Carbono: fundamental para a vida

Alexandra Maria da Silva

Graduada em Ciências Físicas e Biológicas e Farmácia (UBM-BM), professora SES/RJ

Um ecossistema é uma comunidade contendo distintas espécies e o seu meio ambiente físico, no qual a energia flui e os elementos químicos se processam e são reciclados (Botkin, 2011).

Um ciclo biogeoquímico é a trajetória completa que uma substância ou um elemento químico realiza por meio de quatro principais componentes ou reservatórios do sistema terrestre: a atmosfera, a hidrosfera (oceanos, rios, lagos, águas subterrâneas e geleiras), a litosfera (rochas e solos) e a biosfera (plantas e animais).

__clip_image002

Figura 1 – Ciclo do carbono

O carbono é o elemento fundamental na formação dos compostos orgânicos, componente básico dos carboidratos, lipídios, proteínas, DNA e outras substâncias.

Apesar de ser imprescindível para a vida, o carbono não é um dos elementos químicos mais abundantes na crosta da Terra. Ele constitui apenas 0,032% do peso da crosta, posição distante do oxigênio (45,2%), silício (29,2%), alumínio (8,0%), ferro (5,8%), cálcio e magnésio (2,8%), segundo Botkin (2011).

Na atmosfera, o processo principal é a carbono foto-oxidação (OX), que gera dióxido de carbono (CO2) ou monóxido de carbono (CO).

Na litosfera, os principais processos são a fixação de dióxido de carbono por plantas, respiração, decomposição da matéria orgânica e por bactérias de levedura, que produz o metano (CH4) e dióxido de carbono (Jacson, 1996).

A maior quantidade de carbono na Terra é armazenada em rochas sedimentares dentro da crosta do planeta. Ele é produzido nas rochas, com o endurecimento de lama (que contém matéria orgânica) em xisto ao longo do tempo geológico ou por particulas de carbonato de cálcio a partir de conchas e esqueletos de organismos marinhos em calcário e outros.

Após a precipitação, a água dentro do solo promove o escoamento do carbono, e a água em contato com pedras promove intempéries de carbono inorgânico, fornecendo uma entrada de carbonatos para a hidrosfera (Langman e colaboradores, 2009).

O carbono inserido no oceano por simples difusão apresenta-se de inúmeras formas inorgânicas, o que inclui o dióxido de carbono dissolvido como carbonato e bicarbonato; existe também em compostos orgânicos de organismos marinhos e de seus derivados, como as conchas (COELHO, 2000).

Nos rios o carbono do solo é transportado para os oceanos, na forma de carbono dissolvido em partículas orgânicas; os ventos também transportam pequenos particulados orgânicos dos continentes para os oceanos.

Em termos de reações químicas, o dióxido de carbono possui baixa reatividade, tanto por sua baixa concentração na atmosfera quanto pela baixa reatividade fotoquímica. A única reação fotoquímica que o CO2 sofre é sua fotodissociação pela radiação ultravioleta na estratosfera (Langman e colaboradores, 2009).

Por esse motivo, o tempo de permanência de uma molécula de CO2 no ar é algo bastante indeterminado; uma vez emitido no ar, o destino de uma molécula de CO2 pode ser sua absorção resultante da colisão com superfícies líquidas (oceanos, rios etc.) ou fixação em plantas, decorrente de processos de fotossíntese. Entretanto, o CO2 estocado nas plantas é novamente liberado no ar como resultado de queimadas, manejo do solo e desmatamento, reiniciando o ciclo (Baird, 2011). Existem grandes quantidades de carbono imobilizadas sob a forma de rochas calcárias na crosta terrestre (Coelho, 2000).

O CO2 é proveniente principalmente da queima de combustíveis fósseis, desmatamento de florestas (que atuam como estoques naturais de carbono), acompanhado da queima e degradação da biomassa, e ainda por difusão dos oceanos (Ramanathan, 2009). E é removido por fotossíntese das plantas, num processo que transforma a energia proveniente da luz solar em energia química. São combinados dióxido de carbono e água para dar origem aos compostos orgânicos (Miller, 2007). Os produtores terrestres removem o CO2 da atmosfera; os aquáticos o removem da água. Pela respiração aeróbica, são quebrados a glicose e outros compostos orgânicos complexos e convertido o carbono novamente em CO2 na atmosfera ou na água para ser reaproveitado pelos produtores (Miller, 2007).

Essa junção de fotossíntese e respiração aeróbica nos produtores, consumidores e decompositores faz o carbono circular na atmosfera (Miller, 2007).

Nas escalas de tempo mais curtos, de segundos a minutos, as plantas absorvem o carbono fora da atmosfera pela fotossíntese e o libera de volta para a atmosfera pela respiração. Em escalas de tempo mais longos, de carbono a partir de material vegetal morto, pode ser incorporado aos solos, onde pode permanecer por anos, décadas ou séculos.

