Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Praia da Dezmatemática

Luing Argôlo Santos

Licenciando em Matemática

Nascia uma bela manhã na Vila das Equações, que se situava próxima a uma praia: a Praia da Dezmatemática. Nessa vila havia poucos moradores. Dentre eles, Algoritmo e sua esposa Aritmética. O sol raiava ao leste da vila com tanta intensidade e brilho que se assemelhava aos refletores parabólicos de um estádio de futebol.

Aritmética estava no sono leve da aurora quando, de repente, ouviu um grito vindo do lado de fora de sua casa:

– Algoritmo! Algoritmo! Você está ai? Tem alguém em casa?

Aritmética, ainda sonolenta, olhou pela janela circular e viu Álgebra, irmã de Algoritmo, seu marido, bater à porta. Aritmética admirou-se com o lindo dia que se formava naquele lugar. Podia-se ouvir o barulho do mar distante e o som dos pássaros a cantar músicas fractais, próximos ao jardim de flores pentagonais. Aquela casa era modesta, quadrada, de pequeno perímetro, com telhados hexagonais sustentados por bases triangulares. As janelas eram todas circulares, para, segundo Aritmética, “poder enxergar a maior área possível do lado de fora da casa”. Algoritmo vivia tentando descobrir de onde ela tirou essa ideia. Ela retrucava:

– Você nunca ouviu falar de Zenão de Eleia?

Ele respondia que “estudar Gauss e Leibniz já tomava bastante o seu tempo”. Algoritmo era um tipo de sujeito formal, ranzinza, e adorava impor regras para quaisquer situações, mesmo que cotidianas. Sua fisionomia era um tanto sem graça, com estruturas físicas nada virtruvianas. Aritmética, por sua vez, era jovial, e, além de ser dotada de proporções áureas, era muito simpática e sorridente. Havia discutido muitas vezes com o marido, porque que ele era do tipo que queria tudo a seu jeito, enquanto ela encontrava soluções alternativas – muitas vezes mais simples – para resolver as diversas situações, habituais ou não.

Aritmética abriu a porta e falou com entusiasmo:

– Álgebra! Quanto tempo! Senti muito sua falta!

Álgebra cumprimentou Aritmética calorosamente e logo em seguida perguntou com ansiedade:

– Onde está o meu irmão? Já faz tempo que não o vejo. Estou com saudades!

Aritmética olhou para os quatro ângulos retos da casa e lembrou:

– Ah! Ele me disse que iria à praia hoje bem cedo. Pareceu estar entusiasmado com a leitura de um livro de matemática que lhe dei de presente em seu último aniversário.

Álgebra, ansiosa para ver o irmão que há tanto tempo não via, resmungou:

– Logo hoje! Justo no dia em que decidi vir visitá-lo!?! Você sabe, Aritmética... Não tem sido fácil para mim sair da rotina. Tenho me dedicado às investigações no campo da análise matemática, e isso tem subtraído meu tempo para visitar os familiares.

– Entendo perfeitamente, Álgebra – disse Aritmética com tom consolador, passando a mão pela cabeça de Álgebra.

Aritmética viu um menino, chamado Polígono, que conhecia Algoritmo, passando na rua, distraído, com algumas esferas que havia encontrado no chão, e pediu-lhe que fosse chamar seu esposo na praia.

Algoritmo havia saído de casa às seis horas da manhã para ir à praia ler o livro de matemática. Ele gostava de ler sozinho, pois aprendia muito ao se concentrar nos estudos com o som do mar de fundo. Ele dizia ser isso inspirador. Outro dia, tentava demonstrar o Teorema de Pitágoras utilizando semelhança de triângulos e não estava conseguindo. Então disse a Aritmética:

– Vou à praia resolver este problema.

Depois de transcorridos cerca de três quartos de hora, ele voltou demasiadamente entusiasmado, dizendo:

– Consegui, Aritmética! Era mais trivial do que eu pensava. Aquela praia realmente me inspira.

Aritmética não tinha por aquele lugar a mesma paixão que seu marido adquirira com o passar dos anos ali. Havia outra praia adjacente à da Dezmatemática, chamada “Paraíso das Senoides”, que era o lugar que mais atraía Aritmética, pois trazia grande tradição em surf profissional. Ali já havia tido “(n - 1)” campeonatos nos “n” anos em que o casal mudou-se para aquele lugar.

– O campeonato deste ano promete ser o melhor! – falava Aritmética.

