Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

A urbis carioca: a geografia social da sociedade paralela e o mundo do entorno e posterior em evolução

Prof. Dr. Eduardo Marques da Silva

Buscamos fazer uma descrição da fisionomia social do Rio, inserido num sistema capitalista híbrido, cuja principal característica era a exclusão social daqueles que não assimilavam ou não eram assimilados por ele.

A geografia social da sociedade paralela traz marcas importantes, ocultas hoje na vida da cidade do Rio de Janeiro, feitas ao sabor das necessidades, em meio ao quadro econômico excludente próprio do capitalismo aqui praticado no século XIX. Sua história é nossa preocupação central. Sua compreensão é não só tarefa de nossa sociedade, mas principalmente nossa missão, sob pena de continuarmos usando a violência para nos mantermos afastados dela, provocando o mesmo tipo de atitude como resposta. Por isso, esta nossa humilde contribuição.

Acreditamos ser a violência, até hoje, o nosso principal problema. É a causa última da existência de culturas especiais como a da criminalidade, da prouxemia, ou seja, da promiscuidade, responsáveis pela construção e configuração de uma “sociedade paralela” na cidade. Sociedade que sempre se apresentou como espaço de habitação dos praticantes de crimes ou cujos hábitos colaboraram para uma fisionomia final responsável por um quadro de construção do medo.

As razões apresentadas fazem-nos acreditar que a ação de conter o crime passa inexorável e primeiramente pelo combate à criminalidade, ou seja, as razões da cultura do crime estão na feição de um capitalismo excludente; por isso mesmo o denominamos capetalismo! Tal combate só se faz no espaço da organização, nunca no inverso. Se tínhamos uma cidade marcada pela desordem urbana, em que as ruas eram definidas pelas moradias (e não o inverso), é óbvio que tínhamos uma ambiência propícia à violência, porque facilitava o contato, o atrito.

O Rio de Janeiro possuía muito mais becos e vielas do que vias espaçosas. A vida fluía com dificuldades extremas, espremida na geografia difícil de uma cidade compactada entre o mar e a montanha.

As sociedades paralelas construíram-se e ocultaram-se ao sabor dos espaços deixados pela sociedade oficial e europeizada, que fazia questão de ignorar os problemas socioeconômicos gerados pelo tipo de economia capitalista aqui praticada.

Moveu-nos aqui a preocupação em compreender a definição fisionômica da cidade do Rio de Janeiro do século XIX, assim como causas e efeitos ao longo de sua reverberante história. O que foi dito em nossos artigos não passa de uma fagulha sobre sua gênese. Contudo, acreditamos mexer na ponta de um imenso iceberg.

Não é nova sua existência, como também não são novas as preocupações que causavam na sociedade da cidade. Polícia, justiça e educação sempre se apresentaram incapazes e desaparelhadas no seu combate.

Estamos convencidos de que sua compreensão mais precisa faz-se urgente e necessária. Trata-se de uma cultura configurada numa sociedade paralela, perfeitamente identificada com um espírito próprio e possuidor de vivência cotidiana no interior do espaço urbano de um mundo social marcado por ser diferente, cuja existência insistimos em negar até agora, admitindo classificações precariamente construídas, como “marginal”, “anômico”, “clandestino” e “despossuidos”, entre outras.

Referências

ALGRANTI, Leila Mezan. O feitor ausente: estudo sobre a escravidão urbana no Rio de Janeiro de 1808 a 1821. Dissertação (mestrado). Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 1983.

BASTOS, Humberto. Pensamento industrial no Brasil. São Paulo: Martins, 1952.

BROWSER, Dan. The Russian urban revolution, 1859-1900. Berkley: University of California Press, 1991.

BRAW, Larissa Virginia. Internal commerce in a colonial economy: Rio de Janeiro and its hinterland, 1790-1822. PhD. Dissertation, University of Virginia, 1986.

BOESCU, Mircea. Brasil, disparidade de renda no passado. Rio de Janeiro: Anpec, 1979. BOESCU, Mircea. Synthese do commercio geral do Brasil de 1873 a 1874. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, Índice geral, s/l, s/d.

BARBOSA, Rui. Obras completas. Rio de Janeiro: MEC, v. XI, 1884; publicado em 1945.

BEIGUELMAN, Paula. A crise do escravismo e a grande imigração. São Paulo: Brasiliense, 1982.

CONSTATT, Emil Arthur Oskar. Brasil: terra de contrastes (1871). Trad. Eduardo de Lima e Castro. Ilustr. Izabel Cysneiros. 2ª ed. Rio de Janeiro: Conquista, 1875.

CARONE, Edigar. O centro industrial do Rio de Janeiro e a sua importante participação na economia nacional. Rio de Janeiro: Cátedra, 1978.

CARVALHO, José Murilo. Teatro de Sombras. Revista dos Tribunais. São Paulo: Vértice/Iuperj, 1988.

CHALOUB, Sydney. Trabalho, lar e botequim: o cotidiano dos trabalhadores no Rio de Janeiro da Belle Époque. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1986.

CLUB Protetor dos Chapeleiros. Echos Popular. 22 de março de 1890.

DIMAS, Antônio. Tempos heroicos. São Paulo, Ática, 1983.

