Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Como você vê?

Ivone Boechat

Clarisse Lispector diz: “Sou como você me vê. Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania. Depende de quando e como você me vê passar”.

A forma como a pessoa vê varia de acordo com a situação emocional, espiritual, social. Isso significa que se pode aprender a ver. A gente inicia a vida vendo com os olhos dos outros: dos pais, dos educadores, da igreja, da mídia. O ambiente em que se vive, a educação, a maturidade, a informação, o exemplo vão capacitando o ser humano para mobilizar a inteligência do olhar.

Dizem que “os olhos são as janelas da alma”. Os olhos são as janelas por onde se codificam as experiências da vida... A pessoa será ou não feliz dependendo da interpretação que ela dá aos fatos. “Se teus os olhos forem bons...”

Conta-se que um jornalista saiu à procura de algo fantástico para registrar no jornal de maior circulação do seu país. Nem chegou a andar muito e viu as escavações grandiosas de uma obra. Chegou perto de um operário e perguntou-lhe:

– O que é isto que vocês estão construindo?

E o homem, mal humorado, suando muito, disse:

– Não vê que estou preparando um túnel para passar tubulações de esgoto?

O jornalista andou um pouquinho mais e viu outro operário trabalhando na mesma obra, assoviando. Aproximou-se dele e viu que ele trabalhava de bom humor e perguntou-lhe:

– O que é isto?

E o homem disse animadamente:

– Estamos preparando a estrutura onde vai se erguer um gigantesco e maravilhoso shopping.

Fernando Pessoa diz: “o mundo não é como você vê, o mundo é como você é”. Em versos, ele define a importância do olhar:

Onde você vê um obstáculo,

alguém vê o término da viagem

e o outro vê uma chance de crescer.

Porque eu sou do tamanho do que vejo.

E não do tamanho da minha altura.

A forma como uma pessoa olha o outro revela não somente o seu grau de espiritualidade; revela a escolaridade e os efeitos do vírus da inveja que se alojou no seu interior. A maior cegueira do ser humano é causada pela contaminação por inveja, que é capaz de distorcer imagens, pessoas, fatos, circunstâncias.

Depois de um dia muito cansativo, Jesus “chegou a Betsaida, onde lhe trouxeram um cego, rogando-lhe que o tocasse. E, tomando o cego pela mão, levou-o para fora da aldeia; cuspindo-lhe nos olhos e impondo-lhe as mãos, perguntou-lhe se via alguma coisa. E, levantando ele os olhos, disse: ‘Vejo os homens, pois os vejo como árvores que andam’”. (Marcos 8:22-24).

Para aquele cego de Betsaida ser curado, Jesus cuspiu-lhe nos olhos; mas, por analfabetismo visual, ele via as pessoas “como árvores que andam”. Com certeza as primeiras lições foram dadas: o Mestre ensinou aquele homem a olhar, mas sobretudo o capacitou a ver.

Publicado em 10/09/2013

Publicado em 10 de setembro de 2013