Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Reflexões sobre a qualidade da Educação em todos os âmbitos da escola

Juliana Carvalho

Professora e redatora

Atingir a qualidade de ensino com a aplicação de novas técnicas e experimentando métodos tradicionais ou inovadores não é tarefa exclusiva dos professores. Iniciativas que possibilitem a aplicação prática devem existir em todos os níveis de ensino que compõem a escola.

Professores

Os professores são os que colocarão em prática qualquer iniciativa docente que tenham considerado importante no meio acadêmico, ao menos por norma geral. Por esse motivo, o professorado é a parte mais importante de todas as que integram a rede educativa. Ele deve ter liberdade suficiente para propor e poder levar à prática aquelas ideias que podem melhorar a qualidade da aprendizagem. Porém, de forma nenhuma pode recair sobre eles toda a responsabilidade quanto à aplicação de inovações.

Um professor que atue unicamente mediante sua própria iniciativa, aplicando metodologias diferentes das do restante de seus companheiros, não pode gerar mais que desigualdades e injustiças dentro de seu próprio instituto. Isso será assim porque seus alunos seguirão um sistema educativo radicalmente diferente do seguido pelos alunos de classes similares e porque isso provocará que suas classes tenham dinâmicas e sistemas de avaliação diferentes, de forma que podem produzir conflitos: tanto com os outros professores como com os alunos do mesmo nível, porém de classes diferentes. Além disso, para uma Escola, entendida como um conjunto, não faz sentido seguir uma linha pedagógica por parte de determinados professores e outra por parte dos demais. Não há como falar de qualidade educativa em uma situação similar.

O professorado deve atuar sempre em consonância com seu próprio departamento e apoiado pelas diretrizes pedagógicas da direção da escola.

Coordenações

As coordenações devem ser o motor da atividade docente na educação secundária. A elas corresponde estabelecer as linhas concretas de atuação na tarefa educativa. Para que o ensino siga linhas coerentes, é necessário que os professores sigam diretrizes gerais que evitem poder dizer que os alunos da classe x são privilegiados porque têm o professor y, que faz sua matéria muito tranquila, enquanto os de outra classe vivem aborrecidos porque o professor z não faz outra coisa além de passar ditados.

E não me estou me referindo às diferenças próprias que existem entre distintos professores (que são totalmente normais) e sim ao uso de metodologias radicalmente díspares entre uns e outros. Isso pode ser mais frequente do que se imagina, porém uma escola com inquietudes em relação à qualidade educativa deve saber promover a atuação coerente dentro dos departamentos de forma que as diretrizes sejam aplicáveis a todos os professores e possam ser seguidas metodologias similares que não criem desigualdades e injustiças entre os alunos.

Portanto, é fundamental que os coordenadores, junto com o restante da equipe, sejam pessoas capazes de unificar e planificar os procedimentos, assim como as ferramentas que serão utilizadas. Além disso, a coordenação é o local onde devem surgir as novidades educativas, a investigação e a consolidação de métodos. É responsabilidade também da coordenação saber estimular seus professores a praticar trabalho em equipe, deixando de lado o tradicional isolamento que muitas vezes assola os docentes de nossos colégios e institutos. A coordenação também tem que ser extremamente sensível às inovações que surgem por parte dos professores mais motivados, devendo saber canalizar essas inquietudes em benefício da aprendizagem de todos os alunos, e não só de alguns que obtêm alguma regalia particular por ter um professor mais empenhado do que os outros.

Direção

A equipe de direção de uma escola determina aquilo que se poderá levar à prática em matéria de ensino e aprendizagem. Ela é a responsável direta pela qualidade ou a falta dela em um instituto ou colégio. A direção deve ter como prioridade absoluta conseguir que a qualidade do ensino esteja sempre na fase de revisão e aperfeiçoamento. Uma equipe de direção que não se ocupa de forma explícita da excelência do que se ensina em seu colégio está fadada, a longo ou médio prazo, a desaparecer. Somente mediante um enorme esforço por parte do professorado esse tipo de instituto pode ir adiante, apesar de seus dirigentes.

Muitas vezes a direção da escola tem como prioridades temas como o número insuficiente de alunos, o estado das instalações, os gastos e um longo et cetera adicional. Esses problemas, e muitos outros que surgem sempre, podem fazer com que a direção acabe "esquecendo" as verdadeiras razões de ser de sua instituição e termine transformada em uma gestora apenas de recursos materiais e humanos ou, o que é pior, um bombeiro que deve estar sempre disposto a “apagar o fogo” que se produz no dia a dia. Assim, sendo todos esses problemas reais e verdade que a direção deverá ocupar a maior parte de seu tempo com tarefas bastante distantes da docência, não é menos certo dizer que é sua responsabilidade irrenunciável estabelecer os mecanismos para incrementar a qualidade docente e nunca deixar de lado os aspectos puramente educativos. Ela também deve saber o que está se passando em cada departamento e que metodologias estão sendo utilizadas em cada nível. Não só deve conhecer esse tipo de coisas como deve fomentar e tutelar de forma ativa o bom funcionamento dos departamentos, com tudo o que isso implica: inovação, uso de metodologias apropriadas, experimentação de recursos novos, unidade das equipes docentes ou avaliação da atividade do professor.

A gestão tem que ser receptiva às propostas e inquietudes transmitidas por meio dos departamentos ou diretamente por parte dos professores. Deve ter especial atenção a tudo aquilo que signifique incremento potencial na melhora educativa.

Se fizermos da qualidade educativa o eixo pelo qual se organiza toda a atividade da escola, atingiremos de forma positiva todos os aspectos relacionados com a vida diária da escola. A consequência de uma autêntica qualidade se irradia a todos os demais aspectos educativos, e assim será necessário “apagar menos fogos” em determinados aspectos, coisa que, de outro modo, é preciso abordar de forma independente e desconexa, provocando o cansaço e o contínuo "não chegar" a tudo o que exige o dia a dia.

Execução de inovações pedagógicas

Qualquer atividade que se desenvolva envolve, ou deveria envolver, não só o professor, mas também a direção e a coordenação.

O esquema geral poderia ser o seguinte:

Coletivamente

  • Detecção e análise de necessidades
  • Planejamento

Por parte dos professores e departamentos:

  • Receber opiniões sobre as necessidades que motivaram o projeto
  • Aporte de ideias sobre o modo de levá-lo a cabo e prioridades do projeto
  • Determinação dos objetivos

Por parte dos diretores e/ou departamentos:

  • Distribuição de recursos
  • Distribuição de tempos
  • Determinação de responsáveis
  • Execução
  • Avaliação

Publicado em 28 de junho de 2011

Publicado em 15 de fevereiro de 2011