Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Escolas da violência

Lúcio Alves de Barros

Doutor em Ciências Humanas (UFMG); professor da Faculdade de Educação (UEMG)

É chegar o final do ano e do segundo semestre escolar que se inicia o ciclo da violência contra os professores. O problema é sério e nada é feito nos campos pedagógico e administrativo. A Constituição de 1988 tratou de deixar clara a importância da gestão democrática. O mesmo fez a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), de 1996. Essa democracia de tolos, entretanto, continua uma falácia, pois na maioria das escolas inexiste um plano pedagógico de respeito, conselhos de classe, participação e muito menos a observância da comunidade – que, sejamos francos, não está nem aí para os rumos da educação.

Os casos de violência, um fenômeno nada novo e que na verdade já foi banalizado, têm o que revelar nesse contexto. Já não existe o escândalo e a vergonha social em relação aos professores que estão levando socos e chutes pelo corpo afora. Parece aceitável alunos e alunas sabotando professores em sala de aula, nos corredores, na rua ou em redes sociais. O mesmo pode-se dizer de telefonemas anônimos, vinganças e ameaças. Na escola, e nela a educação para a violência, nada é latente. Tornou-se manifesto estudantes colocando em xeque a autoridade e a disciplina escolar. Professores já estão lutando contra o medo com o uso de ansiolíticos e a possibilidade de vitimização. Diante do poderoso estudante, uma das saídas tem sido o lugar escuro do da covardia. Sem forças físicas e emocionais, os docentes deixam as coisas como estão. Esperam que o aluno passe para outra série ou que mude de escola. O medo é um poderoso mecanismo de paralisação das atividades físicas e mentais. Não há economia psíquica que resista.

Estou para ver conselhos, comunidades, pais e professores discutindo a violência dos estudantes e entre os estudantes em sala de aula. A ideia de uma gestão democrática, normativamente delineada na Constituição e na LDB, é uma mentira de mau gosto. E vamos à veracidade dos fatos. Poucos são os pais preocupados com os filhos, principalmente nas escolas públicas, que se tornaram creches para marmanjos e locais de “educação integral” para evitar que a criança e o adolescente fiquem em casa ou na rua em contato com possíveis marginais.

Outrora a escola servia para formar gente que pensa e a palavra do professor era lei. Contava-se com o apoio dos responsáveis em relação a determinados limites e atitudes que fazem parte do adolescer e da juventude repleta de hormônios. Atualmente, os pais são – no mínimo – coniventes com a conjuntura hodierna. Em relação à comunidade e à denominada “comunidade escolar”, a verdade também é clara: ela não participa das decisões e da solução dos problemas da escola. Na realidade, nem se sabe o que é uma comunidade. As famílias estão preocupadas é com o famigerado consumo, o que vale é a roupa da moda, o último computador, a banda larga, o celular que serve para tudo e qual será a novidade que o mercado vai soltar no mês que se aproxima. A educação já não faz parte das noites tranquilas da primavera e do verão. O livro virou peça de museu e a sociabilidade do lar é pouca ou chata para o mundo tirânico da juventude hedonista e sem freios.

Longe dos limites da família, distantes e recalcitrantes dos limites na escola, é claro que se pode esperar conflito e violência de toda ordem. E esta violência não é gratuita; é uma linguagem, não nasce do nada, ela quer dizer alguma coisa. Ainda não sabemos o que, mas é certo que a ideia de uma escola democrática não caminha de mãos atadas com a violência. Para a democracia, é inquestionável a negociação. Relações violentas são paradoxais em gestões democráticas. Logo, ela inexiste sem o professor e o apoio dos pais. Escolas são sagradas, são lugares de conhecimento e de relações sociais seguras. Os casos de agressões em fim de semestre, entretanto, revelam o contrário. A educação tornou-se campo minado e conflituoso; transformou-se em um acerto tácito de contas que se alimenta de uma pedagogia para a violência e, tal como a polícia, docentes, alunos e pais procuram um inimigo. Um inimigo que está encarcerado em salas lotadas e distante da tal “comunidade”. Somam-se a essa conjuntura as péssimas condições de trabalho, a precariedade da profissão docente, o despreparo dos alunos no que toca aos requisitos mínimos de civilização, os baixos e vergonhosos salários e o desrespeito governamental em relação ao trabalho docente e ao local onde se desenvolve esse trabalho. É impossível acreditar em mudanças significativas em curto ou médio prazo; até lá, resta aos professores a “cultura escolar do medo”, da suspeição e da incerteza diária de relações que, devido a uma péssima nota, podem sair do controle.

Publicado em 16 de outubro de 2012

Publicado em 16 de outubro de 2012

Este artigo ainda não recebeu nenhum comentário

Deixe seu comentário

Este artigo e os seus comentários não refletem necessariamente a opinião da revista Educação Pública ou da Fundação Cecierj.