Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Folclore Brasileiro Ilustrado - Mitos e Lendas do Brasil

Tatiana Serra

Mitologia popular

Imagem da página inicial do site
http://sitededicas.ne10.uol.com.br/cfolc.htm

Você já acessou o espaço virtual do portal Uol dedicado ao nosso folclore? É o Folclore Brasileiro Ilustrado, que traz mitos e lendas do Brasil. Se você quer relembrar ou conhecer as histórias dos principais personagens da mitologia folclórica brasileira, essa é uma boa opção.

Por exemplo, você sabia que a Cuca, em Portugal, se chama Coca e tem a forma de um dragão? Que o Saci-Pererê, cuja lenda é uma das mais conhecidas, se transforma em redemoinho? Quem já assistiu ao Sitio do Picapau Amarelo sabe disso. Mas o que muitos provavelmente não lembram é que ele também se transforma numa ave chamada Mati-taperê, ou Sem-fim ou Peitica, como é conhecida no Nordeste; e muito menos devem saber que esse pássaro é o mesmo que deu origem ao mito da Matinta-Pereira.

Nessa página você também encontra as histórias da Mulher da Meia-Noite, do Barba Ruiva, do Cabeça Satânica, do Zumbi, do Mapinguari e do Chibamba, um mito africano pouco conhecido no Brasil, entre outros.

As lendas estão classificadas por região de origem e, para cada personagem, há um quadro com informações adicionais sobre sua origem, variações de nomes e documentário. Um recurso bastante interessante nesse site é que as lendas inadequadas para crianças estão sinalizadas com uma mensagem de alerta.

Também é possível pesquisar os contos por meio do Mapa dos Mitos Regionais Brasileiros. Trata-se de um resumo dos principais mitos folclóricos brasileiros, classificados por estado. Cada estado é focado historicamente, desde sua origem, assim como a dos seus mitos. A história de Minas Gerais, por exemplo, traz curiosidades sobre a região, além de informações sobre as origens de seus mitos.

O site disponibiliza as referências bibliográficas utilizadas em sua pesquisa e ressalta que foram utilizadas diversas fontes de informação. Isso porque os responsáveis pela página acreditam que diferentes pontos de vista tendem a se complementar, enriquecendo o conteúdo.

Diante dos diferentes conteúdos das mais variadas lendas, certamente a aula se torna muito interativa e rica de informações – especialmente se houver o incentivo à busca de informações junto a familiares dos alunos.

Publicado em 16 de outubro de 2012

Publicado em 16 de outubro de 2012

Este artigo ainda não recebeu nenhum comentário

Deixe seu comentário

Este artigo e os seus comentários não refletem necessariamente a opinião da revista Educação Pública ou da Fundação Cecierj.