Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Nos embalos de sábado à noite: chuva de Leonídeos

Maria Cláudia de Freitas

Mestre em Linguística pela PUC - Rio

Nas noites de novembro de 2001 o céu foi invadido por uma brilhante chuva de estrelas-cadentes. O fenômeno, ou melhor, o espetáculo, é chamado chuva de Leonídeos, e acontece sempre no mês de novembro, quando a Terra passa próximo aos "restos" de gelo e pedra deixados pelo cometa Tempel-Tuttle.

À medida que vai seguindo em sua órbita ao redor do Sol, o cometa Tempel-Tuttle vai deixando um rastro de pequenos fragmentos, os meteoroides, que ficam boiando no espaço. Em um certo momento - que corresponde ao mês de novembro - a Terra passa bem perto da órbita do Tempel-Tuttle. É possível então para nós, habitantes do planeta azul, observarmos o "lixo" cósmico que o cometa deixou: vemos uma linda chuva de estrelas-cadentes.

Mas, se a lógica do espetáculo é esta, devemos ver os Leonídeos todos os anos, certo?

Errado. A verdade é que nem sempre conseguimos ver os Leonídeos, porque chuvas significativas só são possíveis de serem vistas cerca de 2.500 dias antes ou depois do momento em que o cometa está mais próximo do Sol, o que corresponde a aproximadamente 7 anos de visibilidade - 3,5 anos antes e 3,5 anos depois de sua passagem próximo ao Sol.

(Curiosidade: o cometa leva 33 anos para dar a volta em torno do Sol.)

Mas é importante lembrar que, mesmo nestes 7 anos visíveis, nem sempre é possível garantir um espetáculo grandioso. As condições de visibilidade são muito difíceis de prever, pois os fragmentos se espalham no espaço. No entanto, diz-se que este ano o fenômeno será tão belo quanto o de 1966, a maior tempestade de meteoros registrada no século XX.

Algumas dicas:

A constelação de Leão parece um ponto de interrogação ao contrário. Fica próxima à constelação de Gêmeos, que por sua vez está próxima à constelação de Orion, da qual fazem parte as Três Marias. É bom ir observando o céu alguns dias antes, para se acostumar a encontrar a constelação.

Publicado em 14/11/2001

Publicado em 01 de janeiro de 2002