Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Alberto Santos-Dumont

Maria Cláudia de Freitas

Mestre em Linguística pela PUC - Rio

O pai da aviação, Alberto Santos-Dumont, nasceu no dia 20 de julho de 1873, no Sítio de Cabangu, em Minas Gerais.

Aos 18 anos foi morar em Paris, passando então a se interessar pelo voo em balões. No dia 19 de outubro de 1901, aos 28 anos incompletos, Santos-Dumont realiza sua primeira façanha: na presença de uma multidão, circundou a torre Eiffel com seu dirigível n. 5. Com isso, arrebatou o prêmio Deutsch Pretze, no valor de 50.000 francos.

Mas embora para nós, brasileiros, seja muito natural considerar Santos Dumont o pai da aviação, esta "paternidade" é, às vezes, contestada. Isto porque, em 17 de dezembro de 1903, os irmãos Wright, nos Estados Unidos, conseguiram saltar (mas saltar não é voar...) 40 metros em seu biplano. Para alçar o tal "voo", os Wright se utilizaram de uma espécie de catapulta, ou seja, precisaram de "meios externos".

Em 1906, no mês de julho, mais precisamente, Santos-Dumont começou suas primeiras experiências, ou melhor, aventuras, com o 14-Bis. E, após algumas tentativas, em 23 de outubro, sob os olhos maravilhados do público parisiense e de representantes do Aeroclube da França, finalmente um aparelho mais pesado que o ar foi capaz de voar, por seus próprios meios (leia-se sem interferência externa, diferentemente do voo dos irmãos Wright). O 14 -Bis levantou voo, percorrendo 60 metros em 7 segundos. Na ocasião, Santos Dumont ganhou o prêmio Archdeacon, no valor de 3.000 francos, criado para premiar aquele que conseguisse voar mais de 25 metros.

Um detalhe: A ideia de que sua invenção pudesse ser usada para fins bélicos desagradava muito a Santos Dumont. Para ele, a finalidade maior dos aviões deveria ser a de meio de transporte e lazer, encurtando as distâncias para unir amigos e familiares.

Em 1918, Santos-Dumont foi morar em Petrópolis, no Morro do Encantado, em um chalé de estilo europeu. A casa, conhecida como A Encantada, abriga um pouco da vida e da história deste que foi um dos maiores inventores brasileiros. Assim, quando for a Petrópolis, não deixe de conhecê-la, pois, além de história, A Encantada é cheia de curiosidades, como uma escada em que só se pode começar a subir com o pé direito... coisas de inventor...

Leia também: Alberto Santos Dumont, o Pai da Aviação.

Além de biografia e fotos, esta página disponibiliza matérias e links relacionados a Santos Dumont e à aviação, e o texto integral do livro "O que eu vi, o que nós veremos", escrito por Santos Dumont.

Publicado em 01 de janeiro de 2002