Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

A Matemática que dá samba (e rock, e MPB etc.)

Alexandre Amorim

Se você odeia matemática, faz parte de uma maioria que vê essa ciência como um monstro pronto a devorar todos os seus neurônios e ainda rir da sua ignorância. Mas, justamente por essa visão assustadora ser tão comum, pode acreditar que não gostar de Matemática é sinônimo de ter medo dela. Como é uma ciência ensinada de modo abstrato, é difícil entender como encaixar a matemática na nossa vida – e esse estranhamento acaba por dificultar seu entendimento, o que nos leva a ter raiva e, por fim, desistir dela.

O professor doutor Carlos Motta é um apaixonado por Matemática e música, e aproveitou essa paixão para desenvolver um método que pode nos tirar o medo e nos aproximar desse monstro, transformando a Matemática numa companheira. Utilizando o ritmo da música, ele mostra como a Matemática está inserida na nossa vida e acaba por ser um “constructo humano” – uma parte de nós que nos associa ao espaço em que vivemos.

Pelo ritmo, Motta utiliza a relação entre Matemática e espaço para ensinar a deficientes visuais os conceitos básicos de Geometria, por exemplo. Como alguém privado de visão poderia ter a noção do que é um triângulo e de como ele é formado? É apenas um exemplo de como trazer de volta à ciência para o campo em que ela sempre deve estar: o humano.

Para perder de vez o medo e aceitar a Matemática como uma aliada e amiga, veja o vídeo!

Matemática Humanista: Carlos Eduardo Mathias Motta at TEDxUFF

http://www.youtube.com/watch?v=JyO9YRFSSkE&sns=em

Publicado em 13 de novembro de 2012.

Publicado em 13 de novembro de 2012

Este artigo ainda não recebeu nenhum comentário

Deixe seu comentário

Este artigo e os seus comentários não refletem necessariamente a opinião da revista Educação Pública ou da Fundação Cecierj.