Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Um sonho de ciências

Tatiana Serra

Quando aprender e experimentar vão além da sala de aula

Ao falarmos em educação no Brasil, certamente umas das maiores justificativas para a situação precária que nossos educadores e estudantes têm vivido são as incontáveis dificuldades encontradas para que se consiga educar e ser educado. São poucos ou quase nulos os recursos oferecidos, são péssimas as condições estruturais e baixíssima a qualificação de boa parte dos professores. Infelizmente, enumerar aqui os problemas que envolvem a educação do País é cair no lugar comum. O diferencial, portanto, pode ser o destaque de alguns exemplos da vontade de educar.

Professora Elaine e seus alunos
Professora Elaine e seus alunos

Falemos, então, da são-gonçalense Elaine Sarmento, professora que aos 31 anos leciona em 10 turmas, do 6º ano do Ensino Fundamental ao 1º ano do Ensino Médio, e sonha levar ciências a todos. Emocionando e envolvendo a quem dela se aproxima, Elaine acabou de inaugurar, no dia 9 de junho, um espaço de Ciências no Centro Educacional Fonseca Gouveia, onde trabalha, com o apoio de seus alunos, da direção do colégio e de representantes da Fundação Cecierj. “Hoje estou materializando um sonho. Venho crescendo como pessoa e profissional. Percebo que venho conquistando meus alunos, cada vez mais, como professora e amiga”. Quem esteve na inauguração do espaço pôde ver a empolgação dos estudantes quanto à realização em conjunto, já que todos contribuíram para sua construção.

A professora Elaine, que na infância pensava em ser médica ou professora, chegou a contribuir com um pequeno peixe para a quase criação de um espaço de ciências no colégio onde cursava a antiga 7ª série; mais tarde, trabalhou num laboratório como técnica em Química; e, enfim, quando decidiu ser bióloga, logo viu que não era em laboratório que trabalharia, como havia pensado no início do curso, e sim em sala de aula, como sonhara na infância.

Na faculdade, a vontade de ter um espaço de ciências foi aumentando, até que Elaine encontrou o apoio para concretizar seu sonho quando conheceu a professora Marly Veiga, que ministra as disciplinas Experimentando as Ciências I, II e III, da Fundação Cecierj, e coordena o projeto de extensão Ciência no dia a dia. “Durante um ano, desde que a conheci pelos cursos de extensão do Cecierj, fui colecionando junto com os alunos material para nosso espaço. Preparei e ensinei como conservar as peças que eles trouxeram. Ganhei muita coisa dos amigos, dos professores e da família. Mobilizei de alguma forma todos à minha volta com esse sonho, e, se o tive concretizado, agradeço ao apoio de todos”, enfatiza Elaine.

Hoje, quando se vê como educadora, ela pensa no futuro dos seus alunos e tenta passar o melhor para eles: “No dia a dia eu tento passar que é importante estudar, porque a vida não é fácil lá fora. Não adianta tratar adolescente com autoridade. Na amizade e com carinho, eu me aproximo muito mais deles e vou conhecendo cada um”.

Quanto ao espaço de ciências, Elaine esclarece que “não é apenas para exposição, como pode parecer. Ele se destina ao desenvolvimento de aulas, como já está acontecendo. O aluno aprende a teoria visualizando a prática, tendo a oportunidade de pensar em tudo que aprende. É uma imensa alegria ver a satisfação deles em ter este espaço, e eu me sinto muito feliz em proporcionar a eles o que não tive na fase escolar. É o começo da minha realização profissional”.

Além dos alunos, da direção do colégio e dos professores, estiveram presentes na inauguração do espaço de ciências o professor Esteban Moreno, coordenador da área de Ciências & Educação da Fundação Cecierj, a professora Marly Veiga e representantes da Secretaria de Educação de São Gonçalo e do Conselho Regional de Biologia.

Encantada com o espaço de ciências que leva o seu nome, Marly Veiga fala sobre a realização de Elaine, enquanto seus olhos de professora brilham diante de tantas possibilidades: “a Elaine começou a frequentar as aulas do curso de extensão e a gostar do que via – uma sala toda equipada, estruturada... E uma sala de ciências é um encantamento para os olhos. Em cada curso que ela fazia (Experimentando as Ciências I, II e III) foi vendo que uma aula experimental de ciências motiva os alunos a gostar e a entender ciências. Foi aí que ela resolveu modificar a maneira de dar aula e montar um espaço. Hoje ela dá aulas experimentais utilizando materiais simples, os quais aprendeu a confeccionar nos cursos. E, daqui a pouco, a sala que hoje está sendo inaugurada já não será suficiente, porque os alunos da Elaine têm participado muito e criado com ela objetos de aprendizagem”.

Quanto à alegria de constatar o que sua motivação vem realizando nos educadores, a professora Marly comenta: “tenho 50 anos só de sala de aula e, desde 1966, dou aula também para professores. Até hoje eu adoro o que faço, me envolvo rapidamente quando vejo um espaço como esse, que representa o que é Ciência, uma fonte permanente de inspiração”.

Inspirada por tanto aprendizado, Elaine sonha mais. Ela pretende levar esse projeto (de um espaço de ciências) e o Ciência no dia a dia (coordenado pela professora Marly) para outras escolas. “Desejo que outros professores e alunos possam desfrutar de materiais que auxiliem suas aulas. Mesmo que não seja possível ter um espaço em suas escolas, esses materiais poderão ser emprestados ou comprados por preços que sejam acessíveis aos professores e às escolas”, diz ela.

E, seguindo sempre a vontade de levar ciências a todos, Elaine também pretende criar um polo de ciências em São Gonçalo. “Esse polo visaria atender aos professores na capacitação profissional, por meio de aulas e trocas de experiências. Em geral, a capacitação profissional é um objetivo do professor, mas a distância para determinados locais é um dos maiores vilões; eu mesma passei por isso. Ter esse espaço em São Gonçalo é proporcionar a oportunidade para os profissionais da região que têm esse objetivo”, afirma ela. E alguém duvida de que ela conseguirá?

Boa sorte à Elaine e a todos que queiram realizar “um sonho de ciências”.

Para os interessados nos cursos Experimentando as Ciências I e III ou em outros cursos semipresenciais e gratuitos de qualificação, atualização e aperfeiçoamento da Fundação Cecierj, as inscrições para o processo seletivo do 2º semestre estão abertas até o dia 18 de julho de 2011.

Clique aqui e inscreva-se.

12/07/2011

Publicado em 05 de julho de 2011