Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

O livro didático adotado pelo MEC: um olhar sob a ótica da Linguística

Silvio Profirio da Silva

Graduando em Letras pela UFRPE

Segundo Suassuna et alii (2006, p. 227), “por um longo tempo, o ensino de Português centrou-se nas regras gramaticais que normatizam a variedade linguística padrão, apresentadas nas gramáticas tradicionais, como modelo do bom uso da língua”. Nessa perspectiva, o ensino de Língua Portuguesa no Brasil centrou-se em uma abordagem puramente normativa, que extinguia as variantes linguísticas informais da prática docente. Contudo, na década de 1980, eclodiu uma intensa divulgação de estudos da Linguística (estudos do Funcionalismo, da Linguística Textual, da Análise do Discurso, da Pragmática e da Sociolinguística). É nesse cenário que a língua passa a ser concebida como recurso de interação social (atividade social), o que ocasionou diversas alterações na metodologia de ensino, na estrutura e na organização dos livros didáticos.

Um exemplo que pode ilustrar esse fato é o livro didático adotado pelo MEC, Por uma vida melhor, da coleção Viver, aprender. Recentemente esse livro recebeu inúmeras críticas de diversos setores da sociedade, sob a acusação de levar o erro para os bancos escolares. As críticas devem-se ao fato de as autoras abordarem um fenômeno linguístico de que todas as pessoas fazem uso: a variação linguística. Em outras palavras, o fato de adequar a fala ao momento comunicativo (situação comunicativa). Por exemplo, a linguagem que utilizamos em momentos informais (conversas com parentes, vizinhos, amigos etc.) não é a mesma que utilizamos em momentos que requerem usos formais da língua (apresentação, entrevista de emprego etc.) (ALKMIM, 2003). Em geral, os momentos informais permitem construções que fogem à gramática normativa. São exemplos desse fenômeno: “tá” (em detrimento do está), “pra” (em detrimento do para) etc.

Todos esses fenômenos surgem da informalidade do momento comunicativo, o que contribui para que o falante opte por uma determinada construção linguística durante o ato verbal. Essa temática seria o que a Sociolinguística (subárea da Linguística que trata da diversidade linguística, isto é, do caráter variável da língua) conceitua como “variação situacional” (ou variação de estilística ou de registro), por meio da qual o falante usa a língua de acordo com o ouvinte ou com o momento comunicativo (ALKMIM, 2003). Essas são as certas ocasiões a que as autoras fazem alusão no livro didático em questão. Durante décadas, esses fenômenos linguísticos não obtiveram explicações. Por esse motivo, eram caracterizados como erros (e ainda o são por muitos que compartilham uma concepção de ensino de língua puramente normativo).

Nesse sentido, esse livro didático não faz apologia ao erro, mas destaca a plasticidade da língua e a necessidade de o falante dominar suas variantes, usando-as de acordo com sua escolha e com o momento comunicativo. De acordo com Santos (2002, p. 30), “nos últimos 30 anos, surgiu uma ampla literatura na qual se discutiu o modo como vinha se processando o ensino de língua materna no Brasil”. Esses estudos ocasionaram uma substancial mudança nos parâmetros norteadores do ensino de Língua Portuguesa e, por conseguinte, mudanças na metodologia e no objeto de ensino dessa disciplina. Surgiu, assim, o propósito de formar um falante competente, ou seja, um falante que esteja apto a utilizar a língua de forma heterogênea. Por essa razão, as autoras abordam esses usos linguísticos no livro didático em tela.

Referências

ALKMIM, Tânia Maria. Sociolinguística. In: MUSSALIN, Fernanda; BENTES, Ana C. (orgs.). Introdução à Linguística. Domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, 2003.

CARDOSO, Sílvia H. B. Discurso e ensino. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

SANTOS, Carmi Ferraz. A formação em serviço do professor e as mudanças no ensino de Língua Portuguesa. ETD – Educação Temática Digital, Campinas, v. 3, nº 2, p. 27-37, jun. 2002.

SUASSUNA, Lívia; MELO, Iran Ferreira; COELHO, Wanderley Elias. Projeto didático como espaço de articulação entre leitura, literatura, produção de texto e estudo gramatical. In: BUNZEN, Clécio; MENDONÇA, Márcia (Org.). Formação do professor de Ensino Médio: desafios e perspectivas para o ensino de língua materna. São Paulo: Parábola, 2006.

TRAVAGLIA, Luiz C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1º e 2º Graus. São Paulo: Cortez, 1997.

Publicado em 13 de novembro de 2012.

Publicado em 13 de novembro de 2012

Este artigo ainda não recebeu nenhum comentário

Deixe seu comentário

Este artigo e os seus comentários não refletem necessariamente a opinião da revista Educação Pública ou da Fundação Cecierj.