Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

A água da Terra

Carolina Matta Machado


"O Naufrágio" - Turner
Mestres Pintores - Ed. Estampa

No dia 22 de março, um brinde à água. Desde a ECO 92, este é o Dia Internacional da Água. A data existe há dez anos mas, infelizmente, tem sido pouco lembrada.

No entanto, este ano, o presente de aniversário chegou mais cedo. No dia 14 de março, o Conselho Nacional de Recursos Hídricos (CNRH) estabeleceu que, a partir de agora, seja cobrada a utilização da água retirada do rio federal Paraíba do Sul. Essa decisão, que afeta toda uma população dos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo (cerca de 14 milhões de brasileiros), partiu de um pedido feito pelo Comitê para Integração da Bacia Hidrográfica (formado por representantes dos governos federal, estadual e municipal, dos usuários das águas e de organizações não governamentais) do Rio Paraíba do Sul (Ceivap), uma das entidades que participam da gestão dos recursos hídricos da bacia.

Rio Paraíba do Sul

De acordo com a Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável, a bacia do Paraíba do Sul, do ponto de vista econômico, corresponde a uma das zonas mais industrializadas do Brasil. Neste contexto, o Médio Vale do Paraíba do Sul significa um dos principais eixos de crescimento do Estado do Rio de Janeiro.

Sua posição estratégica e a facilidade de comunicação com as duas grandes metrópoles nacionais - Rio de Janeiro e São Paulo - contribuíram para o direcionamento de investimentos para a região. A superfície da bacia abrange cerca de 57 mil km2, representando 0,7% do território nacional e 6% da região Sudeste, estendendo-se pelos estados do Rio de Janeiro (22.600km2), Minas Gerais (20.900 km2) e São Paulo (13.500 km2).

Fonte: http://www.fbds.org.br/Beta/Projetos/GestaoTerritorial/gestaoterritorial.html

Se tudo der certo como espera o CNRH, a cobrança já poderá ser feita no segundo semestre deste ano. E não será barata. O Ceivap estabeleceu que a cobrança será de 0,02 reais por metro cúbico de água usada e devolvida poluída à bacia e 0,008 reais pelo uso e devolução de água limpa.

No Brasil, uma decisão desse tipo, envolvendo um rio federal, é inédita. Em uma bacia estadual no Ceará já é cobrada uma espécie de imposto pela utilização da água.

Ponto para os ecologistas.

A gota d´água

A primeira lei criada no Brasil que trata da cobrança pelo uso da água foi a Lei 9.433, de 1997. Conhecida como a Lei da Água, estabelece que Comitês das Bacias Hidrográficas analisem questões relacionadas aos recursos hídricos. Também prevê que esses comitês articulem a atuação de entidades para aprovar e executar planos de recursos hídricos das bacias e estabeleçam os mecanismos de cobrança pelo uso de recursos hídricos.

Dessa forma, a criação de um imposto para a utilização da água, aplicado em empresas, indústrias, fazendas e concessionárias de esgoto e distribuição de água, é um instrumento previsto na Lei da Água para preservar os recursos hídricos no país.

A intenção é de que com o imposto o uso da água seja mais racional. No ano passado, o racionamento de energia chamou atenção também para a falta d´água. Segundo a ONG Ilumina, que denuncia os problemas relacionados ao modelo energético brasileiro, "ainda persiste a falta de investimentos em geração e transmissão de energia elétrica, causando o descompasso entre oferta e demanda que não resistiu nem a uma seca moderada, como esta dos últimos anos."

Você sabia?

  • Descoberta em 1936, a cascata de Santo Ángel, situada nos limites da Venezuela e da Guiana, é considerada a mais alta do mundo. A altura de queda das águas chega a mil metros.
  • Para produzir uma tonelada de sabão são necessários 2 mil litros de água. Mas isso não é nada.... são consumidos 250 mil litros de água na produção de uma tonelada de aço e um milhão de litros de água para se produzir mil quilos de papel.
  • A água compõe entre 70% e 80% do peso corpóreo de um adulto, mas pode chegar a 90% nos recém-nascidos. Um ser humano, sem beber água, pode morrer no prazo de apenas dois dias.
  • Sentimos sede porque a água presente em nosso organismo possui uma enorme quantidade de sódio dissolvido. Quando perdemos líquido através da urina, suor ou na forma de vapor pela respiração, aumenta a concentração desse mineral no sangue. O cérebro, ao notar o excesso de sódio, estimula a produção de certos hormônios, pela glândula hipófise, que desencadeiam a sensação de sede.
  • O Brasil detém 1/5 de toda a água doce disponível no planeta. Somente um dos reservatórios subterrâneos existentes no Nordeste possui um volume de 18 trilhões de metros cúbicos de água potável (as reservas subterrâneas somam mais de 111 trilhões) Este volume seria suficiente para abastecer toda a atual população brasileira por um período de 60 anos.
  • O Aquífero Botucatu, o maior do planeta e conhecido como Aquífero Gigante do Mercosul, possui um volume de água suficiente para abastecer toda a população atual do mundo até o ano de 2400 (Aquífero significa o que contém ou conduz água. O termo também é usado para traduzir as formações geológicas ou o solo poroso, pois o que é aquífero emana água subterrânea para poços e mananciais).
  • A água na Terra ocupa o volume de uma esfera de 1.380 km de diâmetro. Distribui-se em oceanos (96,6%), continentes (3,4%) e atmosfera (0,013%).
  • Os camelos não armazenam água em suas corcovas. A corcova é um grande depósito de gordura e serve para alimentar o animal. Assim, os camelos podem viajar longos períodos pelo deserto sem comer. Nessas ocasiões, é comum que o tamanho das corcovas diminua sensivelmente.
  • O elefante não bebe água com a tromba. A tromba é o nariz do elefante e funciona como um canudo. Ele puxa a água e a esguicha na boca ou nas costas. Um detalhe é que a tromba do elefante é capaz de armazenar 10 litros de água.

Leia também: Água de beber?

Sites consultados

Publicado em 01 de janeiro de 2002