Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Uma avaliação da poluição luminosa em Nova Friburgo

Adriana Oliveira Bernardes

Professora de Física, mestre em Ensino de Ciências (UENF)

Em 2013, iniciei a orientação de uma Iniciação Científica em nível de Ensino Médio no Colégio Estadual Canadá (CEC), de Nova Friburgo, no Estado do Rio de Janeiro.

A ideia é possibilitar ao aluno um contato com pesquisa, na área de Física, antes de sua possível entrada na universidade, algo que pudesse fazer com que aprendesse conceitos físicos importantes, reforçasse o aprendizado escolar e principalmente que o colocasse em contato com a ciência e seus métodos.

Com o apoio da escola, apesar das dificuldades inerentes ao desenvolvimento de tal projeto em escola pública, tivemos êxitos, e o projeto participou de vários eventos: feira de ciências escolar, feira de ciência municipal, no caso, a FICTI (Feira Interdisciplinar de Ciência, Tecnologia e Inovação), filiada à FECTI (Feira Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação), a própria FECTI, da exposição científica promovida pelo município de Nova Friburgo para a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, além de ter sido apresentado em Brasília no Encontro Nacional de Astronomia, o Enast.

Objetivos do projeto

  • Discutir o que é poluição luminosa e como ela nos afeta;
  • Saber reconhecer os locais em que ocorre poluição luminosa em nosso município;
  • Verificar se as lâmpadas utilizadas nas praças públicas em Nova Friburgo colaboram com o processo.

Divulgação do projeto na escola e conscientização em relação ao problema

A iniciação científica foi realizada por dois alunos do 2o ano do Ensino Médio do Colégio Estadual Canadá: Luccas Diniz Abelha e Paulo Gomes.

Os alunos que participaram do projeto foram a todas as salas de aula da escola apresentar o tema, informando o que é poluição luminosa, como ela nos afeta e como ela afeta a cidade de Nova Friburgo.

Na foto a seguir, alunos estão realizando a divulgação em uma das turmas do Ensino Médio do CEC.


Figura 1: Luccas Abelha e Paulo falam sobre poluição luminosa na escola.

Nosso objetivo durante o desenvolvimento do projeto era determinar as praças que prejudicavam a população jogando luz para cima e não para baixo, dificultando a visão noturna do céu e a visibilidade da própria praça por transeuntes. A Praça Getúlio Vargas é apresentada na Figura 2.

SDC13497
Figura 2: Praça Getúlio Vargas, exemplo de poluição luminosa em Nova Friburgo.

Verificando as lâmpadas da praça, os alunos observaram que elas direcionavam a luz para o céu, o que prejudica as pessoas que têm o hábito de observar o céu à noite ou uma possível observação com telescópio na praça.

FICTI (Feira Interdisciplinar de Ciência e Tecnologia e Inovação) de Nova Friburgo

A FICTI é um evento municipal de Nova Friburgo, promovido pelo Colégio Nossa Senhora das Dores, colégio particular da cidade.

Ela ocorre em setembro e conta com as categorias Exatas, Biológicas e Ensino Fundamental; recebe trabalhos de alunos do Ensino Fundamental e Médio de escolas de Nova Friburgo.

Nosso projeto participou da FICTI, obtendo o primeiro lugar na categoria Exatas, o que o classificou para participação na FECTI, já que a feira municipal manda seus primeiros lugares para a feira estadual, realizada em novembro.

Na FICTI, os alunos tiveram contato com centenas de visitantes, tanto do Ensino Infantil quanto do Fundamental e Médio, o que propiciou grande experiência em contato com o público.

Na Figura 3, alunos do projeto discutem a metodologia e resultados com o avaliador da FICTI:


Figura 3: Alunos de iniciação científica do CEC apresentam projeto para avaliador da FICTI.

Semana Nacional de Ciência e Tecnologia em Nova Friburgo

Nessa semana foram desenvolvidos vários eventos na cidade de Nova Friburgo: palestras, feiras de ciências e exposição, entre outras. Um desses eventos contou com a participação de várias instituições da cidade: universidades, escolas e empresas e ocorreu na Praça Demerval Barboza.

Do evento participaram a UFF, a UERJ, a Universidade Estácio de Sá, o Consórcio CEDERJ, o Planetário de Nova Friburgo e as escolas vencedoras da FICTI (Feira Interdisciplinar de Ciência, Tecnologia e Inovação).

O estande do projeto foi visitado por centenas de pessoas: alunos de escolas públicas e privadas, professores, autoridades e por membros da população friburguense.

