Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Escola de Cristo e a escola dos homens

Ivone Boechat

Hoje fala-se na educação moderna, discutem-se leis e métodos que poderiam socorrer os “cansados e oprimidos” da escola dos homens; todavia, os especialistas da educação se esqueceram de estudar e analisar a estrutura e o funcionamento da escola que Jesus propõe à humanidade.

O Serviço de Orientação Educacional tem funcionado, na maioria das escolas, como delegacia de polícia, para onde são encaminhadas crianças com problema; depois, por falta de pedagogia, são transferidas, expulsas, discriminadas, reprovadas e registradas no rol da evasão.

Cristo fez tudo diferente

Certa vez, o Mestre estava na Galileia e as crianças como sempre o rodearam, porém, os discípulos (agentes de disciplina) ficaram preocupados e começaram e levá-las para longe. Só que foram severamente advertidos: “Deixai vir a mim as crianças” (Lc 18:16).

O conselho de classe geralmente consiste no encontro periódico do corpo docente para “avaliar” o desempenho dos alunos na aprendizagem. É um julgamento apressado. O aluno é culpado por todo tipo de fracasso. Só ele falhou, só ele mora longe, mal-educado, não se interessou e não aprendeu. Sob a batuta de “especialistas”, vem o resultado, ano após ano: reprovação em massa. O réu é condenado e, se algum professor “bonzinho” erguer sua voz em defesa, quase é massacrado:

– Assim a educação não vai pra frente!

– Você vai aprovar todo mundo?

Cristo fez diferente

Um dia, Ele estava no templo, ensinando, quando “professores, escribas e fariseus” lhe trouxeram uma aluna que havia cometido uma falta grave. Já haviam realizado o conselho de classe entre eles e resolveram reprová-la. Uns citavam artigos da Lei de Moisés (Lei de Diretrizes e Bases da Educação), outros alegavam seu comportamento, porém queriam ouvir a palavra final do Mestre. Perplexos, viram quando Ele se dirigiu não a eles, mas a ela: “Vai e não peques mais” (Jo 8:11).

Jesus criou o conselho de classe para avaliar o processo educacional, onde destaca, sobretudo, o professor. Isso ficou muito claro principalmente no dia em que se colocou no meio de seus discípulos e perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Estava criada a autoavaliação.

Nem seria preciso dizer, mas a gente diz que o sistema de recuperação que se implanta por aí não recupera. Na Escola de Cristo é diferente. O aluno Pedro estava em recuperação e o Mestre preparou um teste oral, com apenas três perguntas:

– Pedro, amas-me?

– Senhor, tu sabes que te amo.

– Pedro, amas-me?

– Senhor, tu sabes que te amo.

– Pedro, amas-me?

– Sim, Senhor, tu sabes que te amo.

Foi uma prova duríssima, mas Pedro foi aprovado e ainda levou o dever de casa: “Apascenta minhas ovelhas” (Jo 21:16). Jesus criou a recuperação para recuperar o aluno, e não a nota. O aluno recuperado recupera a nota!

Os estudantes da Escola Profissionalizante de Cristo saem habilitados como “pescadores de homens”. Líderes para atuar em todas as eras.

O problema da evasão é tratado com muita firmeza: “Qual de vós é o homem que, possuindo cem ovelhas, perdendo uma delas, não deixa noventa e nove no deserto e não vai após a perdida, até que a encontre?” (Lc 15:4). Jesus orava preocupado com a estatística de um aluno perdido na turma de 100. E nós? De cada 100 alunos matriculados na 1ª série do Ensino Fundamental, somente oito chegam ao Ensino Médio.

Ao contar a parábola dos que se perdem dentro da escola, Jesus se mostrou preocupado não só com alunos perdidos, que abandonam a escola: “varrer a casa, buscando-o até encontrá-lo” (Lc 19:5).

Quem fundou a obra educacional de recuperação dos meninos de rua foi Jesus (Mc 9:42). Ele criou também o Centro de Estudos Supletivos. Havia aulas durante todos os dias da semana: manhã, tarde e à noite. Zaqueu, chefe dos publicanos, cobrador desonesto de impostos, fez sua matrícula de cima da árvore e começou a estudar, naquele mesmo dia, em casa (Lc 19:5). Nicodemos, príncipe dos judeus, preferiu estudar à noite, levando no caderno de anotações as suas dúvidas. Após a primeira aula, levou a resposta de tudo e uma advertência: “Tu és mestre em Israel e não sabes estas coisas?”.

Na Escola de Cristo, estudavam ricos e pobres. Quando fundou a Educação Especial, após a aula, curou a todos. Não temos esse poder; todavia, temos o dever de respeitar os deficientes físicos e a obrigação constitucional de fazê-los parte integrada do sistema educacional (Mt 15:31-32). Estava criada a educação inclusiva.

E a merenda escolar? Basta ler a narração bíblica da multiplicação dos pães para responder à pergunta. Todas as vezes que o Mestre ministrava suas aulas, ele mesmo providenciava a merenda (Mt 14:17; Mt 15:36; Lc 15:32).

Jesus sempre trabalhou em equipe, não fazia o que os discípulos podiam fazer. Em Betânia, choravam pela morte de Lázaro e ele mesmo chorou quando chegou à cidade. Seguido por grande multidão (suas turmas eram enormes), foi visitar o túmulo, mas uma pedra o impedia de ver o aluno-defunto. Com seu poder, bastava ordenar e a pedra se tornaria pó. Não. Preferiu trabalhar em equipe: “Tirai a pedra” (Jo 11:39). Jesus sempre fazia a chamada. Dentro do cemitério, se não fosse feita a chamada nominal do aluno Lázaro, seria uma ressurreição em massa: quem deveria “sair para fora?” Sairiam todos!

Na prova final de Pedro, Jesus lhe deu “cola” para repor a peça. O aluno errou a última questão: cortou a orelha do centurião romano. Não foi reprovado nem ficou em recuperação. Continuou na Escola, porque o Mestre sabe que o erro é pedagógico.

Quem foi que criou módulos para o ensino a distância? E os módulos foram escritos pelos próprios alunos, Mateus, Marcos, Lucas e João, observando o universo vocabular...

O alunos da Escola de Cristo são tratados com justiça e igualdade. Judas, que tanto lhe perturbou o magistério, não foi expulso nem transferido: estudou na sua escola até o fim.

Cristo implantou a inclusão digital: “Pedro, tudo o que ligares na Terra será ligado no céu”. Providenciou a globalização do ensino: “Ide por todo o mundo”... para que os homens se religassem na Internet divina e navegassem na mídia celestial: fé@graça.comJesus

A palavra rede (web) “hoje” é ultramoderna; todavia, Jesus a usou como palavra-chave na Sua Escola e deu aula aos discípulos de web: “Lança a rede para o lado de lá”. Ou seja, para o lado do bem.

Ao criar seu Twiter, olhou para Pedro e disse-lhe: segue-me. Hoje o Mestre tem milhões de seguidores ao redor do mundo.

Extraído do livro Escola Comunitária (4ª edição).

Publicado em 12 de julho de 2011

Publicado em 05 de julho de 2011