Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Olhando para o aluno idoso

Alexandre Rodrigues Alves

Cada vez mais se fala em educação continuada e em motivação do idoso, em cursos e atividades para a terceira idade, em novos projetos para educação de jovens e adultos (incluindo os bem adultos...). Uma das boas iniciativas para isso, além da instalação de aparelhos de exercícios físicos nas praças públicas em várias cidades, é da UERJ, ao criar a UnATI – Universidade Aberta da Terceira Idade, que oferece para essa população cursos e atividades na área de artes, música e informática, entre outros, além de possibilitar o acesso de seus alunos às dependências da universidade.

Da mesma forma, o livro A psicomotricidade e o idoso pode ajudar bastante a entender as expectativas e o modo de vida desse público, especialmente no que diz respeito ao trabalho psicomotor como fator de contribuição para melhorar sua saúde e suas condições de vida.

Quem trabalha com alunos mais velhos (eu tenho alguns que já passaram dos 50 há algum tempo; são avós que sustentam a casa, que faltam às aulas para cuidar dos netos etc.) sabe que eles, apesar de terem alguma dificuldade de aprendizagem e conversarem um bocado, são o ponto de equilíbrio da turma, pois se empenham, prestam atenção e exigem que os colegas mais novos se comportem em sala.

Certamente a educação é um elemento que ajuda muito os idosos – especialmente em grupo – a se manter independentes, conservando suas atividades sociais e suas expectativas de vida. E isso vale também para o uso de seu corpo da melhor maneira possível, inclusive realizando exercícios pautados na psicomotricidade, de modo que, como afirma Rosita Carvalho, no prefácio, sejam reconhecidas “as limitações que a idade impõe”, mas que os idosos não podem se acomodar a elas.

Para dar consistência a suas propostas e ideias, Fátima Alves utiliza nesta obra sua experiência como psicomotricista e traz significativas contribuições de filósofos, historiadores, antropólogos e sociólogos para falar da terceira idade e respaldar suas propostas quanto a aspectos como memória, conflitos, linguagem corporal e atividades para essas pessoas.

Por sua linguagem clara e objetiva, pelos exemplos apresentados e pelas propostas de práticas sugeridas, esta obra pode ser bastante útil para os profissionais que trabalham com esse público – e especialmente para professores de qualquer disciplina (mas especialmente em Educação Física). Dando atenção a esses aspectos, certamente as aulas serão bem mais atraentes para esse grupo – que vem crescendo numericamente em nosso país (e, ao mesmo tempo, nas salas de aula).

Mais informações: http://www.wakeditora.com.br/mostrar_livro/mostrar_livro.php?livro=5998

Ficha técnica do livro:

  • Título: A psicomotricidade e o idoso
  • Autor: Fátima Alves
  • Gênero: Paradidático
  • Produção: Wak Editora

Publicado em 14/05/2013

Publicado em 14 de maio de 2013