Na Figura 4, alunos do projeto apresentam os resultados do trabalho para o prefeito Rogério Cabral e seus assessores.

A FICTI constituiu-se numa excelente oportunidade para divulgar o tema do projeto, alertando a população sobre um assunto que pouco conhecem, mas que pode prejudicar – e muito – sua saúde física e mental.

Na Figura 5, alunos do CEC apresentam seu projeto para o público da exposição na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia.


Figura 4: Apresentação do projeto na Semana Nacional de Ciência de Nova Friburgo, em outubro.

FECTI (Feira Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado do Rio de Janeiro)

A FECTI (Feira Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado do Rio de Janeiro), ocorre anualmente desde 2005, reunindo projetos de alunos e colégios públicos e privados na feira de ciências que ocorre no Museu da República, no Rio de Janeiro e que premia os três melhores projetos nas seguintes categorias: Exatas, Biológicas, Interdisciplinar e Ensino Fundamental, oferecendo uma excelente oportunidade de aprendizado não só para alunos como também para professores.

A equipe do projeto teve excelente desenvolvimento na feira, realizando contato com outras instituições para possíveis apresentações do projeto em suas cidades.

Na Figura 5, o projeto sendo apresentado ao público que compareceu ao Museu da República para conhecer os projetos:


Figura 5 – Alunos do Projeto Poluição Luminosa se apresentam na FECTI.

Resultados e discussões

Quando iniciamos o projeto, poucas pessoas haviam se questionado sobre como o excesso de luz prejudica nossa visão do céu noturno, porém muitos, principalmente os mais velhos haviam notado que o céu de sua infância não era mais o mesmo.

A discussão dos fatores econômicos em relação à questão foi importante, pois se trata de uma questão da cidadania: as pessoas que tomaram contato com o projeto começaram a pensar sobre muitas dessas questões e hoje em dia discutem o fato de serem elas que pagam a conta da iluminação pública excessiva.

O importante foi fazê-las notar que era uma questão complexa, relacionada não apenas a não ter um céu observável à noite, mas também ao prejuízo de ecossistemas, da saúde e o aspecto econômico.

No Colégio Estadual Canadá, poucas pessoas haviam atentado para a questão e puderam apreciar, em seminários apresentados e observações do céu noturno, o custo da poluição luminosa.

Tendo a possibilidade de discutir questões importantes para o cidadão nos dias de hoje relacionadas a algo do qual tanto se fala, que é a poluição, os alunos e o público descobriram pelo projeto que existe também a poluição luminosa.

O mapeamento das praças de Nova Friburgo mostrou que todas apresentam problemas relacionados à poluição luminosa, com lâmpadas inadequadas.

A participação nos eventos, tanto dentro da escola quanto fora, foi imprescindível para que os alunos desenvolvessem habilidades e competências relacionadas a comunicação verbal, expressão de ideias, apresentação de um projeto e entendimento de fenômenos físicos relacionados à luz.

Na Figura 6, Luccas e Paulo, alunos de iniciação científica do Colégio Estadual Canadá.


Figura 6: Luccas Abelha e Paulo Gomes, alunos de iniciação científica do CEC.

Conclusões

O projeto tem demonstrado a possibilidade de a escola atuar junto às pessoas da comunidade levando questões relevantes e atuais. Esperamos com ele alcançar um bom número de pessoas não só em Nova Friburgo, mas também em comunidades circunvizinhas, levando a questão da poluição luminosa e mostrando que o problema passa por questões muito mais complexas do que ter um céu limpo para observações astronômicas.

Em 2014, o projeto continua sendo desenvolvido e os alunos investigarão a poluição luminosa provocada pelos outdoors e pela iluminação das ruas.

Referências

BERNARDES, A. O. Poluição luminosa. Disponível em: http://www.novaimprensa.com.br. Acesso em 10 jun. 2011.

BRASIL. MEC. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais – Introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/CNE, 1998.

BRASIL. MEC. Secretaria de Educação Básica. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC/SEB, 2006.

DAMINELI, A. Fascínio do universo. Rio de Janeiro: Odysseus, 2010.

NASCIMENTO, Eduardo Turiel. Poluição luminosa e saúde pública. Disponível em: http://www.nead.unama.br/prof/admprofessor/file_producao.asp?codigo=122 Acesso em 20 jun. 2009.

NOGUEIRA, Salvador; CANALLE, João Batista G. Astronomia: ensino fundamental e médio. Brasília: MEC/SEB; MCT; AEB, 2009 (Coleção Explorando o ensino, v. 11).

Publicado em 6 de maio de 2014

Publicado em 06 de maio de 2014