Agora, Brasil, Inês é morta!

Claudia Menezes Nunes

Professora, mestra em Educação (UNIRIO). especialista em Tecnologia Educacional, Neurociência Pedagógica e Psicopedagogia (AVM/UCAM)

Em tempos de informações irrelevantes
Muito difícil manter a visão lúcida sobre a vida.
Há debates cruciais; há questões raciais; há crenças imortais.
Mas nós... nós não somos mesmo tão imortais.
Por isso, Brasil, avante!

É urgente trabalhar para transformar.
É urgente ficar em casa para se amar.
A história não poupa ninguém.
O futuro da humanidade não se paga em vintém
Por isso, Brasil, por favor, levante-se!

Nas águas de março
Nós estávamos ocupados demais,
Cheios de responsabilidades demais,
Umbilicais demais;
Perdidos em vaidades de menos
E em orgulhos, cheios de venenos.
Nunca pensáramos na força doente dos ventos.
Então, que história nós temos hoje?
Em suma, nenhuma.
Por isso, Brasil, agora, relembre!

De repente, não mais que de repente,
Precisamos de clareza, mais do que de alimentos.
Precisamos de firmeza, mais do que de roupa.
Precisamos de leveza, mais do que lá fora.
Precisamos de gentileza, mais do que de ir embora.
Precisamos de gente e saúde pelo mundo afora.
Nesse de repente em de repente,
Os dias e os corações estão bem doentes.
Por isso, Brasil, não se lamente!

Nunca fomos deuses ou astronautas.
Nunca fomos descobridores dos sete mares.
Nesse tempo de vida, nós só tivemos o dom de iludir
Para enlouquecer sem poder ir e vir.
Não entendemos que é o amor o nosso melhor elixir.
Somos o aqui e agora de nossas próprias ações.
Somos ilusões, chavões e grandes sermões.
Somos inversões de valores e vírus aterrador, sem senões.
Ninguém escapa do que seja global
Quando a morte se refugia em todo local.
E se você pensar em fazer o mal,
Lembre-se de que o mundo é seu quintal.
Lá existe de tudo:
Refugiados, famintos, descrentes e nunca elogiados.
Todos com dores e certezas profundas,
Regados pelo que é fatal!
Por isso, Brasil, enfrente!

Temos uma realidade em tramas e traumas
Sofremos no privado o que fizemos em público.
E não há sabedoria ou fonte de sobrevivência em nossas almas.
Somos maus selvagens com pitadas de lucidez.
Então, pense com rapidez:
O que está acontecendo no mundo hoje?
O que fizemos do mundo ontem?
Que mundo nós teremos amanhã?
Não há resposta sem angústia e medo,
Não há decisão sem ansiedade e treino.
Há distorções rudes de corpo coletivo insano e doente.
Por isso, Brasil, sustente-se!

Incendiamos o mundo com um elemento invisível;
Fizemos experiências com o desconhecido;
Rompemos os liames da ética e do pudor de forma inflexível
E agora temos a dor em rede sem destinações diretas
Como nunca deveria ter acontecido.
Nossa vida diária foi interrompida,
Gestos afetivos são suprimidos,
Vidas em torrente de emoções sem ponto final.
Não somos mais tão destemidos.
Somos arenas de vazios sensórios.
Somos ameaça e perigo urgente.
Somos seres sem explicações irrisórias.
Somos a loucura daqueles sem abrigo e indecentes.
E, depois de tantas e loucas maldades,
Somos solitários, estranhos, envoltos em boçalidades.

Agora, realmente, depois do ‘leite derramado: ‘Inês é morta!’
Por isso, Brasil, reinvente-se!
Sua situação é urgente!

Publicado em 10 de novembro de 2020

Como citar este artigo (ABNT)

NUNES, Claudia Menezes. Agora, Brasil, Inês é morta! Educação Pública, v. 20, nº 42, 3 de novembro de 2020. Disponível em: https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/20/42/agora-brasil-ines-e-morta