Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Qual o papel da Instituição Estado na Globalização Contemporânea?

Leonardo de Menezes e Péricles Gomes

Quando o assunto é "Globalização" e levando em conta os encontros e questionamentos levantados no curso, chegamos a uma conclusão: o Processo de Globalização gerou uma maior visibilidade da miséria e a exclusão de grande parte do mundo, principalmente de boa parte do continente Africano, da América Latina e do continente Asiático. Dessa forma, a ideia defendida pela mídia de uma globalização modernizadora e que teoricamente colocaria as barreiras do mundo moderno abaixo, viabilizou a claridade de grande parte da população mundial abaixo da linha da pobreza e dessa forma fora dessa economia de consumo, mesmo que de um consumo dito de massa. Sendo assim, a grande velocidade verificada no desenvolvimento tecnológico atual e sua vinculação imediata à mídia de todos os tipos, nos dá a entender que essa modernização tecnológica possibilitaria um acesso cada vez maior a esses produtos, o que num primeiro momento aconteceu. Contudo, já se verifica fronteiras a essa expansão do consumo pelos motivos abordados anteriormente.

Isso se dá na prática, por uma falência cada vez mais clara do modelo neoliberal e dos resultados drásticos dessa política, principalmente no Terceiro Mundo e nos países considerados em "desenvolvimento". Sendo assim, chegamos também a uma segunda conclusão que remete a influência do sistema econômico sobre a força dos Estados e sua soberania como definidores do sistema-mundo e da Globalização. Dessa maneira, entendemos que a crise ou a dúvida sobre o modelo a seguir no tocante a economia, cria barreiras à globalização, o que gera contradição e incertezas, principalmente se tratando de uma economia-mundo transnacional e cada vez mais frágil - vide as últimas crises desse sistema e a influência de instituições financeiras como salvaguarda desse modelo, como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial.

Sendo assim, essa globalização que de fato existe e para nós tem como origem na revolução comercial Europeia e em grande parte na Revolução Industrial, encontra na mídia uma aliada importante e na mudança cada vez maior da estrutura mental e coletiva, viabilizando uma lógica de mercado e uma felicidade só existente no consumo e dessa forma um sucesso inerente dessa política de consumo de massa, que pouco a pouco assume uma popularidade maior no limiar do século XX, principalmente com a popularização da TV e dos mecanismos da propaganda televisiva.

Dessa forma, destacamos alguns tópicos dessa análise que citamos a seguir:

  • O tecido social no qual estamos emaranhados, implica decisivamente a ideologia e a prática ao consumo e, discriminam aqueles que não possuem um poder de consumo; caso de grande parte da África.
  • A globalização da questão social desenvolve-se e intensifica-se mais um ciclo de racialização do mundo, assim como de transnacionalização de movimentos sociais de todos os tipos, envolvendo feministas, reivindicações étnicas, tensões e lutas religiosas implicadas na geopolítica do terrorismo e crescente consciência de que o próprio planeta terra está ameaçado.
  • As mudanças culturais apresentam na contemporaneidade a vida de consumo estético, ou seja, a nossa, que focaliza a necessidade de dar à vida uma forma que proporcione “prazer estético'', seja o desenvolvimento do consumo de massa em geral, a busca de novos gostos e sensações e a construção de estilo de vida distintos que se tornaram aspectos centrais da cultura de consumo.
  • A poluição da mente se faz com a bombástica manifestação da mídia, que envolve as pessoas facilmente devido às suas próprias mentalidades estéticas direcionadas ao envolvimento com o consumo de massa.
  • Por fim, todas essas mudanças de ordem mental, social e principalmente econômicas, fruto do processo de globalização, nos colocam - como educadores e cientistas sociais - a difícil tarefa de esclarecer dúvidas e questionamentos sobre o mesmo, tomando como perspectiva a visão de mundo desse processo e seus resultados, principalmente no que toca ao Brasil nesse mundo Globalizado e o resultado dessa política da exclusão atualmente prostituída de modernidade.

Publicado em 13/12/2005

Publicado em 01 de janeiro de 2002