Resenha do livro Amor que educa

O livro Amor Que Educa, de Marcelo Bittencourt Jardim, investiga a história da comunidade carente que sofre com a falta de infraestrutura, com a vulnerabilidade e o risco social; ali o trabalho do Marcelo, com atividades coletivas, individuais e culturais, está inserido; trata também do desenvolvimento da Psicomotricidade Relacional na atuação profissional do educador físico.

O trabalho engloba, ainda, o discurso de autores em Psicomotricidade Relacional, de profissionais da área da educação e saúde brasileira sobre o afeto e suas abordagens profissionais com seus olhares sobre a Psicomotricidade Relacional nas comunidades, além do aspecto positivo dos programas sociais implantados nestas comunidades, por meio de revisão bibliográfica. Também foi abordada a área de intervenção da Psicomotricidade na vida das crianças mais desfavorecidas: a educação, a reeducação, a parte psicomotora e psicoafetiva dessas crianças, em seus artigos publicados em revistas científicas digitais de Educação Física na Argentina e Chile. Há ainda uma entrevista concedida à Universidade Salgado de Oliveira, com relato sobre seu trabalho social e afetivo.

Observamos em todos esses textos a importância do afeto e do movimento na formação do educando, o que faz a diferença para uma mudança de condutas, de atitudes e de interesse nas aulas. O trabalho aponta o lado afetivo positivo do educador físico como possibilidade de acesso às crianças problemáticas, tímidas, deficientes e pouco sociáveis, que sofrem com o descaso social e pela falta de uma família minimamente estruturada. Demonstraremos que a família pode influenciar positiva e negativamente na formação desses jovens que passam por problemas sociais e afetivos, e que a intervenção do educador é fundamental na sua formação.

O afeto é importante para dar segurança, demonstração de carinho, cuidado, atenção e crescimento pessoal (amadurecimento na vida) para esses jovens. O livro, publicado pela Editora Kimera, pretende mostrar a importância que a Psicomotricidade Relacional exerce na vida e no dia a dia das crianças que residem em comunidades socialmente desfavoráveis e que o educador é uma figura influenciadora, positiva ou negativamente, na vida dessas crianças e que o movimento e o afeto são aspectos básicos fundamentais para a formação do sujeito.

Marcelo Bittencourt Jardim é licenciado e bacharel em Educação Física (pela Unipli), especialista em Psicomotricidade (pelo IBMR); cursou aperfeiçoamento profissional para docentes em educação pública (no Cecierj) e aperfeiçoamento em qualificação profissional em saúde coletiva (na UFRJ) e tem vários artigos publicados na revista Educação Pública.

marcelo

Publicado em 19 de janeiro de 2016