O surfista mais famoso dali possuía um apelido pequeno. Chamava-se Pi. Era muito corriqueiro entre os surfistas o uso de apelidos. A principal manobra de Pi era dar giros de 180 graus por cima das ondas e sair pela tangente. Essa manobra já lhe dera o prêmio de primeiro lugar na Copa das Equações Trigonométricas. Ali também surfavam dois irmãos de apelidos engraçados: PA e PG. PA era o mais velho e melhor surfista. Todo ano ele somava duas medalhas à sua coleção. PG era jovem, mas tinha uma incrível determinação. Seu desempenho melhorava a cada dia e sua habilidade crescia exponencialmente. No primeiro ano ele levou uma medalha nas Olimpíadas Multiplicativas de Verão; no segundo, faturou duas nas Competições Interpolares; e no terceiro ganhou quatro medalhas nos oito torneiros de que participara. Quantas seriam as medalhas do próximo ano? – é o que todos na vila se perguntavam.

– É claro que ele vai ganhar oito! – dizia Aritmética.

Algoritmo apostara duas vezes nesse garoto, que ele dizia ser um prodígio, obtendo sucesso. Na última vez, faturou uma potência de dez, bastante significativa. Na vila era grande a ansiedade pelo campeonato consecutivo.

Quando Algoritmo concluiu a leitura do capítulo inteiro do livro, que tratava de divisão euclidiana, foi se banhar no mar. Isso fazia parte da vida rotineira de Algoritmo, que era um pescador. Ele sempre começava o dia assim: lia o livro de matemática, nadava um pouco, voltava para casa e, logo em seguida, saía para pescar. Algoritmo arriscou algumas braçadas, quando de repente apareceu Polígono, chegando bem perto da água para dar o recado:

– Senhor Algoritmo! Senhor Algoritmo! Dona Aritmética me pediu para vir aqui dizer que, sua irmã, Álgebra, veio visitá-lo. Ela está à sua espera.

Algoritmo ficou muito feliz com a notícia, apesar de ter tentado não demonstrar para o menino. Agradeceu ao garoto e saiu da água, indo imediatamente para casa.

Ao chegar à entrada da vila, Algoritmo já avistara Álgebra dentro de sua casa, e ficou radiante. Entrou em casa, limpou os pés no tapete colorido de mosaicos, estendeu seu chapéu de pescador na chapeleira cilíndrica e seguiu em direção à sua irmã fingindo frieza. Os dois se cumprimentaram com um leve abraço. O disfarce de frieza de Algoritmo não funcionou. Era perceptível que ele estava repleto de felicidade por causa dessa visita inesperada. Seus olhos elípticos, castanho-claros, estavam reluzindo de tanta alegria. Raríssimas vezes aquele homem foi visto com tamanha felicidade. Eles dialogaram a tarde inteira. Afinal, tinham muito tempo sem se ver.

Álgebra contou-lhe todas as experiências que aprendera no estudo de análise. Algoritmo, com ar de “entende tudo”, só balançava a cabeça em concordância. Era uma conversa lógica e abstrata para quem tentasse participar do diálogo. Somente quando entardeceu foi que Algoritmo se deu por conta que havia esquecido seu livro na praia.

– Santo Deus! – retrucou. Esqueci meu livro de matemática na praia!

Faltavam dois terços de hora para as seis da tarde, e o sol já estava prestes a se pôr. Ele ficou muito aflito porque gostava demasiadamente daquele livro e aprendera muitos métodos matemáticos através dele.

Ele saiu às pressas para ver se ainda encontrava o livro na praia. Estava apreensivo. Já não possuía grandes esperanças de encontrar o seu precioso livro. Aritmética, ao ver a excitação de seu marido, falou de longe:

– Não vá! Alguém já deve ter encontrado! Eu te dou outro!

Todas as tentativas de convencê-lo foram em vão. Algoritmo já estava há quase cinquenta metros de distância, em velocidade crescente.

– Mas que homem teimoso! – resmungou Aritmética.

Álgebra ficou olhando a situação sem saber o que dizer. Mas o que dizer se Algoritmo já alcançava o final da rua, com velocidade análoga à de um projétil em queda livre?

Aquela praia tinha um movimento muito grande de turistas e pessoas que caminhavam à tarde para manter a boa forma. Além disso, era início da temporada de férias na região. Contudo, Algoritmo costumava ser muito decidido e não mediu esforços para ir correndo direto ao lugar em que perdera seu livro.

Ao aproximar-se do local onde estivera na praia, olhou para o lugar em que havia sentado e constatou que seu livro ainda permanecia ali, no exato local. Encontrava-se com algumas páginas abertas; sujo de areia, por causa do vento; e sujo de marcas de dedos de pessoas. Provavelmente alguém que vira o livro ali, e o examinara para constatar de que se tratava.

Algoritmo segurou seu livro, decepcionado, colocou-o debaixo do braço e seguiu seu caminho de volta para casa. Chegou desapontado, falando com aparência e voz desanimadas:

– Ninguém levou meu livro de matemática!

Publicado em 24/05/2011

Publicado em 24 de maio de 2011