Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Cara de zumbi

Wiler Passos

– Uauuu!!!

- Dessa vez foi por pouco, você viu?

- O caminhão passou a um palmo da minha cara.

E eu bem ali, na beira da calçada.

- É que eu estava andando pelas ruas com cara de zumbi. Sabe como é, um olhar perdido no horizonte e pensando em nada.

- Opa! Pensado em nada?

- É! Pensando em nada.

- Tipo assim, o que eu vou fazer com o meu voto?

- Fala sério, isso é coisa de maluco. Todo mundo sabe o que vai fazer com o seu voto, não é?

- Não.

- Hoje eu não sei o que vou fazer com o meu voto. Mas prometi a mim mesmo e a mais de 200 milhões de otários que dessa vez eu vou fazer a coisa certa.

- Para começar eu vou me lembrar de quem eu votei nas últimas eleições.

- Mas em quem mesmo você votou?

- Ah! Deixa para lá.

- Parece simples, não!

- Deixa para lá...

- Talvez aí esteja a razão de as pessoas andarem pelas ruas com cara de zumbi. Elas não se lembram para quem deram o direito de votar nesse besteirol que passa pelo Congresso Nacional. E, francamente, nem sabem que têm alguma coisa a ver com a construção daquele tal porto lá em Cuba, ou com o que está acontecendo na Petrobras.

- Ah! Mas de uma coisa elas sabem, o petróleo é nosso.

- É! Você deve estar pensando, aí vem mais um cara pintada. De palhaço, é claro.

- Não. Desta vez vai ser diferente. Vamos entrar na internet e ler de tudo um pouco sobre eles, principalmente daquele que sorri e diz: 'minha gente, é chegada a hora da mudança'.

- Espera aí!

- Internet?

- E se aquele cara que você colocou lá no congresso, e que você não se lembra do nome, votar o tal marco civil da internet proibindo (censurando) as coisas ruins que andam dizendo sobre ele e seus colegas?

- Minha nossa! Será que foi isso que fiz com o meu voto?

- Então fui eu que ferrei com a educação brasileira e com os hospitais?

- Não; mas é preciso fazer diferente, é preciso pensar, pesquisar, conversar e questionar esses caras.

- Hum! Me lembrei, eu não tenho tempo para isso.

É, isso com certeza é coisa de gente à toa.

Gente ocupada sabe muito bem em quem votou e não tem nada a ver com o que está acontecendo. Elas falam e pensam que os problemas do Brasil são culpa desse povo à toa, mal educado, que não para de ter filhos. Eles são a maioria.

- Eles quem? Os ocupados?

- Não! O povo à toa e que não para de ter filho.

- É esse povo à toa e mal educado que faz brotar os corruptos por todos os lados. É este povo que merece o porto lá em Cuba.

- Nossa, é tudo tão insano.

- Quem diria, a saída para boa parte (se não toda) dos problemas do Brasil vai depender justamente do povo à toa, mal educado e que não para de ter filhos.

- Mas será que esse povo tem título de eleitor?

- Eles não têm nem casa, quem dirá título de eleitor!

- Então não tem jeito, o jeito é deixar o caminhão passar por cima de mim da próxima vez.

- Certo?

- Errado.

Publicado em 13/05/2014

Publicado em 13 de maio de 2014