado de choque, aos pais horrorizados, que lições podia se extrair dali. Todos diziam em uníssono: ficamos mais unidos, estamos solidários, nossa dor é uma só.

Isso faz lembrar quando o furacão Wilma arrasou uma cidade americana e os repórteres faziam perguntas semelhantes. A resposta de uma senhora ficou gravada: “Com o furacão, tive o prazer de conhecer minha vizinha de muitos anos, quando ela me viu aflita e me ofereceu uma xícara de café”.

O brasileiro é solidário sempre, mas, a exemplo de muitos, vem ultimamente adotando um estilo de vida preocupante. Está se isolando. Será que é preciso um furacão, um terremoto, um tufão, uma chacina para as pessoas se unirem, se conhecerem, se amarem e oferecerem uma xícara de café ao vizinho desconhecido?

Muitas atitudes contribuem para a educação equivocada. O mau uso dos meios de comunicação tem sido um terror no universo humano. É um dragão que destrói o equilíbrio emocional. A criança chega a algumas escolas ainda bebê; muitos chegam de fraldas e dão de cara com uma escola atropelando os princípios que fundamentam as emoções. A escola tem o som, todavia não respeita o limite da capacidade auditiva humana; o som é altíssimo. A escola tem computadores e os supervaloriza, em detrimento das brincadeiras, das músicas brasileiras, das histórias, das poesias, de dramatizações, do folclore, dos jogos no recreio. Recreio? Cadê o recreio?

O Brasil é uma potência em alguns aspectos, mas tem contrastes sociais de submundo.

A educação envergonha esta nação perante os olhos do mundo. Não se têm recursos para acabar com a violência, porém pode-se educar para reduzir o gosto por ela. Há canais de TV que estão se transformando em delegacia de polícia ao vivo, dentro da casa daqueles que veneram a violência. Isso adoece o imaginário e traz transtornos de comportamento. Serve também de universidade do crime. Forma bandidos. Faz escola.

Andrew Oitke, professor da Universidade de Harvard, publicou o livro Mental Obsety e denuncia que “a nossa sociedade está mais sobrecarregada de preconceitos do que de proteínas”. E afirma que “é hora de refletir sobre os nossos abusos no campo da informação e do conhecimento, que parecem estar dando origem a problemas tão ou mais sérios do que a barriga proeminente. ‘Profissionais da informação’ vendem gordura trans em excesso”.

Oitke demonstra preocupação com essa ‘alimentação intelectual’ tão carregada de adrenalina, romance, violência e emoção. “É possível supor que esses jovens jamais conseguirão viver uma vida saudável e regular. O homem moderno está adiposo no raciocínio, nos gostos e nos sentimentos. O mundo não precisa de reformas, desenvolvimento, progressos. Precisa, sobretudo, de uma dieta mental”.

Mãe, lute para reduzir a comunicação da desgraça dentro da sua casa. Seja uma TV a cabo do bem e não reproduza desgraça nenhuma, hora nenhuma: na hora das refeições, nas festas da família, nos encontros no shopping... Não superdimensione o crime, a hecatombe, o tsunami, não se transforme numa assombração a serviço da mídia pererê, ensinando que o mundo está no fim. Não pegue um caso isolado e o generalize.

Nunca se viu nada igual a essa matança na escola, aqui no Brasil. Não fique então martelando que as escolas agora não têm segurança, que o mundo está perdido. Esse fato é único. Não deixe seu filho, seu neto, ninguém aterrorizado, achando que isso é sempre assim, uma coisa normal, mas, sobretudo, eduque para que se aprenda a usar a metainformação, selecionando tudo de lindo e maravilhoso que existe nesta Terra linda.

O mal não vencerá o bem. Então faça a sua parte!

Seja você uma TV a cabo do bem.

Publicado em 24 de maio de 2011

Publicado em 24 de maio de 2011