Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Os hinos são tão bonitos, mas são tão difíceis...

Alexandre Amorim

Maracanã lotado, jogo amistoso da seleção brasileira. O povo faz questão de se levantar, colocar a mão no coração e tentar cantar o Hino Nacional inteiro, mesmo que não entenda várias palavras da letra, muito menos as construções frasais.

Aqui vai uma tentativa de simplificar as letras de três hinos, para que a gente saiba o que está cantando...

Hino Nacional Brasileiro

Letra: Joaquim Osório Duque Estrada
Música: Francisco Manoel da Silva

I
Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
De um povo heróico o brado retumbante,
E o sol da liberdade, em raios fúlgidos,
Brilhou no céu da pátria nesse instante.
Se o penhor dessa igualdade
Conseguimos conquistar com braço forte,
Em teu seio, ó liberdade,
Desafia o nosso peito a própria morte!
Ó pátria amada,
Idolatrada,
Salve! Salve!
Brasil, um sonho intenso, um raio vívido
De amor e de esperança à terra desce,
Se em teu formoso céu, risonho e límpido,
A imagem do cruzeiro resplandece.
Gigante pela própria natureza,
És belo, és forte, impávido colosso,
E o teu futuro espelha essa grandeza.

Terra adorada,
Entre outras mil,
És tu, Brasil,
Ó pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada,
Brasil!

I
As margens plácidas do rio Ipiranga ouviram
o berro estrondoso de um povo heroico.
E, nesse instante, o sol da liberdade
Brilhou no céu da pátria em raios luminosos.

Se conseguimos conquistar com braço forte
a garantia dessa igualdade,
O nosso peito desafia a própria morte
por você, ó liberdade!

Salve, salve, Pátria Amada
Idolatrada!

Brasil,
um sonho intenso, um raio brilhante,
de amor e de esperança desce à terra.
se a imagem da constelação
do Cruzeiro do Sul resplandece
em seu céu belo, risonho e claro.

Você é gigante pela própria natureza,
É belo, forte, gigante de coragem.
E o seu futuro espelha essa grandeza.

Você é a terra adorada entre outras mil, Brasil,
Pátria amada.
Você é a mãe gentil dos filhos deste solo.
Pátria amada, Brasil

II
Deitado eternamente em berço esplêndido,
Ao som do mar e à luz do céu profundo,
Fulguras, ó Brasil, florão da América,
Iluminado ao sol do novo mundo!
Do que a terra mais garrida
Teus risonhos, lindos campos têm mais flores;
"Nossos bosques têm mais vida",
"Nossa vida" no teu seio "mais amores".
Ó pátria amada,
Idolatrada,
Salve! Salve!
Brasil, de amor eterno seja símbolo
O lábaro que ostentas estrelado,
E diga o verde-louro dessa flâmula
- Paz no futuro e glória no passado.
Mas, se ergues da justiça a clava forte,
Verás que um filho teu não foge à luta,
Nem teme, quem te adora, a própria morte.

Terra adorada
Entre outras mil,
És tu, Brasil,
Ó pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada,
Brasil!

II
Deitado eternamente em berço esplêndido
Ao som do mar e sob a luz do céu profundo,
Brasil, preciosidade da América,
você brilha intensamente,
Iluminado ao sol do mundo novo.
Seus campos risonhos e lindos têm mais flores
do que a terra mais enfeitada,
Nossos bosques têm mais vida,
nossa vida têm mais amores por sua causa.

Salve, salve, Pátria Amada
Idolatrada!

Brasil,
Que a bandeira estrelada que você exibe
seja símbolo de amor eterno
E que a cor verde-louro dessa bandeira signifique
Paz no futuro e glória no passado
Mas, se você ergue a arma forte da justiça,
Vai ver que um filho seu não foge da luta
E que quem te adora não teme a própria morte.

Você é a terra adorada entre outras mil, Brasil,
Pátria amada.
Você é a mãe gentil dos filhos deste solo.
Pátria amada, Brasil

Hino da Independência

Letra: Evaristo da Veiga
Música: Dom Pedro I

Já podeis, da Pátria filhos,
Ver contente a mãe gentil;
Já raiou a liberdade
No horizonte do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá... temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

Os grilhões que nos forjava
Da perfídia astuto ardil...
Houve mão mais poderosa:
Zombou deles o Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá... temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

Não temais ímpias falanges,
Que apresentam face hostil;
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá... temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

Parabéns, ó brasileiro,
Já, com garbo juvenil,
Do universo entre as nações
Resplandece a do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá... temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

Filhos da pátria, vocês já podem
Ver a mãe gentil contente
Porque a liberdade já aparece, luminosa,
No horizonte do Brasil.

Brava gente brasileira!
Que o medo servil já se vá, longe
Que a pátria seja livre
ou que se morra pelo Brasil.

As correntes que a armadilha maliciosa
da deslealdade fabricava contra nós...
O Brasil, com sua mão mais poderosa,
Zombou delas.

Brava gente brasileira!
Que o medo servil já se vá, longe
Que a pátria seja livre
ou que se morra pelo Brasil

E não tenham medo de exércitos imorais
Que se apresentam como inimigos
Os peitos e braços da gente brasileira
São as defesas do Brasil.

Brava gente brasileira!
Que o medo servil já se vá, longe
Que a pátria seja livre
ou que se morra pelo Brasil.

Parabéns, brasileiro!
Entre as nações do universo
O Brasil brilha
Com o porte galante da juventude.

Brava gente brasileira!
Que o medo servil já se vá, longe
Que a pátria seja livre
ou que se morra pelo Brasil.

Hino à Bandeira

Letra: Olavo Bilac
Música: Francisco Braga

Salve lindo pendão da esperança!
Salve símbolo augusto da paz!
Tua nobre presença à lembrança
A grandeza da Pátria nos traz.

Recebe o afeto que se encerra
em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Em teu seio formoso retratas
Este céu de puríssimo azul,
A verdura sem par destas matas,
E o esplendor do Cruzeiro do Sul.

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Contemplando o teu vulto sagrado,
Compreendemos o nosso dever,
E o Brasil por seus filhos amado,
poderoso e feliz há de ser!

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Sobre a imensa Nação Brasileira,
Nos momentos de festa ou de dor,
Paira sempre sagrada bandeira
Pavilhão da justiça e do amor!

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Salve a linda bandeira da esperança!
Salve o símbolo grandioso da paz!
Sua presença nobre traz a lembrança
Da grandeza da Pátria.

Recebe o afeto que está
em nosso peito juvenil
Querido símbolo da terra,
Da terra amada que é o Brasil!

Em sua bela forma, você retrata
Esse céu de azul puríssimo
O verde incomparável dessas matas
E o brilho da constelação do Cruzeiro do Sul

Recebe o afeto que está
em nosso peito juvenil
Querido símbolo da terra,
Da terra amada que é o Brasil!

Compreendemos o nosso dever
Ao admirar seu aspecto sagrado
E o Brasil, amado por seus filhos,
Será poderoso e feliz!

Recebe o afeto que está
em nosso peito juvenil
Querido símbolo da terra,
Da terra amada que é o Brasil!

A sagrada bandeira, da justiça e do amor,
está sempre sobre a imensa nação brasileira,
nos momentos de festa ou de dor.

Recebe o afeto que está
em nosso peito juvenil
Querido símbolo da terra,
Da terra amada que é o Brasil!

Publicado em 15 de janeiro de 2013

Publicado em 15 de janeiro de 2013