Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Fundamentos dos Usos Educacionais do Office 2000

Léa da Cruz Fagundes

Nesta atividade temos um propósito: produzir relatórios de suas experiências e descobertas sobre fundamentos psicológicos e pedagógicos para o uso educacional do Microsoft Office2000.

(Em vez de o professor trazer uma apostila, no final de quatro horas teremos produzido de 20 a 40 apostilas! O que isso quer dizer? Teremos textos com diferentes perspectivas apresentando uma variedade de informações!)

Você é livre para escolher o aplicativo dentre os disponíveis em sua máquina, para realizar a experiência.

Você também é livre para realizar suas explorações e descobertas! Se você prefere algum auxílio, aqui estão algumas sugestões de questões para ajudar a pensar...mas você pode formular suas próprias questões, o que é mais próprio e mais rico para você e para seu grupo.

(O que é mais rico: um grupo de quatro pessoas buscar respostas para as questões que o professor propõe? Ou um grupo procurar respostas para as múltiplas questões que cada um dos quatro propõe?)

Que certezas você tem quando escolhe um aplicativo do Office 2000 para interagir com o software, com seus colegas e com seus conhecimentos:

  • Existem pré-requisitos?
  • Quais são eles?
  • Por quê?
  • Esse aplicativo que você escolheu só se aplica a áreas específicas?

Que dúvidas você tem

  • É fundamental a presença de instrutor?
  • Os manuais são indispensáveis?
  • Será que não se precisa considerar os pré-requisitos?
  • Será mais adequada uma folha de exercícios para orientar a aprendizagem?
  • Os exercícios devem propor exemplos de informações que possam ser processadas usando-se o aplicativo? Por quê?

Como você aprende:

  • Que certezas você tem sobre como e quando consegue aprender?
  • Quais são as dúvidas que mais perturbam sua reflexão?

Aprender a usar um software:

  • Equivale a algum outro tipo de aprendizagem?
  • O modo de aprender a usar um aplicativo é desvinculado das informações que se pode processar nele?
  • Que vantagens você descobre em tratar esse tipo de dados que você escolheu usando o aplicativo em comparação com o uso das tecnologias tradicionais como lápis, papel e instrumentos de desenho e registro na superfície plana do material escolar?
  • Em que a automação pode ajudar sua busca de informações, sua articulação de hipóteses e de possíveis soluções, sua testagem para encontrar a validade de uma solução?

Algumas dicas para organizar sua produção nesta experiência. Você pode ir registrando alguns dados durante o experimento, como por exemplo:

  • Quais são suas primeiras percepções?
  • Que sentimentos você experimenta?
  • Que "atividades perceptivas" você consegue fazer? Que diferenças há entre percepção e cognição? Atividade perceptiva é o mesmo que atividade cognitiva?
  • Que "observáveis" você registra na manipulação desse aplicativo?
  • Que coordenação você realiza entre os "observáveis"?
  • Que perturbações ocorrem nesse registro de coordenações inferenciais?
  • Que reflexões lhe ocorrem?
  • Como você consegue compensar a perturbação da percepção e do pensamento?
  • Que sentimentos novos experimenta?
  • Que operações mentais realiza?
  • Quais as implicações inferenciais que você produziu?
  • Consegue listar alguns indicadores que sirvam para avaliar o conhecimento que você construiu com o uso dessas ferramentas?

O espaço e o tempo são seus e de seu grupo. Divirtam-se! Inventem! Descubram seus poderes de pensar, de sentir, de criar!

Que tal examinar uma situação de sala de aula? http://escola2000.globo.com/centro_textos_autor.asp

Publicado em 01 de janeiro de 2002