Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Tempo bom para o conto brasileiro

Alexandre Rodrigues Alves

São tantas as catástrofes naturais ocorridas nos últimos tempos (tsunamis, temporais, vendavais, tornados, enchentes, inundações e a recente devastação na região serrana fluminense) que essas ocorrências pouco tempo depois caem no esquecimento – claro que não para aqueles que sofreram as consequências, como desalojados, desabrigados, desempregados, despossuídos.

Em agosto de 2010 houve um forte temporal que atingiu várias cidades de Pernambuco e Alagoas. Para além das ações solidárias imediatistas, a editora Iluminuras publicou Tempo bom, (com vírgula e tudo), que tem toda a renda revertida para ações de recuperação das cidades afetadas.

O livro traz contos de 21 escritores brasileiros contemporâneos que de alguma maneira se vinculam ao Nordeste, mas não se limita a reunir autores de um mesmo grupo ou textos que abordem o mesmo assunto – esses escritores têm em comum o propósito, não o assunto ou a forma.

A vírgula ao final do título, que perpassa todas as páginas, já sugere a continuidade da vida na região, a perpetuação do escrever, a despeito dos sofrimentos e dificuldades enfrentados. Na apresentação da antologia, Sidney Rocha conta um pouco do processo de montagem do livro, da pressa em preparar o trabalho, sem condições de pagar a ninguém ou a nenhuma empresa por qualquer serviço para colocar o volume nas livrarias. Como ele escreve, “é um livro sobre a gratuidade”, sem perder de vista o valor literário dos textos que estão ali publicados. São contos de mistério, de lembranças, irreais (o que é mais irreal do que uma enchente?) e psicológicos, de humor e de amor, urbanos e rurais, curtos e extensos (sem que se tornem enfadonhos por isso), gentis e violentos, históricos, mitológicos e contemporâneos.

Sidney (junto com Cristhiano Aguiar) conseguiu seu objetivo. Tratando de assuntos os mais diferentes possíveis, mergulhados nos estilos mais variados, os autores (jornalistas, editores, publicitários, muitos deles premiados, todos eles com livros publicados) conseguem cumprir a proposta de diversidade com alta qualidade. Tenho a satisfação de dizer que – coisa rara nessas reuniões de obras literárias – li todos os contos com muita satisfação; não tive em qualquer momento aquela vontade de pular páginas ou parágrafos. Claro que alguns contos se sobressaíam aos meus olhos, mas nada que diminuísse o deleite ao ler os outros.

Como uma boa antologia, o volume reúne escritores para os quais não daríamos atenção isoladamente nem teríamos interesse em comprar seu livro. Assim, descobrimos o prazer – e temos o prazer de descobrir – o texto de Alberto Mussa, Felipe Arruda, Lima Trindade, Marcelo Pereira, Nelson de Oliveira, Nivaldo Tenório, Rinaldo de Fernandes e Xico Sá, entre outros.

Da trilogia de Homero à mistura de personagens dos livros supostamente infantis, passando por Monteiro Lobato, são contos que mostram que a vida continua, se renova sempre, mesmo nas condições mais adversas – e que nesses momentos a arte é uma ótima referência para mostrar novos caminhos.

Como resume Cristhiano Aguiar, “contar boas histórias significa retomar aquilo de há de mais caro para a nossa vida: o sentido do mundo e a dignidade que cada pessoa merece desfrutar dentro dele”.

Ficha técnica do livro:

  • Título: Tempo bom
  • Autores: vários (Sidney Rocha e Cristhiano Aguiar, organizadores)
  • Gênero: contos da literatura brasileira
  • Produção: Editora Iluminuras

Publicado em 15/02/2011

Publicado em 15 de fevereiro de 2011