Mais de 1.100 línguas indígenas desapareceram desde o descobrimento

A cada quinze dias morre o último falante de uma língua. E, com ele, desaparecem as características e visões de mundo de um povo que usava aquele idioma. Para analisar as causas e as consequências desse glotocídio, foi realizado o Seminário Ibero-Americano da Diversidade Linguística. No evento, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) reconheceu três idiomas como referência cultural brasileira: o guarani, o assurini (de índios das margens do Rio Tocantins) e o tailán, falado pelos italianos no sul do Brasil.

Publicado em 13 de janeiro de 2015