Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

A importância da reformulação dos currículos das disciplinas da área de exatas

Adriana Oliveira Bernardes

Mestre em Ensino de Ciências

No artigo anterior, avaliei questões relacionadas aos problemas no ensino de Ciências no Brasil e a falta de incentivo para que os alunos se interessem por essa área.

Os problemas existentes estão ligados a vários fatores, entre eles o excesso de aulas expositivas ministradas pelos professores – na maioria das vezes, não se trata de uma aula dialogada; a falta de laboratórios, de recursos tecnológicos e o excesso de matematização da Física e da Química.

Estes são alguns fatores que colaboram com o problema, porém, o currículo cumprido nas escolas é também responsável pelo desestímulo para os jovens optarem pelas carreiras científicas.

Recentemente tive oportunidade de participar da equipe de professores que elaborou o novo Currículo Mínimo estadual de Física, que traz várias inovações em relação ao currículo anterior.

Astronomia e Física Moderna e Contemporânea, com enfoque histórico-filosófico, são inovações que o currículo traz. A ideia do grupo que elaborou o currículo era abolir os tópicos no qual há excessiva matematização, como Cinemática, por exemplo, e estimular o trabalho dos professores com temas que contribuam para o entendimento do mundo em que vivemos.

Nesse sentido são importantes os conteúdos de Astronomia, que no novo currículo envolve desde o movimento dos astros até as teorias cosmológicas.

É importante que o professor apresente temas da área de Ciências para os alunos com a concepção de que ela é dinâmica em sua construção.

A teoria do Big Bang, por exemplo, tem perdido terreno para a teoria do Universo Eterno, até porque ela não explica o que vem antes do átomo primordial, que explodiu e deu origem a tudo que temos hoje no universo.

A Física que explica o funcionamento do maior acelerador de partículas e como surgiu o universo, que explica os fenômenos como tsunamis, efeito estufa, o funcionamento do GPS e toda tecnologia que nos é aliada em nosso dia a dia precisa ser ensinada no Ensino Médio, para que a visão que os alunos têm das disciplinas mude e que elas se tornem relevantes para eles. Estaríamos assim caminhando para um curso que estimulasse os jovens ao trabalho na área de ciência e tecnologia, tão importante para que o Brasil galgue degraus cada vez maiores em direção ao primeiro mundo.

Publicado em 29 de janeiro de 2013

Publicado em 29 de janeiro de 2013