Aprendendo yorubá nos terreiros

A história e a cultura africanas devem ser estudadas nas escolas brasileiras, cumprindo o que determina a lei. Um dos espaços para aprender a língua yorubá – uma língua viva, praticada no Candomblé – são os terreiros, onde ela se transforma em comidas, cantos, mitos, artefatos. E mais que isso, valoriza essas culturas e ajuda a diminuir a intolerância religiosa nas escolas, de acordo com este trabalho de Stela Guedes Caputo publicado na Revista Brasileira de Educação.

Publicado em 16 de fevereiro de 2016

Este artigo ainda não recebeu nenhum comentário

Deixe seu comentário

Este artigo e os seus comentários não refletem necessariamente a opinião da revista Educação Pública ou da Fundação Cecierj.