Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Conectados à televisão, ao celular, ao computador

Tatiana Serra

O despertador do celular toca. É hora de ir para a escola.

Antes, uma olhadinha rápida nos e-mails e nas redes sociais. Após algumas interações, banho, café da manhã e escola.

Em algumas escolas, é liberado o uso do celular, desde que fora da sala de aula. Afinal, por mais que a tentação seja grande, na hora de estudar pra que falar no telefone?

Após a aula, é hora de avisar aos pais que está indo para casa.

A partir daí e durante resto do dia, o celular fica conectado a aplicativos e a redes sociais da internet.

Ao chegar a seu lar, liga a televisão e o computador; enfim, totalmente conectado, é dessa maneira que passa boa parte do seu dia.

Assim é a rotina de um típico adolescente dos dias de hoje – e de muitas crianças também.

Crianças x televisão

Uma pesquisa realizada pelo Hospital das Crianças e do Centro Médico Regional em Seattle, nos Estados Unidos, e divulgada no Brasil pelo site UOL e pela BBC, afirma que cada hora por dia passada em frente à TV aumenta, em média, em 10% as chances de que a criança desenvolva a síndrome do déficit de atenção. Ou seja, três horas diárias de televisão significam aumento de 30% na probabilidade de que ela apresente o problema.

Os pesquisadores afirmam que crianças com menos de dois anos não deveriam assistir à televisão e que mesmo as mais velhas não deveriam ficar de frente para esses aparelhos mais de duas horas por dia. Mas, numa época em que TVs e tablets são as “babás digitais”, como colocar limites a uma geração que praticamente já nasceu online?

Segundo Dimitri Christakis, coordenador da pesquisa que contou com a participação de 1.345 crianças e seus pais, o cérebro do recém-nascido se desenvolve muito rapidamente durante os dois ou três primeiros anos de idade. As crianças expostas a altos níveis de estímulo, quando jovens, continuam a esperar isso mais tarde em suas vidas, o que dificulta que elas lidem com o ritmo mais lento da escola e da lição de casa. Ele destaca ainda que a TV faz com que a mente em desenvolvimento vivencie níveis pouco naturais de estímulo.

O estudo descobriu que as crianças que assistem mais à TV têm maior probabilidade de apresentar problemas de concentração, impulsividade, agitação e confusão. Nos Estados Unidos, onde foi realizada essa pesquisa, entre 3% e 5% das crianças são diagnosticadas com síndrome do déficit de atenção.

Vale destacar que os pesquisadores admitem que o resultado da pesquisa não é definitivo, pois a opinião dos pais, levada em consideração nesse estudo, é subjetiva; além disso, não é possível saber se as crianças que já tinham déficit de atenção seriam aquelas que mais gostam de assistir à televisão.

A equipe do site Brasil Escola preparou algumas dicas de conduta a serem utilizadas pelos pais e responsáveis para a melhor formação e a aprendizagem adequada para cada faixa etária das crianças.

Crianças x computador

Basta dar uma volta no shopping ou observar a mesa ao lado no restaurante... Lá está uma criança com um tablet ou um celular nas mãos.

A 1ª Pesquisa sobre Uso de Tecnologias da Informação e da Comunicação por Crianças no Brasil (TIC Crianças), realizada pelo Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), em 2011, com 2.502 crianças entre 5 e 9 anos, mostrou que 57% delas já usaram o computador em algum momento da vida.

De acordo com o estudo, a casa é o local onde mais a criança tem acesso a essa tecnologia; a escola está em segundo lugar. Entre as atividades que elas mais fazem no computador, a maioria usa para desenhar.

E o que essas crianças mais fazem na web? Elas gostam mesmo é de diversão. É o que afirma a pesquisa – 97% usam a rede para jogar, e 55% entram para brincar em sites que têm desenhos como os que gostam de ver na TV.

O telefone móvel aparece como uma das tecnologias mais presentes no dia a dia das crianças, que cada vez mais têm seus próprios celulares.

Uma pesquisa do Ibope mostra que as crianças com mais de 11 anos passam quase 18 horas por mês na internet. Em outro estudo, o Comitê Gestor da Internet no Brasil indica que as crianças estão no computador sozinhas. Uma matéria do Jornal Hoje, da Rede Globo apresentou mais detalhes dessa pesquisa.

Publicado em 29 de janeiro de 2013

Publicado em 29 de janeiro de 2013