Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

O que você sempre quis saber a respeito da globalização

O dia globalizado

Vestir, comer e sair são ações que nos mergulham, queiramos ou não, na globalização. É melhor ficar atento e se dar, pelo menos um pouco, o poder de escolher.

O mundo é louco!

Resumir o estado do mundo em cinco minutos é loucura! No entanto, os grandes meios de comunicação parecem fazer isso muito bem. Será algo realmente simples ou eles esquecem alguns detalhes?

A estética pode não ser ética!

Hoje, diz-se que um quarto de dormir barato e transado, com móveis "rústicos" e "artesanais" muito belos e baratinhos, é a última moda. Mas, às vezes, a estética não é ética! A madeira é geralmente cortada ilegalmente em detrimento das florestas e das populações que lá vivem. É melhor se informar bem das condições em que os produtos "artesanais" foram produzidos antes de comprá-los.

A água milagrosa

Ela chega fresquinha nas torneiras e parte para os esgotos. Como é prático! Mas não ocorre assim em todos os lugares. Depois do petróleo, vamos fazer guerras pela água...

Chocolate bem amargo

Dizem que é um antidepressivo. Certamente não para a pessoa que colhe o cacau e que não tem os meios para alimentar sua família. Para ela, o cacau é bem depressivo!

Viva a liberdade de imprensa!

Hoje, é difícil encontrar um jornal independente. Os grandes grupos industriais (armamentos, água, petróleo etc.) repartem entre si os jornais, as emissoras de TV e de rádio. É melhor cruzar as fontes.

Com vontade de ter ideias novas? Passe um dia sem televisão!

Amarre os cadarços!

Os operários que fabricam os calçados geralmente são jovens e trabalham por salários miseráveis. Afinal, é preciso pagar pela publicidade e pelo jatinho particular do empresário! Mas quem disse que não podemos deixar de viver sem o par de tênis de última moda?

Lixos ambulantes

As embalagens individuais se multiplicam, o plástico invade nossas ruas. Cada europeu joga fora um quilo de lixo por dia. Em seguida, é preciso destruí-lo, o que polui mais ainda! Para quebrar essa cadeia infernal, a reciclagem é uma saída. Reciclar é bom, mas produzir menos lixo é melhor!

Jamais saio sem meu carro

Meu Golzinho vai tão rápido, ele é tão forte, enfim, ele é feliz. Segundo uma ideia bem difundida, ter um carro é mais classudo do que depender do transporte coletivo. No entanto, se refletirmos, veremos que o carro é perigoso e polui nossas ruas. Talvez seja tempo de trocarmos de heróis!

Você quer poluir menos? Descubra a bicicleta!

Os grandes que comem os pequenos...

Em nossos cinemas, 43% dos filmes exibidos vêm dos Estados Unidos. Será que é porque eles fazem os melhores filmes do mundo ou porque eles têm enormes orçamentos para a publicidade? O número de cinemas em shoppings cresce, e os cinemas de bairro desaparecem. Se continuar assim, ter a possibilidade de escolher uma sala de cinema pode vir a ser um luxo...

Você quer uma sobremesa?

Alimentação em grandes quantidades nos supermercados e nos fast-foods. Não se sabe mais o que escolher. No entanto, o que encontramos atrás do cardápio barato é de cortar o apetite. Se nos informarmos, é mais fácil encontrar um bom regime.

Tempo livre, isso se encontra!

Tempos modernos, hipermercados e mercados substituem o passeio de domingo. Nos países ricos, pode-se passar a vida a encher o carrinho do mercado. A publicidade bombardeia nossos ouvidos em todos os tons: "Para ser feliz, consuma!". É tanta publicidade que esquecemos que podemos fazer outras coisas...

Petróleo, meu amor

Gasolina, plásticos, roupas sintéticas, perfumes... O petróleo serve para fabricar mil e uma coisas. Por que foi feita a guerra do Iraque?

Cansado de correr? Experimente um dia sem compras!

Ilustrações: Salmo Dansa

Fonte: adaptado de Alter-mondialiste, moi? , uma publicação de:

Publicado em 01 de janeiro de 2002