Alguns átomos de carbono levam um longo tempo para se reciclar.

Com a morte dos organismos, sua maior parte orgânica se decompõe em compostos inorgânicos, incluindo o dióxido de carbono. Em locais onde há temperaturas frias e ausência de oxigênio, certa quantidade de oxigênio pode ser enterrada e torna possível sua decomposição. Assim a matéria orgânica é armazenada (Botkin, 2011).

Durante milhões de anos, depósitos enterrados de matéria de plantas mortas são comprimidos com outras substâncias que se tornarão rochas sedimentares. Esse carbono é transformado em combustíveis fósseis, como gás natural, petróleo e carvão. A maior parte deles está na forma de carbonatos, como calcário, com origem biológica direta.

Esse carbono não é liberado para a atmosfera em forma de CO2 para a reciclagem; é preciso que ele seja extraído e queimado ou naturalmente por exposição a processos geológicos. E em períodos muito curtos eles são extraídos e queimados o que levou milhares de anos para se formar. Eis a razão por que esses combustíveis não são recursos renováveis na escala de tempo humana (Miller, 2007).

O ciclo do carbono é um dos influenciados por atividades antropogênicas (Coelho, 2000). O consumo acelerado dos combustíveis fósseis, juntamente com a diminuição das plantas verdes a retirar o CO2, está aumentando a sua concentração na atmosfera; nem a vegetação fotossintética da terra nem o sistema carbonato do mar tendem a manter estável o teor de CO2 na atmosfera (Rocha, 2004).

O ciclo de carbono desempenha um papel chave na regulação do clima terrestre, controlando a concentração de dióxido de carbono na atmosfera. O dióxido de carbono (CO2) é importante porque contribui para o efeito estufa, em que o calor gerado a partir da luz solar na superfície da Terra é capturado  e impedido de escapar pela atmosfera. As moléculas de CO2 presentes no ar (nas concentrações atuais) absorvem muita radiação infravermelha (Baird, 2011).

O efeito estufa em si é um fenômeno perfeitamente natural; sem ele, a Terra seria um lugar muito mais frio. Mas um acúmulo anormal de gases de efeito estufa pode levar o planeta a ficar anormalmente quente.

Nos últimos anos, o CO2 tem recebido muita atenção porque a sua concentração na atmosfera subiu para cerca de 30% acima dos níveis naturais. Análises do gelo coletado nos polos da Terra indicam que as concentrações de CO2 e CH4 há 300 anos eram de 260 e 0,70 ppm, respectivamente. Os níveis mais atuais chegam a 379 e 1,774 ppm (ano-base 2005), a maior parte contribuição dos últimos 100 anos de atividades antropogênicas decorrentes principalmente de atividades como manejo e uso do solo e florestas. O gás metano está associado à degradação microbiológica da matéria e também é um dos gases do efeito estufa (Langman e colaboradores, 2009).
A manutenção de uma quantidade constante de CO2 na atmosfera ajuda a manter
temperaturas médias estáveis ​​na escala global.

__clip_image004

Figura 1 – Níveis de concentração do CO2 nas últimas décadas.
Fonte: Adaptado de Manahan (2001b).

Referências

BAIRD, Colin; CANN, Michael. Química ambiental. 4ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2011.

BOTKIN, D. B.; KELLER, E. A ciência ambiental: Terra, um planeta vivo. 7ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2011, p. 293-296.

COELHO, R. M. P. Fundamentos em ecologia. Porto Alegre: Artmed, 2000.

JACSON, A. R. W.; JACSON, J. M. Environmental Science. The natural environment and human impact. Harlow: Longman, 1996. p. 1–370.

LANGMANN, B.; DUNCAN, B.; TEXTOR, C.; TRENTMANN, J.; WERF, G. V. Atmospheric environment, v. 43, p. 107-116, 2009.

MANAHAN, S. E. Fundamentals of Environmental Chemistry: Inorganic air pollutants. Boca Raton: CRC Press LLC. 2001b.

MILLER JR., G. Tyler Ciência Ambiental 11ª ed. São Paulo: Cengage Learning, 2013, p. 466-467.

RAMANATHAN, V.; FENG, Y. Atmospheric environment, v. 43, p. 37-50, 2009.

ROCHA, J. C.;ROSA, A. H.;CARDOSO, A. A. Introdução à química ambiental. Porto Alegre: Bookman, 2004. p. 70-72.

SCHLESINGER, W. H.; ANDREWS, J. A. Soil respiration and the global carbon cycle. Biogeochemistry, v. 48, p. 7–20, 2000.

Publicado em 25 de outubro de 2016

Este artigo ainda não recebeu nenhum comentário

Deixe seu comentário

Este artigo e os seus comentários não refletem necessariamente a opinião da revista Educação Pública ou da Fundação Cecierj.