Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

O planejamento e a escola

Eduardo Beltrão de Lucena Córdula

Mestrando (Prodema/UFPB); professor e diretor de Educação Ambiental da Sema-Cabedelo

Quando se fala em planejamento, visualmente vem as nossas mentes o Supervisor ou Coordenador Escolar. Mas o planejamento está inserido no nosso dia-a-dia, em nossas mínimas ações, como por exemplo: antes de dormirmos já planejamos a que horas vamos despertar e no dia seguinte após este ato, quando escolhe-se o que irá compor o café da manhã, que roupas escolher para ir ao trabalho, e assim segue por todo o período em que estivermos acordados (Gama; Figueiredo, 2009). O planejamento um fenômeno previamente estabelecido para direcionar todas as nossas ações acordamos (Santos, 2007), numa forma inata de acontecimento a todos os seres humanos.

Sem planejamento periódico, as pessoas ficam sem rumo e sem direcionamento, perdendo a perspectiva de crescimento e de desenvolvimento, e quando em escala comunitária, ficam estagnadas no tempo. Um grupo sem planejamento tem apenas discursos vazios.

Planejar é uma ferramenta que possibilita perceber a realidade e avaliar os caminhos para atingir um ideal futuro, onde se avalia todo o seu percurso, garantindo assim, o sucesso dos resultados esperados (Castro et al., 2008).

Apesar das diferentes formas de planejamento (o planejamento normativo ou racional e o planejamento situacional, interativo, participativo), o importante é o envolvimento de todos que dependem dele participarem – de forma direta ou indireta – para que se tenha um bom planejamento, desde a sua concepção, de quem será mobilizado para sua participação, sua execução, os resultados obtidos e a avaliação de todo o processo (Silva, 2013).

Participar de planejamento simplesmente para cumprir metas, requisitos ou normas estabelecidas não é desejável, tornasse uma perda de tempo e frustação para o participante de corpo físico, já que suas perspectivas e desejos profissionais (pensamentos, sonhos, etc.) estão longe do momento. Além disto, para quem está planejando e percebe e constata que estes profissionais estão aquém do momento do planejamento, sentem-se igualmente frustrados e veem seu tempo precioso se esvair; torna-se um momento desgastante (físico, emocional e cognitivo), desestimulante e se um retrocesso no trabalho cotidiano, por não alterar o quadro de estagnação. Planejar significa o primeiro passo para mudanças, e quando esta etapa não ocorre, há inicio de um retrocesso ou de desestruturação do grupo, da empresa ou da escola (Gama; Figueiredo, 2009).

O planejamento participativo se tornou uma ferramenta pedagógica ou administrativa adotada por empresas públicas e privadas, principalmente pelas escolas, em virtude de sua flexibilidade e estímulo da atuação de todos os envolvidos no processo, para que as mudanças desejadas sejam alcançadas. É um processo contínuo, onde a preocupação central está “para onde ir” e “como chegar lá”, focando na situação presente e com vistas às potencialidades futuras, “para que o desenvolvimento da educação atenda tanto às necessidades do desenvolvimento da sociedade, quanto às do indivíduo” (Coaracy, 1972 apud Gama; Figueiredo, 2009, p. 4).

O planejamento deve seguir etapas e procedimentos básicos para sua estruturação, para que se torne efetivo e traga resultados ao longo do tempo. Não planejar pontualmente, mas com feedbacks, tornar-se uma feramente cíclica de efetivação de resultados e desenvolvimento na gestão de pessoas, conforme Silva (2013) e Gama e Figueiredo (2009):

  1. REALIDADE: Análise e diagnose dos pontos positivos e negativos da realidade vivenciada (dados necessários): considerar problemas, logística e atores envolvidas no cenário;
  2. OBJETIVOS: A partir da realidade diagnosticada, traçar os objetivos a serem atingidos ao longo do tempo. Objetivos específicos para cada ponto: reforçando os positivos e reversão dos negativos.
  3. METAS: Estipular as metas a serem atingidas ao longo do tempo previsto para o desenvolvimento do planejamento (parte operacional). Neta deve-se etapa incluir um cronograma (tempo) e um organograma (pessoas e funções a desempenhar).
  4. RESULTADOS: Estipular resultados a serem esperados ao desenvolver os objetivos e a metas. Estes servirão de base para os processos de avaliação.
  5. AVALIAÇÃO: Toda avaliação deve ser periódica a partir dos objetivos e metas atingidos ou não, da parte operacional do planejamento. Este processo visa verificar os resultados almejados estão sendo atingidos e, ao final, realizar a avaliação geral de todo o processo com todos os envolvidos diretamente.
  6. RETOMADA DE DECISÕES: Nesta etapa são identificada as potencialidades, os resultados atingidos e os que não foram para re-planejar e retomar novos rumos ao novo planejamento, a partir das necessidades ainda existentes e das novas.

Portanto, o planejamento se dá ao longo do tempo, sem prazo de validade e deve ser considerado um processo contínuo e ininterrupto, principalmente nas escolas, para que os resultados sejam alcançados e o sistema de ensino evolua, melhore e continue sólido na perspectiva da formação de um cidadão pleno de direitos, deveres e atuante em sociedade.

Referências

CASTRO, P. A. P. P.; TUCUNDUVA, C. C.; ARNS, E. M.A. Importância do planejamento das Aulas para Organização do Trabalho do professor em Sua Prática Docente. Athena Revista Científica de Educação, Curitiba-PR, v. 10, n. 10, jan./jun. 2008, P. 49-62. Disponível em: <http://www.faculdadeexpoente.edu.br/upload/noticiasarquivos/1243985734.PDF>. Acesso em: 24 fev. 2014.

GAMA, A. S.; FIGUEIREDO, S. A. O Planejamento no Contexto Escolar. Revista Discursividade, Campo Grande-MS, n° 04, ago. 2009. Disponível em: <http://www.discursividade.cepad.net.br/EDICOES/04/Arquivos04/05.pdf>. Acesso em: 03 jul. 2013.

SANTOS, R. F. Planejamento Ambiental: Teoria e Prática. 2° ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2007.

SILVA, M. L. Planejamento Escolar na Perspectiva Democrática. Disponível em: <http://www.ufpe.br/ceadmoodle/file.php/1/coord_ped/sala_3/arquivos/Planejamento_Escolar_na_perspectiva_democratica.pdf>. Acesso em: 02 jul. 2013.

Publicado em 8 de abril de 2014

Publicado em 08 de abril de 2014