D’URSEL, Charles. Amerique: sejours et voyages au Brasil, a la Plata, au Chili, en Bolivie et au Perou par le Cte. Charles d'Ursel, secretaire carte et gravures. 3ª ed. Paris: E. Plon et Cie., 1880, segundo volume.

DIAS, Maria Odília Leite. A interiorização da metrópole (1808-1853). In: MOTTA, Carlos Guilherme. 1822: Dimensões. São Paulo: Perspectiva, 1972.

ELIADE, Mircea. O mito do eterno retorno. Lisboa: Edições 70, s/d.

EDMUNDO, Luiz. O Rio de Janeiro do meu tempo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Conquista, 1957.

FARIA, Sheila de Castro. A colônia brasileira: economia e diversidade. São Paulo: Moderna, 2004.

GENTILLI, Pablo; FRIGOTTO, Gaudêncio (orgs.). A cidadania negada: política de exclusão na educação e o trabalho. São Paulo: Cortez, 2001.

GEBARA, Ademir. O mercado de trabalho livre no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1986.

GUINOTE, P. Identidades mortíferas. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2006.

HEIBORN, Maria Luiza; CAVALCANTE, Maria Laura Viveiros de Castro. A imaginação urbana: Botafogo revisitado. Revista do Rio de Janeiro. ADUFF, UFF, abril de 1986.

JOHNSON Jr.; Harold, B. Money, prices, wages in Rio de Janeiro 1763-1823. In: ALDEN, Dauril. Colonial roots of modern Brazil. Berkley: University of California Press. 1973.

KARASCH, Mary C. Slave life in Rio de Janeiro: 1808-1850. Tese (doutorado). Universidade de Wisconsin, 1972.

LEMOS, Teresa Toríbio Brittes. Corpo calado: imaginário em confronto. Rio de Janeiro: 7 Lettras, 2001.

LESSA, Carlos. O Rio dos vários Brasis. Rio de Janeiro: Record, 2003.

LOBO, Eulália Maria Lamayer. História do Rio de Janeiro (do capital comercial ao capital industrial e financeiro). Rio de Janeiro: IBMEC, 1978, v. 1.

MATOSO, Kátia Queirós. Ser escravo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1982.

MELLO, Guiomar Namo de. Cidadania e competitividade: desafios educacionais do terceiro milênio. 8ª ed. São Paulo: Cortez, 2000.

MINC, Alan. A nova Idade Média. São Paulo: Ática, 1991.

MOMBEIG, P. La croissance de la ville de São Paulo. Grenoble: Revue de Geographie Alpine, 1953.

MORSE, R. M. De comunidade a metrópole. Biografia de São Paulo. Trad. M. A. Madeira Kerberg. Comissão do IV Centenário da Cidade de São Paulo, Serviço de Comemorações Culturais. São Paulo: 1954.

NELSON, Thomas. Remarks on the slavery and slave trade of the Brazil. Londres: 1846. In: CONRAD, Robert. Os últimos anos da escravidão no Brasil, 1850-1888. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

OLIVEIRA, Luiz Alberto. Valores deslizantes: esboço de um ensaio sobre técnicas e poder. In: PERROT, Michelle. Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros. São Paulo: Paz e Terra, 1991.

PIPKIN, C. W. Poor Law. Encyclopedia of Social Sciences. XVII.

RODRIGUES, Edgar. Alvorada operária. Rio de Janeiro: Editora Mundo Livre S/d..

ROSA, Ferreira da. Rio de Janeiro: notícia histórica e descritiva da capital do Brasil. Rio de Janeiro: Anuário do Brasil, 1924,

SCHWARTZ, Stuart B. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

SCHORRSKE, Carl. Viena fim de siècle. São Paulo: Ed. Unicamp/Companhia das Letras, 1988.

SILVA, Marilene Rosa Nogueira da. Negro na rua: a nova face da escravidão. São Paulo: Hucitec, 1988.

SINGER, Paul. A formação da classe operária. São Paulo: Atual, 1988.

SOARES, Sebastião Ferreira. Notas estatísticas sobre a produção agrícola e carestia dos gêneros alimentícios no Império do Brasil. Rio de Janeiro: IPEA/INPES, 1977.

SOUZA, Laura de Mello e. O inferno atlântico: demonologia e colonização, século XVI-XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

TOPIK, Steven. Metrópoles macrocéfalas: uma composição entre a primazia do Rio de Janeiro e a Cidade do México entre 1800 e 1900. Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro, Iuperj/Vértice, v. 34, 1991.

TAVARES BASTOS, A.C. A Província. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1975. Coleção Brasiliense nº 105.

TAVARES BASTOS, A.C. Cartas do solitário (1862). São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1975. Coleção Brasiliense nº 115.

VERBURGGHE, Luis; VERBURGGHE, George. Forêtes vierges: voyage dans l’Amerique Centrale par Louis & Georges Verburgghe. Paris: Clamann, Ancienne Maison Michel Levy Freris, 1880.

ZUSMAN, Alfredo. A patologia infernal das megalópoles (à medida que crescem os agrupamentos humanos aumenta a violência, acirrada pelo extinto da territorialidade). Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, Cadernos Ideias, 17 de novembro de 1991.

Publicado em 7 de janeiro de 2014

Publicado em 07 de janeiro de 2014