Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Ciência no dia a dia Muito mais que um projeto

Tatiana Serra

Saber por que o pôr do sol é avermelhado, por que as folhas de uma amendoeira caem em determinada época do ano e obter tantas outras respostas para o que acontece conosco e ao nosso redor... Tudo isso envolve as ciências e um enorme prazer de viver. É o que afirma, num misto de razão e emoção, Marly Veiga, professora há mais de 50 anos, que hoje ministra as disciplinas Experimentando as Ciências I, II e III, da Fundação Cecierj, e coordena o projeto de extensão Ciência no dia a dia.

O ensino de Ciências tem ligação direta com a formação do ser humano, do cidadão, indo além da sala de aula. Segundo Marly, o objetivo desse ensino é “proporcionar condições para que os alunos sejam capazes de identificar e solucionar problemas a partir da observação dos fatos, elaborando hipóteses, submetendo a testes, refutando-as e abandonando-as quando for o caso, adquirindo a capacidade de criticar a realidade e interagir com o mundo natural e social no qual está inserido”.

Sim, a formação de um cidadão vai além da sala de aula, mas certamente o ambiente escolar pode ser o ponto de partida. A filosofia de Marly é estimular o professor a pensar e a fazer seus alunos pensarem; para isso, as aulas práticas podem ser o meio, e não o fim. Foi pensando em melhorar a qualidade do ensino de Ciências que surgiu, há 40 anos, o Ciência no dia a dia, projeto sem fins lucrativos que vem elaborando material didático seguro, de baixo custo e fácil utilização nas áreas de Biologia, Física e Química para todos os professores e instituições de ensino.

Trabalhando numa linha experimental, esse projeto foi desenvolvido no Departamento de Ensino de Ciências e Biologia do Instituto de Biologia Roberto Alcântara Gomes, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (DECB/IBRAG/UERJ). Mas a produção do material didático se reporta a 1968, quando foi inaugurado o Centro de Treinamento para Professores de Ciências do Estado da Guanabara (CECIGUA), que deu origem à Fundação Cecierj. Nessa época, o ensino de Ciências já era considerado uma das ferramentas para levar a escola a pensar e repensar seus métodos e práticas pedagógicas.

A ideia do Ciência no dia a dia é possibilitar que o professor transforme a sala de aula em um “laboratório” com o auxílio de experimentos, sem vínculo com uma única metodologia, podendo ser utilizados da forma que o professor achar melhor e de acordo com as necessidades de cada turma. “Esses materiais são ferramentas para que os professores criem as aulas. Cada kit é testado, experimentado, atualizado se necessário, e isso tudo está sempre em movimento”, afirma Marly, lembrando que hoje existem cerca de 50 kits.

A professora ressalta ainda que o material didático por si só não garante o sucesso do trabalho pedagógico. Para que os educadores estejam motivados e bem preparados, as atividades do projeto incluem a realização de oficinas, nas quais são propostas discussões sobre os conteúdos, por meio de uma metodologia participativa, que busca situar o ensino de Ciências num contexto sociocultural, a partir de uma visão interdisciplinar.

Você pode obter mais informações sobre o projeto Ciência no dia a dia e/ou adquirir seus kits de material didático, entrando em contato com Pedro Queiroz ou Nathalia Gomes pelo telefone (21)2334-0644 ou pelo e-mail cienciasuerj@gmail.com.

Para saber informações sobre os cursos Experimentando as Ciências I e III, ministrados pela professora Marly Veiga, e sobre outros cursos semipresenciais e gratuitos de qualificação, atualização e aperfeiçoamento da Fundação Cecierj, clique aqui.

16/08/2011

Publicado em 16 de agosto de 2011