Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Por que continuamos nos manifestando no Chile?

Sebastián Vielmas

Estudante de Licenciatura em História, PUC-Chile; Membro da Nueva Acción Universitária; ex-Secretário Geral da FEUC (2011)

Já se passaram algumas semanas da prestação de contas do ex-presidente Sebastián Piñera. Desde 2006, os alunos esperam diferentes presidentes anunciar uma verdadeira reforma educacional. Essa reforma consistiria essencialmente na admissão eficaz que a educação é um direito social garantido pelo Estado, universal e gratuito.

No entanto, as expectativas dos estudantes não foram atendidas: vários governos e diferentes parlamentares continuam divorciados do consenso social sobre a reforma da educação.

Por que, em sete anos, não avançamos? Obviamente pela estreita ligação entre política e negócio, este último com participações significativas no mercado das instituições de ensino. No entanto, essa não é a única resposta: os sistemas educacionais também estão submissos aos modelos de desenvolvimento.

O modelo de desenvolvimento chileno baseia-se principalmente na exploração dos recursos naturais orientados para a exportação. O recurso mais importante é o cobre, conhecido desde sempre como o "salário do Chile", e que, com o passar dos anos, está cada vez mais privatizado. Esse modelo, chamado "extração", tem muitas deficiências: os recursos minerais não são renováveis​​, o valor agregado é mínimo e a produção contamina e prejudica as comunidades e os ecossistemas.

Portanto, a resistência da elite política e econômica à mudança na Educação tem um subtexto ideológico no atual modelo de desenvolvimento: o investimento nas pessoas não é uma prioridade. A ênfase está em extrair o máximo de recursos possível, independentemente do legado para as gerações futuras: destruição da terra, da água e a exploração dos seres humanos.

Uma real reforma da Educação vai além da gratuidade, o que, aliás, é justo e necessário. A reforma deve mudar o currículo, o significado da educação. Em primeiro lugar, consideramos a educação como um direito de vida, não apenas na infância e na juventude. Em segundo lugar, devemos procurar tornar os cidadãos responsáveis ​​e críticos. E, finalmente, o foco deve se concentrar na sustentabilidade, entendida como o paradigma de desenvolvimento que permite enfrentar os desafios de hoje sem comprometer as gerações futuras.

Esse desafio exige que os movimentos de reforma educacional aspirem a construir maiorias, deixando de lado os sectarismos e os corporativismos. É um desafio também convencer as famílias e todos aqueles que têm dúvidas ou perguntas, com argumentos e não com insultos.

A meu ver, essas duas abordagens requerem que a democracia, em um sentido amplo e irrestrito, como a veem hoje as elites políticas e econômicas, seja o campo e o limite de nossa ação política.

Este texto está disponível, no original, em: http://www.publimetro.cl/nota/politico/sebastian-vielmaspor-que-seguimos-marchando/xIQmfk!PwggjajlmO7RU/, publicado em 11 de junho de 2013.

Publicado em 18 de março de 2014

Publicado em 18 de março de 2014

Este artigo ainda não recebeu nenhum comentário

Deixe seu comentário

Este artigo e os seus comentários não refletem necessariamente a opinião da revista Educação Pública ou da Fundação Cecierj.